Quem já usou o Windows Phone 7 certamente sente falta daquilo que também faltou ao smartphone da Apple por muito tempo: multitarefa. Poder executar vários aplicativos ao mesmo tempo é importante, tanto que Steve Ballmer mostrou nessa semana como é que o multitasking vai funcionar na plataforma móvel da Microsoft. Por incrível que pareça, similar ao que o webOS oferece.

Lá atrás, quando a Palm – empresa que mais tarde foi comprada pela HP – apresentou o smartphone Palm Pre, mostrou um sistema de multitarefa que apresenta os aplicativos como cartas em um baralho. O usuário pode passear por elas até escolher aquela que mais interessa, para retomar a sua execução. No Windows Phone 7 será igualzinho, ao que tudo indica.

Segundo o Engadget apurou, a execução de vários apps no WP7 vai contar com os botões nativos do sistema. Ao pressionar e segurar o botão de Voltar, a plataforma da Microsoft vai exibir um baralho com todos os aplicativos que estão rodando atualmente. Cabe ao usuário movimentar o dedo pela tela do aparelho, a fim de encontrar aquele app que quer reativar. Ao selecioná-lo, o aplicativo automaticamente volta a ser executado do ponto em que parou.

Windows Phone apresenta apps como se fossem cartas em um baralho (imagem: Engadget)

Assim como no iPhone OS, o Windows Phone 7 contará com um módulo de multitarefa que não permite rodar vários aplicativos simultaneamente – a bateria do aparelho agradece! Em vez disso, os apps serão suspensos, e voltarão à ativa, no mesmo ponto em que estavam sendo executados, quando o usuário seleciona novamente esse app.

Essa novidade estará presente somente em uma atualização futura do Windows Phone, que deve chegar aos smartphones em meados desse ano. Mal posso esperar!

Com informações: Mobilized, Engadget.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Gabriel Bemfica
Nunca vi essa combinação de hardware que você mencionou. Não sou muito entendido de smartphones entre 2002 e 2006 (antes disso só havia os Nokia Communicator, que conheço relativamente bem, e depois foi quando comecei a usar smartphones), mas tive um HTC Wizard com 200MHz e processador e 64MB de RAM, então suponho que, quando os processadores chegaram ao padrão de 350Mhz mais ou menos, a RAM já era consideravelmente maior que 32MB. Just saying.
Gabriel Bemfica
Tanto a Nokia (na parte do hardware) quanto a MS (com o WP7) são muito boas no gerenciamento de bateria. Não duvido surgir um aparelho dessa parceria que dure uma semana com uso semi-intensivo, e sem precisar evoluir muito na capacidade da bateria.
Gabriel Bemfica
Nunca usei um, e nunca fui fã da Microsoft, mas, por tudo que já li em vários lugares, os aparelhos com WP7 são muito bons. A começar pela exigência mínima de hardware da MS, que é bem parruda. Além disso, vários modelos estão vindo com funções "a mais" (como o HTC Surround, com seus alto-falantes de cair o queixo), o que dá um toque de exclusividade não só nos aparelhos top de linha, mas em cada modelo diferente. Assim como o Android, vai demorar um pouco a deslanchar (o iPhone se deu bem por causa da devoção e da militância dos macfags e pelo campo de distorção da realidade do Jobs, que criou um hype imenso em cima do aparelho), mas quando cair nas graças dos entendidos, não vai faltar muito para conquistar uma fatia significativa do mercado. É a mesma questão do Windows para computadores: exceto pelos mais avessos à tecnologia (que até no Windows XP usavam o tema Windows Classic, por acharem o Luna muito moderninho), todos os usuários preferem o 7, muito mais amigável ao usuário, muito mais rápido, muito mais limpo e leve na interface, etc. Da mesma maneira que o WP7 comparado ao WinMo.
Daniel Drumond
Ah, esquece, entendi errado... :S
Daniel Drumond
Ah, sim, pois "Ao selecioná-lo, o aplicativo automaticamente volta a ser executado do ponto em que parou." tinha me dado a entender que o app realmente parasse de ser executado! @[email protected]
Caio Furtado
Se não der tela azul, tudo bem.
Jorge
Devemos lembrar que estamos um celular, e não no computador ligado a tomada. Minha mãe tem um milestone, hora ou outra ela abre um aplicativo e fica lá tudo aberto. A maioriaa das pessoas não querem ou nem sabem que o aplicativo tá aberto, pensa saiu fechou. Esse sistema é muito bom, aplicativos de música ficam com audio em segundo plano. Você recebe as notifcacoes do msn e tudo mais e quando volta tá lá, nao precisa entrar no msn de novo. Os beneficos são rapidez, duração de 3 dias de bateria. No meu caso eu prefiro assim, já outras pessoas preferem andar com carregador.
Matheus Oliveira
Flawless victory
Gabriel Silva
É isso aí, Microsoft! :D
Rubens Brilhante
Ano passado fui em um evento da Microsoft sobre desenvolvimento para wp7 (Bizspark Camp) e o que foi dito é que quando o usuário apertava nesse botão de voltar o aplicativo não ficava "suspenso" era sim finalizado, mas o usuário poderia voltar a iniciar o aplicativo. O app é que verificava se o usuário queria reiniciar o app ou estava abrindo uma nova instancia. Era problema do desenvolvedor fazer com que o app guardasse seu status antigo e iniciá-lo de modo que parecesse que estava suspenso. Espero que isso tenha mudado. Não sei como é no webOs mas no Android isso é bem mais tranquilo.
@mapuche77
... Quanto a duração da bateria, pertenço ao time que defende o direito de decidir sobre os aplicativos que quer usar. Não se pode ignorar que quanto mais aplicativos abertos mais processamento será necessário, e para mais processamento mais energia; isso é lógico. Mas como o aparelho me pertence eu gostaria de poder decidir quantos e quais os aplicativos que quero usar ao mesmo tempo. Só isso!
Alexandre
se isso nao atrapalhar o desempenho do telefone em si, legal.
Jorge
Claro, a bateria do Android é o tempo normal, tá certo. ehehehe
Alexandre
ou da nokia? quem tem mais a ganhar com isso eh a nokia, que ve seu mercado em declinio. A M$ nunca foi expressiva nesse mercado, qualquer coisa a mais é lucro
Rodrigo Fante
Claro por que fazer tudo isso ao mesmo tempo em um dispositivo móvel e acabar com a bateria em meia hora faz todo sentido.
Exibir mais comentários