Não é exatamente fácil falar com uma das autoridades mundiais em software livre. Ainda assim, eu consegui conversar por alguns minutos com Jon Maddog Hall sobre o seu grandioso Projeto Cauã, sobre o qual palestrou hoje mais cedo. A ideia de Maddog é permitir que todos os brasileiros tenham acesso à informática e à internet, por meio de uma estrutura visionária (e complicadíssima de ser montada).

Entre um fã e outro que pede para tirar fotos, Maddog falou sobre a burocracia, um dos problemas que possivelmente o Projeto Cauã vai enfrentar no Brasil. Todos sabemos que é muito caro empreender por aqui, e ele reconhece isso. Maddog diz que tem bons contatos junto ao governo, para que as coisas sejam facilitadas e seu projeto siga em frente.

Maddog falou para dezenas de campuseiros (foto: Danilo Braga) | Clique para ampliar

Além de conversar com o governo, Maddog e o time por trás da iniciativa mantém contato com as operadoras. Ele cita nominalmente a Telefônica (que patrocina a Campus Party, por sinal), dizendo que a operadora está “entusiasmada” com a ideia que ele apresentou aos dirigentes. Segundo ele, a Telefônica (assim como as demais operadoras) só tem a ganhar ao oferecer acesso a internet para mais pessoas.

Ele traça um paralelo com a indústria de PCs. Segundo Maddog, a Apple possui sistemas completamente fechados, disponíveis apenas para seus dispositivos. O resultado disso é que a empresa de Jobs detém apenas 10% do mercado do desktops. Enquanto isso, a Microsoft permite que qualquer parceiro venda PCs com Windows, o que a fez abocanhar cerca de 90% do mercado.

E quanto ao hardware por trás dos thin clients? Um dos pontos mantidos por Maddog é que será muito fácil atualizá-lo, já que as peças que realmente permanecem no aparelho são simples. Uma das dúvidas sobre esses aparelhos é quanto ao armazenamento, já que Maddog disse em sua palestra que não haveria partes móveis nos thin clients. Seriam SSDs, que custam bem mais caro? Ele diz que não: “Os discos rígidos ficarão na central de dados do edifício, o que permite uma manutenção mais rápida e também permite um manuseamento mais eficaz”.

Por fim, Maddog comenta o controle da rede por trás do Projeto Cauã. Segundo ele, não será uma “rede de computadores”, uma vez que cada terminal será independente e sem um controlador do que passa pela rede de dados. Falando especificamente da China, o presidente da Linux International diz que as ditaturas terão que enfrentar uma população cada vez mais ciente do que acontece no nebuloso campo da liberdade de expressão e comunicação.

Esse é Jon Maddog, um visionário que não poupa palavras duras quando é necessário, mas parece sonhador na maior parte do tempo (inclusive em suas argumentações lúcidas acerca do projeto que lidera).

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

maddog
Hello, I would like to answer a few things here: o All users data would both be encrypted and virtualized, so others would not be able to read it. Furthermore, the user would be able to determine where their data would be stored at any time: On a thumb drive, on disks local to the thin client, on servers in the users' building, or "in the cloud". o clients assembled in Brazil have to pay a duty of 6% (not 60%) on the *parts* being imported. This is drastically different than the 100% duty on finished products. The thin clients will be very affordable o Brazil needs to invest in BOTH technology and basic issues. You can not ignore one or the other. But they do not have to be exclusive of each other. md
Thiago Sabaia
:D
Gabriel Silva
Viva ao TB!! \O/ [Entrevistaram o pinguim com fama de rapper!!]
Felipe Silva
todos nós esperamos, mas na minha humilde opnião o Brasil tem que investir sim em tecnologia, mas ainda não pode priorizar ela séria muito contraditorio investir em tecnologia e em alguns lugares nem tem energia ainda. logo acho que o Brasil tem que primeiro melhorar e muito sua base pra investir pesado em tecnologia.
Caio Furtado
Também espero que dê.
@Celsinhu
Trágico, mas é a realidade...tomara que a idéia dele vingue...
JoseRenan
projeto bacana, quero ver dar certo...
@AntonioVeras
Brasil? Rá! O que manda aqui é o jogo político. Enchente? Rá! O carnaval está aí. Daqui um pouco todo mundo esquece.
Thássius Veloso
Os dados serão todos criptografados, de acordo com Maddog. Ele não esclareceu como é a situação para quem mora em casa, mas disse que haverá centros "comunitários" para atender algumas localidades. Maddog disse que espera importar os itens eletrônicos, cujo imposto é de 60%, em vez de importar o thin client pronto. Ele quer contratar empresas menores que tenham capacidade para produzir os thin clients em larga escala, barateando os custos. Os thin clients estão previstos para custar 200 dólares aproximadamente.
@brunogdb
Demais, espero que ele consiga!
@vitorrigonibx
Não sei vc, mas eu estou trabalhando... E absurdamente =/
bawlaw
ahh... o nosso equivalente ao Steve Jobs, mas sem toda aquela grana e nem campos de distorções.. xD
julio cesar
Gostei da ideia, e sobre oq comentaram sobre custos, concordo qq pessoal q trabalhe com informatica ou tecnologia sabe q o governo ferra nossa vida! Mas acho que ninguem melhor que ele pra conseguir diblar isso, Ja que o brasil esta empolgado em tecnologia como vimos a presidente flando sobre tablets, acho que vai acontecer a mesma coisa com esse projeto! Boa sorte pra ele e ... OQ EU ESTOU FAZENDO QUE NAO ESTOU NA CPbr4?
Daniel Luiz
O que iria cair na net de fotos "Secretas" nao é brincadeira. ohw, Wait!! O QUE ESTAMOS ESPERANDO PARA IMPLANTAR ESSE SISTEMA????
Leonardo Santos
Certo e quanto à sgurança dos dados dos usuários? tudo bem fica tudo na central do prédio.. e quem mora em casa? teria uma central da rua? quem daria manutenção? e quanto ao custo disso tudo para as operadoras? uma coisa é você fazer algo na europa e EUA outra é fazer aqui no Brasil nao apenas na burocracia e sim nos custos, tudo aqui eh mais caro e bem mais caro chega a 90% os impostos sobre bens de consumo ou eletrônicos... como ele vai ultrapassar estes obstáculos? Thin clients baratos? quao baratos? ja trabalhei com isso e o valor desses pequenos chega a 600 reais fácil o básico e a 1300 os mais elaborados... Nao estou falando que a ideia é idiota o que nao é, alias nem inovadora ela é pois ja pensaram nisso antes mesmo dele...
Exibir mais comentários