Esse ano que está acabando foi marcado por uma onda de biografias. Tivemos Keith Richards, André Agassi, Lady GaGa e Michael Jackson, sem contar que o cantor/filho do Fábio Júnior/ator Fiuk escreveu sua autobiografia no auge de 20 anos. E parece que essa tendência literária vai continuar em 2011, com pelos menos uma história de vida devidamente confirmanda: a de Julian Assange, o fundador do WikiLeaks.

Em entrevista a um jornal do Reino Unido, Assange indicou que vai mesmo autorizar uma biografia sua. Não que ele quisesse publicar essas histórias, mas os custos de sua defesa na corte inglesa já estão altos demais e o editor-chefe do WikiLeaks precisa de uma forma de pagar seus advogados e os do site que ele lidera.

Assange disse que vai receber US$ 800 mil da editora americana que se interessou por suas histórias, que certamente revelarão muito do motivo pelo qual ele luta para manter o WikiLeaks no ar. Além disso, uma editora inglesa estaria disposta a desembolsar 325 mil libras para publicar o mesmo livro na terra de Sua Majestade. Um dinheiro irrecusável na atual situação de Assange, é bom que se diga.

No total, o homem poderia embolsar mais de US$ 1,7 milhão, que ajudariam bastante a pagar as contas de Julian Assange. Ele teve que pagar uma fiança de 200 mil libras para aguardar em liberdade enquanto seu caso tramita na justiça inglesa.

O fundador do WikiLeaks disse em entrevista que não desejava escrever esse livro. Afinal de contas, é compreensível que Julian Assange queria preservar suas histórias, sem se curvar ao tipo de relacionamento comercial que ele costuma criticar. No entanto, não são muitas as pessoas que estão dispostas a colaborar financeiramente com ele – embora Assange tenha muitos defensores –, o que o levou a essa incômoda situação. Creio que eu faria o mesmo.

Com informações: iG Último Segundo