A coisa está feia para o lado de Julian Assange, o fundador e editor-chefe do WikiLeaks. Ele se entregou à polícia na segunda-feira e passa por um julgamento no qual é acusado de estupro – o que não tem nada a ver com o caso da WikiLeaks, é o que afirmam os envolvidos, mas eu não acredito muito nessa história. Para piorar as coisas, várias instituições estão encerrando as formas que existiam para oferecer donativos à causa do site.

Mais uma vez não por acaso, o site do Mastercard foi tirado do ar na manhã dessa quarta-feira, depois de constantes ataques. Um grupo que defende Assange organizou e executou um ataque de DDoS, que força requisições a um determinado servidor até que ele não aguenta, começa a falhar e o site sai do ar. Já faz várias horas que os sites do Mastercard estão indisponíveis ou com acesso bastante lento.

Impossível dar "ping" no mastercard.com

Aqui no QG do Tecnoblog foi impossível abrir tanto o mastercard.com (site a nível global) como o mastercard.com.br (voltado para o mercado brasileiro). Depois de realizar testes de ping, que detecta se o site está funcionando, consta que é impossível enviar ou receber pacotes para os domínios da administradora de cartões de crédito.

O Mastercard recentemente encerrou o envio de donativos para o WikiLeaks, que anteriormente era possível. Além desse site, o da Visa e do banco suíço no qual Julian Assange mantinha uma conta pessoal foram atacados e também saíram do ar. Outros alvos foram o PayPal, que desde o início da semana impede que usuários façam doações para Assange, e a Amazon, que se recusou a hospedar os conteúdos do site.

Nessa página você consegue enviar doações para o WikiLeaks.

Com informações: Globo Online