Início » Arquivos » Brasil » Ideia de jerico: Bolsa Família pelo celular

Ideia de jerico: Bolsa Família pelo celular

Avatar Por

Eu ainda estava comemorando o possível fim do roaming na telefonia móvel quando dei de cara com uma matéria na Folha de São Paulo que me fez reler, 5, 10, 15 vezes para acreditar: os beneficiários do programa Bolsa Família vão receber seu benefício pelo celular. O projeto foi concebido pela Caixa Econômica Federal e deve ser implantado no início de 2011.

A estreia da Caixa como prestadora de serviços de telefonia é uma possibilidade inédita graças às novas regras da Anatel, que permitem a associação de qualquer empresa às operadoras móveis, usando a infraestrutura das teles para a prestação de serviços aos clientes de ambas.

Há duas maneiras de explorar esse novo potencial de negócios: 1) Com as empresas comprando minutos das teles por atacadoe revendendo (ou oferecendo como bônus) aos clientes; ou 2) Alugando a rede da operadora para prestar o serviço. Esse último é o caso do Bolsa Família móvel, que funcionará implantando-se um novo chip dentro do celular, transformando o aparelho num “cartão bancário”.

O serviço Square também oferecerá pagamentos por meio do iPhone, de forma similar ao projeto do Bolsa Família móvel

O sistema é igual ao da recarga de um celular pré-pago. É possível carregar o celular com créditos que funcionarão como dinheiro, fazendo-se transferências da conta corrente via internet, agências e caixas eletrônicos. O benefício do Bolsa Família chegará dessa forma às 12,3 milhões de famílias atendidas pelo programa.

Para o serviço funcionar, os beneficiários deverão, evidentemente, possuir celulares e chips de operadoras. Apesar de um provável custo a mais, a Caixa calcula que o gasto será menor que o de levar agências ou caixas eletrônicos ao grande número de municípios brasileiros ainda não assistidos por agências bancárias. Também é preciso que exista sinal de celular funcionando em todos os municípios atendidos. A Caixa garantiu que onde falta cobertura, ela chegará até o fim de 2010.

Onde a porca torce o rabo

A maioria dos grandes bancos, como BB, Itaú e Bradesco, já estão com projetos prontos para emplacar o mobile payment no Brasil em 2011. Sem dúvida, é um grande avanço transformar nossos celulares em “carteiras eletrônicas”, substituindo o uso dos cartões de débito e crédito… Desde que a adesão não seja compulsória!

Se há uma reconhecida dificuldade dos bancos e dos sinais de celulares chegarem à uma gama de municípios brasileiros, o que dizer dos comerciantes dessas localidades, que evidentemente deverão se adaptar a essa nova modalidade de pagamento de seus clientes?

Para o beneficiário do Bolsa Família fazer uso do dinheiro recebido pelo programa, a fim de adquirir mantimentos, roupas ou serviços, eles deverão aproximar seus celulares dos terminais presentes em estabelecimentos comerciais. Todos os pequenos comerciantes se verão obrigados a adquirir ou adaptar seus terminais financeiros. Ou então o usuário poderá se deslocar até um município que tenha um banco e liberar o benefício em dinheiro na boca do caixa (que evidentemente cobrará por isso, além de exigir novos acordos entre instituições financeiras, o que não acontece de uma hora para a outra).

Para piorar, as telecoms estão pressionando a Anatel para que as empresas interessadas em prestar serviços de telefonia a seus clientes, como a Caixa, sejam obrigados a fechar parceria com somente uma operadora. A ideia inicial era que a companhia se associasse a quantas operadoras quisesse. Segundo a Folha, na semana passada, um conselheiro da Anatel pediu vistas e paralisou o processo. Na avaliação de especialistas, a exclusividade das operadoras poderá levar o serviço ao fracasso, pois é comum que correntistas de um banco já possuam um celular. Com a parceria exclusivista, ou o usuário troca de banco, ou troca de operadora. Sem contar as cidades cobertas atualmente por uma operadora apenas!

Claro que, para as telecoms, a ideia do Bolsa Família pelo celular não é nada de jerico. Com tantas burocracias e restrições no acesso ao benefício, o mais provável que ocorra, no fim das contas, é o auxílio do governo sendo todo engolido por chamadas, aparelhos, taxas e serviços das próprias operadoras. Alguém duvida?

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Alexandre
pano para manga isso dar vai, meus nobres padawans me da muito medo das tais da PPP (parceria-publico-privado) mais dindin indo para a privada
@sergioblaster
Quanta paranóia. Li a matéria da Folha e em NENHUM momento sequer foi insinuado que seria a ÚNICA opção de pagamento. É só mais uma alternativa. Muita gente mal tem intimidade para usar funções básicas de um celular (até por opção mesmo) e obviamente exigir isso dessas pessoas é totalmente fora de propósito. Eu gostei da idéia, é um belo e bem vindo projeto piloto.
Kazu
Perde o celular, perde o benefício junto! Isso vai é aumentar o roubo de celulares isso sem. E todos sabemos que, como tudo no Brasil, de alguma forma terá uma taxa de serviço ou algo assim. Pessoas que recebem o Bolsa geralmente não sabem nem escrever direito, quem dirá usar o celular para sacar dinheiro. Acho que ainda não é o momento para essa realidade no Brasil...
Guilherme Mac
Mas como eu disse, fraude acontece em todos os lugares. O que acontece é alguns aparecerem com "estatísticas" fantasiosas, como no caso. Releia o que falei.
@andreontherocks
Bem, a idéia, no papel, é linda. Agora, na prática é preciso lembrar que a tal "inclusão digital" ainda não é uma realidade em boa parte das cidades brasileiras, principalmente fora do sudeste e do sul do país. Eu fico imaginando um agricultor, no interior da Bahia que, por N motivos, ainda não é familiarizado com o uso de celulares ou internet e, em muitos casos, tem dificuldades para usar caixas eletrônicos tendo que lidar com essa mudança na forma de pagamento do benefício. Outro ponto a ser observado é a resistência dos próprios usuários de celular ao 'mobile payment', vide experiências em outras culturas mais habituadas a vida digital, como no Japão. Essa idéia do Governo pode ser uma "idéia de jerico" se aplicada ainda em 2011, em vista das necessidades tecnológicas do Brasil como um todo. Mas eu acredito que num futuro não muito distante essas ferramentas poderão ser apresentadas como "opções" para os beneficiários dos programas sociais. No mais, resta aguardar e ver se esse projeto vai ser levado em frente.
Rafa
Guilherme o Jonatan não falou que precisa parar com o programa, falou de beneficiários que não precisam receber e recebem e isso deve parar, nada mais. Relaxa. Agora existe também bolsas absurdas que pagam dinheiro para cada filho que uma mulher tenha sem qualquer limite. Ai a moça ganha o dinheiro, compra roupa pra ela e da a criança p/ adoção, acha que isso estratégico para o país?
Danilo
Exatamente. Muita gente recebe bolsa familia, escola, gravidez, entre outras tantas sem ter direito e acaba prejudicando quem tem direito e quem não tem e não recebe(como eu e muita gente).
Carlos
Trabalho diretamente com o Bolsa Família e colegas pensaram a mesma coisa: será que o benefício não vai todo em chamadas? Além disso, realmente boa parte dos beneficiários não possuem aparelho celular. E estamos pensando em grandes centros, mas há, por exemplo, aldeias indígenas com beneficiários do bolsa família. Há localidades que sequer possuem luz elétrica.
Danilo
Muita gente que ganha bolsa familia(sem o direito de) tem condição de comprar iPhone.
Fredson Sousa
Pagamento por celular aqui Brasil já funciona pela Oi no Oi Paggo toda operação é feita por sms, o problema só funciona na Oi é claro (na Claro não funciona. rsrs). O que pode não funcionar no projeto é justamente a parte que as operadoras querem fidelidade, se a caixa optar por operadora A não poderar oferece o serviço pela operadora B, aqui na Bahia por exemplo muitas cidades pequenas do interior só tem cobertura da Vivo.
Guilherme Mac
Sua "estatística" é furada e quase criminosa. Não é pq tem gente que frauda, que o programa deve parar. Não faz sentido isso. A exceção não é regra. O programa ajuda muita gente sim, gente que vive muito mal, e não pode esperar décadas para o país se desenvolver, melhorar a educação e aumentar as oportunidades de emprego. A necessidade é agora. Para quem tem filhos (quase todos) é ainda estratégico para o país, pois além da necessidade de escola para receber o benefício, há comida para os mesmos estudarem. É o ideal? Obvio que não. Mas só pq não é o ideal não deve ser jogado fora. Discutir os aspectos técnicos e políticos é uma coisa, mas tentar sabotar com mentiras e achismos é desmerecer um programa reconhecido pela ONU, que ajudou a melhorar índices sociais, melhorar a condição de vida de pessoas. Se vc não liga para a vida humana, guarde isso para vc, mas não tente prejudicar os outros sabotando egoisticamente.
Daniel Drumond
Oras, não terá que ser um celular de ponta! :S O iPhone no post só está ilustrando... Mas a questão é: Nem todos tem celular, mesmo que basicão...
@Swdezerbelles
Concordo com vc. Tudo bem evoluirmos a tal ponto, mas programa do governo era pra ser pra gente carente,neh? onde que gente carente tem como comprar um celular de ponta para realizar tal transação? Oras!
Jonatan
Minha cunhada trabalha em um supermercado aqui é Goiás e segundo ela a grande maioria dos beneficiados do Bolsa Família tem celular, casa, carro, notebook... A maioria dos beneficiados não precisam do benefício.
@mikemetralha
Como a Bia comentou, se a adesão não seja compulsória acho o projeto louvável, pois irá popularizar a tecnologia. Só acho que há problemas maiores que esse. Por exemplo, o cartel que as operadoras criaram para os valores altíssimos de seus serviços horríveis. Vide a tecnologia 3G que, no Brasil, cobra-se uma fortuna por um serviço ridículo.
Exibir mais comentários