Início / Arquivos / Internet /

Google quer ‘toma lá, da cá’ para quem pegar dados de contatos

Rafael Silva

Por

Notícia
Achados do TB Achados do TB

As melhores ofertas,
sem rabo preso 💰

Uma pequena modificação nos termos de serviço da API de contatos do Google pode causar uma possível revolta generalizada no futuro. A modificação aconteceu no termo número 5.8 que agora diz, dentre outras coisas, que “Ao acessar conteúdo a partir da API de dados de contatos […] para usá-la no seu serviço ou aplicativo, você está concordando que vai permitir seus usuários a exportação de seus dados de contatos para outros serviços ou aplicativos à sua escolha […]”. Porquê isso causaria revolta, você pergunta?

Diversas redes sociais usam a API de contatos do Google. Essa API é acessada sempre que você coloca seu login e senha do Gmail em uma rede social que não faz parte do Google. É através dessa importação de dados que tal rede social procura e encontra contatos dentro da sua base de dados própria para adicioná-los automaticamente no seu perfil. Isso acontece no Twitter, MySpace e até no Facebook. Mas ao que parece, o Google estaria mirando especificamente na última.

O Facebook permite a importação de contatos pela API do Google, mas ele não dá uma opção fácil o bastante para usuários exportarem os mesmos dados para fora da rede e é isso que o Google quer. Segundo um porta-voz da empresa, “usuários não estão atentos ao fato de que uma vez que eles importaram seus contatos para sites como o Facebook, ele estão efetivamente presos”. A mudança, no entanto, afeta todas as redes que usam a ferremanta.

Com a alteração dos termos de serviço, as redes sociais que usam a API de contatos tem duas opções: ou passam a oferecer uma ferramenta de exportação de dados de contatos ou não usam mais a API do Google. E é nessa parte que uma potencial revolta pode acontecer, já que ninguém quer perder público para ninguém. O Google, no entanto, não deu uma data limite para até quando os serviços devem disponibilizar a ferramenta. É mais um daqueles casos de esperar para ver.

Com informações: TechCrunch.