Início » Arquivos » Brasil » TV digital ou analógica? TV, apenas.

TV digital ou analógica? TV, apenas.

Avatar Por

Se eu pudesse escolher um objeto, qualquer um, que representasse o povo brasileiro na sua essência, este seria o aparelho de televisão. Embora TV seja praticamente um commodity mundial, no Brasil ela tem particularidades tão próprias que acabou se tornando objeto de estudo de diversos pesquisadores de tudo quanto é país.

O brasileiro ama TV. Muitas vezes ele não tem nem geladeira, mas a TV está presente. E quase sempre ligada. O IBGE atesta que 98% dos domicílios deste país tropical e ensolarado possuem TV, mas geladeira, são 92%. Eu já vi moradores de rua que montam barracos de lona e papelão sob viadutos, equipando-os com colchão, fogareiro e… TV. Devidamente ligada através de um gato ao poste de luz mais próximo. Ah, o gato. Outro símbolo nacional – mas este fica para outro post.

Nos anos 70 os militares empreenderam uma bem-sucedidada campanha para que a TV estivesse em todos os nossos lares, a fim de “levar o conhecimento e promover a integração nacional”. Intenções escusas à parte, deu certo.

Semana passada completamos 2 anos de TV digital no Brasil. Depois de um grande estardalhaço na estréia, a empolgação foi esfriando, como bem sabemos, devido à demora dos aclamados recursos de interatividade, do equipamento, dos preços, da cobertura tímida. E o povão continua confuso, sem entender do que realmente se trata. Muitos acham que é o mesmo que TV a cabo. Os preços assustadores dos aparelhos contribuem para elitizá-la ainda mais. Talvez o governo não tenha explicado o suficiente que bicho é esse. Ou explicou mal: quantos dos nossos milhões de brasileiros classe C, D e E poderiam assistir sua novela, seu jogo de futebol ou programa de auditório numa TV com resolução full HD, com menus interativos e acesso à internet? Ah, sim, tem a caixinha conversora (onde?) a preços módicos, mas quem a usaria para ligá-la na sua TV de tubo de 20 polegadas?

Menciono a TV de tubo porque, enquanto estava na fila do caixa de um grande varejista há 2 semanas, vi um casal de idosos com a caixa de uma TV dessas, de 20 polegadas, no carrinho. Foi aí que parei para pensar se TV digital faz mesmo falta para o grosso do povão. Puxando papo para aplacar a longa espera, soube que a nova aquisição confortaria a simpática dona de casa, que poderia agora ver sua novela em paz enquanto os membros jovens da família não mais brigariam por esportes ou filmes.

É isso. Reclama-se que o brasileiro não lê, não vai a teatro, museus, cinemas e parques. Falta dinheiro para livros, teatro e cinema, e falta disposição para o lazer barato de qualidade, às vezes longe demais das periferias. Que pai levaria seus filhos a uma biblioteca, parque ou museu do outro lado da cidade, exausto que está de trabalhar incansavelmente e ainda passar horas dentro da condução, todos os dias? A TV, contudo, está sempre ali, dentro de casa. É conforto, companhia, fantasia, diversão, válvula de escape. De graça e sempre presente.

Você vai assistir a Copa do Mundo de 2010 em seu dispositivo móvel?

Na tela grande a TV digital vai devagar por todos os motivos que esboçamos acima. Mas nos dispositivos móveis, tudo deveria ser mais fácil e barato, não? Quem se habilita a ver TV numa diminuta telinha de celular ao invés de um confortável aparelho convencional tem razões bem claras. São os trabalhadores que passam 3 horas por dia no transporte coletivo; guardas, vigilantes, porteiros, plantonistas. Temos uma legião de brasileiros que se enquadram nessas categorias.

Samsung e LG apresentaram seus celulares com TV digital que estão há um tempinho à venda. Há poucas semanas, a Nokia anunciou um módulo bluetooth para conectar vários de seus modelos à TV digital. Não há muitos detalhes do funcionamento desse acessório ainda. A impressão que eu tenho é que ele está tão incompleto quanto a própria TV digital brasileira. Vai dar para gravar programas ou trechos deles? E interatividade, vai rolar? Sim, sabe-se que ele será compatível com o Ginga, o sistema que vai comandar nossa nova TV. Mas cadê o Ginga?

E para o povão, que diferença vai fazer esse Ginga, afinal?

Nesse ínterim, os celulares xing-ling com TV analógica continuam fazendo o maior sucesso nos camelôs e centros comerciais populares. E é aí que TV convencional e TV móvel se cruzam no universo C-D-E. Não importa a qualidade, não importa esse negócio de interatividade. O aparelho só tem que ser barato e funcionar. No Brasil, convergência não tem nada a ver com integração de ferramentas. É, pura e simplesmente, a comodidade de ter um sinal de televisão num aparelho que todo mundo já leva no bolso todo dia: o celular. Pré-pago, lógico.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Phil
Gostei, apesar da pitada de preconceito. Essa é a realidade, amiga. Sendo classe A, temos de entender que nem todos (ou quase ninguém) e tão privilegiado quanto a gente. Relaxa e goza!
Maurilio Alberone
Oi Bia, seu texto é bem interessante e realmente reflete a realidade brasileira. TV é a fonte de informação e cultura das massas. Estando acompanhando o desenrolar da TV digital no Brasil de uma posição um pouco diferenciada, percebo que temos sim muito ainda o que vencer para popularizarmos esta tecnologia, tornando-a acessível ao grande público. E sem dúvida, a interatividade é o diferencial da TV digital. Alta definição é claramente um commodity. Neste ano veremos produtos interativos sendo veiculados. Acessados por poucos, claro, mas já será um começo. Publiquei semana passada um resumo do ano de 2009 e algumas perspectivas para 2010 para a TV digital no Brasil: http://www.peta5.com.br/br/artigos/91-tv-digital-no-brasil-as-conquistas-de-2009-os-desafios-de-2010-e-o-que-faremos-para-supera-los
Sobrevivente
Concordo plenamente!!
Sobrevivente
Realmente no Brasil tudo é muito demorado justamente porque quem toma decisões não tem competencia técnica para tal (vide o ministro de energia)!! Olha só o tempo que levaram para escolher o modelo japones de tv digital que supera e muito o americano e europeu!! Eu estive no Japao, vi quanto eles gostam de tv no celular e como funciona legal! Inclusive na época, estava passando na tv o comercial referente a pagar compras utilizando o aparelho de celular aproximado-o de um dispositivo.. Imagine isso aqui no Brasil..Não rola!! Interatividade na TV?? Vai demoraaaaaaaaaa...
Marcos
Apesar da demora ( no Brasil é tudo muito demorado mesmo e alguém bem que poderia defender uma tese de doutorado sobre esse assunto...A História da Demora no Brasil...seria interessante), o destino da TV analógica é mesmo o túmulo. E nem poderia ser outro. E discordo da questão dos preços. Salgados, sim, mas em queda bastante livre. Em mais um ou dois anos, qualquer casa do Brasil já terá uma Full HD.
Fábio Siqueira
Olá, Bia, tudo bem? Trabalho na Edelman, Agência de Comunicação Online da Samsung. Acredito que a indústria deva tomar a frente nesse processo de trazer mais informações sobre essa tecnologia. Iniciativas como esta bit.ly/6HnY6W podem ser um caminho nesse sentido.
@leocp
A novela das oito da globo mostra mais putaria e safadesa que os filmes da emanueli da band... A tv de hoje ensina a trair, a matar, só mostra erotismo (olha o que é aquelas "pegadinhas picantes" do SBT...) Mas infelizmente é isso que o povão gosta, samba, suor e sacanagem...
Supertech
Analógica ou digital ? tanto faz pois o conteúdo já não é de qualidade faz muuuuuuuuuuuito tempo. Cadê o orgão que regula o que é transmitido na tv ? viva a tv cultura que não se rende ao modernismo barato e põe barato nisso. vejo a tv como a minha lata de lixo ou pior minha privada só que inversa.
Caco Neves
Maravilha de texto, Bia. Disse absolutamente tudo, com muita simplicidade e lucidez. TV Digital por aqui é uma ótima piada, pena que só uma ridícula parcela da população esteja achando graça, por enquanto. O resto não está rindo porque ainda não entendeu. E adorei a frase: "...tem que ser barato e funcionar". Genial!
André Felipe
Concordo com tudo que citou, mas se a aplicação da tv digital no Brasil já tivesse aplicada, não ainda pelas classes "C-D-E", mas estariam em circulação, ao menos aqui no sul se vê um aumento na venda das tv-full-hd em função da tv digital, mas é claro que nem se sabe onde tem, mas os conversores não são vendidos... O problema no Brasil não é a TV digital, mas sim o BRASIL (em si o governo) que segura e muito o desenvolvimento principalmente tecnológico (como economico,etc...), vejamos que os computadores com acesso a internet é de 23,8 %, ou seja, puff... a tv digital se for realmente concluída, será primeiramente para esses 23 % que mesmo assim não serão todos, talvez menos da metade, e imagina se o Brasil irá investir rápido e pesado em algo que não saberá se vai "valer a pena". Nesse caso não culpo o objetivo da TV digital, que realmente os intuitos dessa ferramenta pelo padrão que estão desenvolvendo (interatividade, etc...) faz os olhos de qualquer pessoa brilhar, o problema é o investimento para que isso seja concluído, nesse caso eu culpo o governo (e daí?) :/ O problema que estamos a mercê disto, não temos informação (desde quando a tivemos?) sobre essa tecnologia, para quem teve a oportunidade de conhecer ou até mesmo (por que não?) ler sobre a tv digital implantada em outros países, sabe que é sensacional, mas há muitos paradigmas como barreira para a implantação da ferramenta, até mesmo os países como EUA, Inglaterra,Japão,etc..., sofreram e perderam bastante por alguns erros na implantação/desenvolvimento da tv digital, só que, qual a diferença dessas nações para o Brasil? bem, eles podem investir sem medo, eles "tem para gastar", recursos e money para tecnologia é que não falta... Posso ter falado algumas besteiras, mas é um assunto bem crítico, e realmente, a falta de informação sobre como vão o rumo disto é deprimente. Parabéns pelo post.
Thiago Robis
Muito bom texto Bia!