Aconteceu agora há pouco, em Nova Iorque, um evento no qual a Microsoft apresentou formalmente o Windows Phone 7. O sistema operacional que é aguardado desde o início do ano começará a ser distribuído em novembro, quando os consumidores americanos poderão comprar aparelhos de diversas marcas por um preço que lembra bastante o do principal concorrente da MS no segmento de smartphones. Antes disso, o sistema deve aparecer na Europa no fim de outubro.

Ao iniciar a apresentação do produto, Steve Ballmer, o CEO da empresa, disse que com o Windows Phone a diferença “não está no que você consegue fazer no telefone, mas como vai fazer isso”. E, de fato, a MS tentou mostrar que as coisas funcionam de forma diferente no WP7 do que nos acostumamos ver em outras plataformas – leia-se iPhone OS (iOS) e Google Android.

A palavra “mine” (meu em inglês) deve ter sido uma das mais usadas durante a conferência de imprensa, que foi transmitida por meio de webcast. Ballmer fez questão de dizer que será o “meu mundo, meus jogos, meus contatos”… Tudo baseado no “meu”, pois a abordagem do Windows Phone 7 é de colocar o usuário como real proprietário do aparelho e de suas funções.

Busca do Bing no WP7. (imagem: divulgação)

Pontos interessantes foram levantados sobre a plataforma criada pela Microsoft, que será adotada por fabricantes de peso como Dell, HTC, Samsung e LG. Os botões físicos Back (Voltar), Start (Iniciar) e Search (Buscar), por exemplo, deverão estar presente em todos os aparelhos, da mesma forma que os botões de opções, de Home e de Voltar estão presentes em todos os aparelhos rodando Android. Do iPhone OS temos o recurso de pressionar os ícones da Home Screen por alguns segundos, a fim de editar a ordem desses ícones.

O acesso à câmera fotográfica será muito rápido, como demostrou um dos responsáveis pelo Windows Phone 7. Com o aparelho em modo de espera, basta acionar o botão certo no modo paisagem para o sistema já ligar a câmera e permitir fotos excepcionais (parece que os principais aparelhos com o sistema terão ao menos 5 megapixels de resolução, o que já ajuda em fotografias de qualidade). Além disso, o usuário poderá configurar o upload automático das fotos para algum serviço baseado na nuvem.

A integração do WP7 com o Bing será total, como já podíamos esperar. O botão Search (Buscar) permite fazer buscas no serviço da MS, com direito a personalização nos resultados de acordo com a localização do usuário. Uma busca por comida tailandesa, por exemplo, traria como resultados as opções mais próximas de onde o usuário está. Em alguns casos, com direito a notas e recomendações sobre os restaurantes encontrados. Com interface diferenciada, o Windows Phone exibirá mapa e a lista de restaurantes numa mesma tela, algo que nenhum concorrente faz de forma digna.

O botão Start (Iniciar), herança do sistema operacional para desktops e notebooks, deverá ser pressionado por alguns segundos para habilitar os comandos de voz. A pesquisa demonstrada durante a apresentação falhou na primeira tentativa, por falta de conectividade, mas na segunda tentativa funcionou muito bem. A MS ainda esclareceu que o que o usuário fala não é processado pelo aparelho, mas é enviado para um servidor que faz a tarefa e retorna o resultado. Da mesma maneira que atualmente acontece no Google Android, por sinal.

A aposta em centrais (ou hubs) para as principais atividades e interesses em um smartphone mostrou-se acertada, ao menos nas demonstrações. O hub People (Pessoas), por exemplo, funcionará mais ou menos como o novo Windows Live Messenger 2011: o sistema buscará informações dos contatos nas principais redes sociais, permitindo uma experiência mais completa. No hub Pictures as imagens são o grande destaque, com direito a upload automático para serviços de fotos online e sincronização com os arquivos de imagens presentes no computador do usuário.

Hub do Office no WP7. (imagem: divulgação)

Para profissionais, o Office. Um hub específico para a suíte de produtividade da MS garante integração total com Word, Excel, PowerPoint e outros aplicativos. O usuário poderá visualizar documento, bem como editá-los diretamente no aparelho. E o mais interessante é que, dependendo dos ajustes do aparelho, esses documentos serão sincronizados com a nuvem. Com isso a empresa de Bill Gates oferece edição de documentos de três maneiras distintas: na web por meio do Office Web Apps, no desktop e notebook com o Office 2010, e nos dispositivos móveis com o Windows Phone 7. E o suporte aos documentos é nativo.

O jogos tiveram um momento especial durante a apresentação do Windows Phone 7. A Microsoft garantiu que somente essa plataforma terá integração com o Xbox Live, o serviço de jogos em rede do Xbox – um sucesso mundial, diga-se de passagem. Usuários poderão transitar com o mesmo avatar pelos jogos do celular e do Xbox 360. Além disso, vitórias e conquistas no console darão direito a pequenos prêmios, como acessórios e novas roupas, para o avatar do usuário. A MS, porém, não explicou como esse recurso vai funcionar.

E os fãs de games em dispositivos móveis podem comemorar: a EA Games será parceira da Microsoft na produção de jogos para WP7. O The Sims para a plataforma já está pronto.

(YouTube)

Nove aparelhos rodando Windows Phone 7 começarão a ser vendidos em novembro, nos Estados Unidos. A AT&T prometeu vários, entre eles o Samsung Focus, que terá visor de incríveis 4 polegadas. Seu processador será o Snapdragon de 1 GHz e o preço para venda será de US$ 199,99. Não custa lembrar que a mesma AT&T vende o iPhone 4 pelo mesmo preço, desde que o cliente assine um contrato de 2 anos.

Chegando ao fim da apresentação, duas coisas foram reveladas e que dialogam com os concorrentes do Windows Phone 7. As atualizações da plataforma serão liberadas para todos os aparelhos e todas as operadoras, o que certamente bate de frente com o que o Android oferece atualmente. Essa é a Microsoft prometendo uma plataforma que estará sempre atualizada, um vantagem para o WP7. E por fim, a empresa revisou a decisão de não incluir copiar e colar. Anteriormente eles haviam dito que esse recurso não era fundamental para um smartphones, mas agora voltaram atrás. O detalhe é que o CTRL C + CTRL V só chega em 2011.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Tagliatti
O que com certeza se destacou e certamente deu uma paulada no Google foi o fato de ser disponibilizado o download das atualizações (“As atualizações da plataforma serão liberadas para todos os aparelhos e todas as operadoras..”). Já que nos aparelhos com Android isso é impossível. Éeee... o Android que se cuide!
Augusto
Corrijam-me se eu estiver errado, mas para toda esta conexão na nuvem ou mesmo o fato da fala ser enviada para um servidor para processá-la e voltar com resultado deve-se ter um bom plano de dados, dependendo do seu nível de uso, eu diria ilimitado. Mas como sabemos o plano de dados ilimitado tende a se extinguir como aconteceu nos EUA, devido ao advento dos tablets (principalmente o iPad) 3G e a grande demanda de microSIMs. Ao meu ver esta interação prometida na nuvem e conexão com servidor é uma ótima ideia, mas não deve tornar-se tão grande quanto poderia ser, devido a dependência do 3G. É claro que os 6Gb de algumas empresas americanas por exemplo é um plano virtualmente ilimitado para muitos users, mas com câmeras tão boas para upload de fotos, conexão de todo o Office e mesmo hard users de redes sociais ou games online pode acabar se surpreendendo com a conta no final do mês.
Hernani
O Alivio maior fica por conta da opção de copiar e colar.
Ely
Eu ainda acho estranha essa interface. Esperando o Reviews...
Gilberto Lucio
Eu gostei, mas tbm fico com o meu robô (:
Gilberto Lucio
Não acho isso necessário uma vez que o que está em "jogo" não é a vida dele e sim o que o comentário e/ou opinião dele significa sobre determinado assunto já sabendo para que lado ele está penso. Não acho praticavel pesquisar a vida de todos que participam de fórum de discussão só para poder esboçar um "réplica" concorda? Se fosse o caso, ainda estaria pesquisando sobre a vida da segunda pessoa que posto sua opina nesse Blog...
@JoaoPedroSachet
Gosto do Metro, mas me pareceu confuso e apertado nas telas dos aparelhos mostrados... foi só impressão? One more thing... "Say hello to(...)" não foi o Slogan usado pela Apple para apresentar o iPhone?
Gilberto Lucio
(Que raiva quando isso acontece... a internet tem muito que evoluir para que possamos tirar melhor proveito de nossos Smartphones :(. De cada 10 sites que eu visito, só em dois eu tenho uma navegação decente :( ) Eu estava acompanhando o desenvolvimento desse Windows a bastante tempo... apesar da falta de recursos que o Android ja tinha na sua versão mais fraca, torço para que a M$ tenha sucesso nessa empreitada!
Thássius Veloso
Seria mais interessante primeiro conhecer o histórico do Gruber antes de chamá-lo de recalcado.
Gilberto Lucio
Isso tá com cara de comentário de pessoas recalcadas (o desse tal de Gruber). Acho que não devemos dar créditos a uma pessoa que é sabidamente parcial. nem testou direito e já disse isso? Vamos ver quando o WP7 começar a abocanhar fatias de mercado da Apple se ele vão continuar com essa mesma posição. Eu, como usuário de Android né celular e W7 no trabalho, tbm preferiria o w7f ao iOs ou ao Windows 39 ao invés do Dente de Sabre. E o que isso significa? Nada... não gosto da Apple mas nem (leia-se: só por isso) por isso posso dizer que ela é pior...
Thássius Veloso
Dessa vez o Gruber não foi enfático ao defender o iOS da Apple. Em vez disso, abriu as portas para o Windows Phone 7.
Garcia
Mas a Apple usa o IOS, o Android é da Google. Não entendi sua colocação.
@rogawa
Francis, a Nokia recentemente lançou o N8 com seu novíssimo Symbian 3. Os smartphones usavam Maemo e agora usam Meego. O que o faz pensar que ela adotará o WP7?
Francis Rosario
Agora temos que torcer para Nokia adotar o WP7 nos seus smartphones, assim teremos um ótimo software no maravilhoso hardware deles.
Francis Rosario
Eu gostei muito da interface, fugiram do lugar comum e conseguiram deixa-la muito simples e fácil de usar. Creio que o público não geek vai preferir o WP7 ao Android.
Exibir mais comentários