O segundo dia do Linuxcon começou mais vazio, o que causou comentários logo no primeiro painel. “Me parece que os brasileiros não gostam de acordar cedo. O que é estranho, essa é a melhor hora do dia, na minha opinião…”, falou Jim Zemlin. De uma certa forma, isso podia ser explicado pela escolha nos paineis da manhã: todos tratavam de assuntos mais técnicos e não contavam com nomes que chamavam pessoas (Torvalds ou Jon Maddog Hall).

Embora o painel sobre Kernel fosse um pouco maçante para alguns, o keynote de Jane Silber trouxe um pouco da visão da Canonical (que produz o Ubuntu) para a área de TI e Ted Ts’o impressionou com um assunto inicialmente chato: sistemas de arquivos no Linux.

O Kernel, ele.... ZZZZzzzzzZZZZ

O segundo round de palestras até começou bem, mas é chato notar que, como comentei sobre o primeiro dia, muitos ainda têm mentalidade pequena sobre o assunto “Software Livre”: a palestra “Benefícios da Implementação de um Hospital e Sistema de Informação em Saúde Livres”, uma das que mais me interessou na programação do dia, era recheada de frases de efeito contra o capitalismo, a falta de respeitos das megacorporações pela América Latina e como todos os males do mundo são causados pelo software proprietário. Uma das poucas palestras que abandonei, justamente quando a postura de boicote do Stallman foi elogiada. 🙁

VIVA ZAPATA!!!!!!!!!

Logo depois, um pouco sobre o MeeGo para desenvolvedores. Embora Hélio Chissini tenha puxado muito a sardinha para o MeeGo, muito do que ele disse pode fazer sentido, e o MeeGo pode se tornar uma plataforma interessante para desenvolvedores. Na opinião dele, a Apple tem fechado e restringido cada vez mais o iOS, limitando os desenvolvedores, e o Android tem se fragmentando tanto em tantas versões diferentes que a vida dos desenvolvedores está para virar um inferno. Com o MeeGo, que já possui uma boa base da Nokia e da Intel, isso pode mudar, tornando o desenvolvimento de aplicativos mais ágil para desenvolvedores. Percebam que usei “pode” várias vezes durante o parágrafo, porque… né?

"E, com o MeeGo, vocês poderão jogar Bejeweled duas vezes mais rápido..."

Digno de nota também é o Projeto Cauã, apresentado por Jon Maddog Hall, que ainda está em fase de busca de recursos, mas que pode revolucionar o mercado se der certo: a aplicação de thin clients em favelas, prédios, condomínios e empresas poderia diminuir os recursos naturais utilizados na informática (energia elétrica, por exemplo) além de tornar a inclusão digital muito mais simples e barata. Falando com muito bom humor e apresentando dados concretos, Jon conquistou vários interessados no Projeto Cauã.

Aqui, Papai Noel explica como conseguiu obter mais produtividade no Natal usando software livre

As outras palestras mantiveram o bom nível do dia anterior, o que é ótimo. De negativo no evento, além da falta de organização, nota-se o mesmo que já comentei em outros eventos técnicos: se vai ter tradução simultânea, que pelos sejam chamadas pessoas com nível técnico e que saibam o que o palestrante está falando. Era possível pegar vários erros bobos, como chamar “placas de vídeo” (video cards) de “cartões de vídeo”. Não estou exigindo alguém com nível superior em informática, mas se a mensagem vem truncada para as pessoas que estão assistindo a palestra, informações importantes podem ser perdidas.

No mais, interessante ver como a comunidade vem crescendo e se amadurecendo a cada ano. Pessoalmente, espero que tenhamos uma nova Linuxcon no ano que vem. Maior e melhor. 🙂

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Renato
Realmente Ted Ts'o impressionou, em relação à sua arrogância na resposta da última pergunta feita pelo publico... Foi algo como: "Isto já está no Kernel, não sei por que você não viu"...
Bruno Gall
[3]
Hernani
Meego será o sucessor adorado
Daniel Drumond
Thin Clients? Argh! X_X". Posso estar dando uma opinião não muito fundamentada, até pq só vi um caso de Thin Clients, mas, putz, foi uma verdadeira bosta. X___X". Imagino isso em "favelas, condomínios e prédios" então. Quando muitos forem usar vai dar aquela lerdeza em tudo, e vai ter gente querendo armar barraco para o outro desligar pq vai dizer que está atrapalhando, ou coisa parecida. No Brasil que eu conheço, isso não daria certo. Para internet compartilhada já é tenso (não uso, mas tem gente aqui perto que usa), com Thin Clients então.. Ah, amei a imagem/legenda do Papai Noel, XD.
kylefurtado
[2]
Alexandre
Pessoalmente, eventos linux me interessam mais pela parte filosofica e conceitual.
Guilherme Mac
Em “Benefícios da Implementação de um Hospital e Sistema de Informação em Saúde Livres” seria uma boa focar na ideia de independência tecnológica. É muito comum, e por isso governos do mundo também estão de olho, ficar dependente de certas soluções de uma única ou poucas empresas privadas, o que é muito ruim numa área que recursos são escassos. Fica parecendo "panfletagem juvenil" mas as grandes corporações são sim preocupantes. Seus presidentes e gestores não ficam "maquinando" a próxima maldade, claro que não, mas empresas são empresas, ou seja, querem lucros crescentes. Esse é o objetivo de existir. Cabe haver então uma oposição para fazer prevalecer o interesse público (é o que fazem Estados "do bem estar social" e neoconstitucionalistas). Não sei como foi abordado no caso, mas dá pra mostrar uma visão realista, técnica e com bom senso, sobre o assunto.