Uma das razões pelas quais um sistema operacional é muito atacado é ter uma grande fatia do mercado. É por isso que tantos bugs são encontrados no Windows, por exemplo. O mesmo vale para programas que grande parte dos usuários de computador usam, como o Adobe Reader, leitor de arquivos PDF da Adobe. Ele é tão mirado por hackers que foi um dos campeões de ataques em 2009.

Mas os ataques ficarão mais difíceis por causa de ninguém menos do que a Microsoft. Segundo a Adobe, a fabricante do Windows ajudou a desenvolver o que eles batizaram de Adobe Reader Protected Mode. Trata-se de uma sandbox, uma espécie de campo fechado que, de modo bem simplificado, vai limitar o que um arquivo PDF pode ou não fazer ao ser aberto. O modo estará ativo por padrão e deverá estar disponível na próxima versão do leitor.

Essa proteção foi tem como base uma técnica criada pela Microsoft e implementada no Windows em 2007 e na última versão da sua suíte de aplicativos Office. Na primeira versão do Protected Mode, as chamadas de gravação de dados serão contidas na sandbox, o que impede que arquivos PDF maliciosos insiram vírus no computador, por exemplo. Nas próximas versões, a Adobe planeja limitar também as chamadas de leituras de dados, que vai impedir que arquivos PDF com código malicioso leiam informações privadas dos usuários.

O primeiro que fizer um comentário contendo o dito popular “sujo falando do mal lavado” ganha o selo Capitão Óbvio. 😛

Com informações: Ars Technica.