Tudo começou com Steve Jobs, que já afirmou que não vai aceitar aplicativos que contenham pornografia na App Store do iPhone OS. Depois disso, uma grande limpeza foi feita na loja, para remoção daquilo que era considerado conteúdo inapropriado – o app da Playboy permanece lá até hoje, que fique claro.

Em semana de lançamento do iPhone 4, foi a Microsoft quem, na calada da noite, também começou a mostrar como vai ser a política de aplicativos na loja do próprio sistema operacional para dispositivos móveis. Não, o Windows Phone também não vai aceitar aplicações que contenham pornografia.

O Windows Phone Marketplace – como a loja é chamada – não vai aceitar aplicativos que contenham imagens “sexualmente sugestivas ou provocativas”. Também estão proibidos os apps que mostrem partes genitais, pelos pubianos, nádegas e mamilos, além de cenas de masturbação. Submissão física? Também não.

Pornografia não é tudo que está proibido no Windows Phone. A Microsoft ainda listou que violência em excesso e imagens da venda ou uso de drogas não poderão ser contemplados por aplicativos que rodem na plataforma, com lançamento previsto para o fim desse ano.

Um documento com apenas 28 páginas foi disponibilizado pela Microsoft para quem quer saber as diretrizes e políticas que serão praticadas na loja de aplicativos do Windows Phone 7. Se você é desenvolvedor e pretende escrever programas para a plataforma, é melhor dar uma lida.

Com informações: Folha.com, PC World.