A ChangeWave Research realizou durante o mês de maio uma pesquisa em duas partes: a primeira com 3.174 consumidores “genéricos” (para analisar a demanda futura do iPad) e outra com 153 proprietários de iPad (para avaliar as impressões sobre o produto). Veja o que ela constatou:

  • 7% dos participantes disseram que muito provavelmente irão comprar um iPad; 13% disseram que isso era “de alguma maneira provável”. Na pesquisa de fevereiro, antes do lançamento, esses números eram, respectivamente, 4% e 9%;
  • Dos participantes que se identificaram como proprietários de um e-reader, 62% possuem um Kindle, 16% um iPad, 7% um Sony Reader e 3% um Nook. Isso já coloca o iPad muito a frente de qualquer leitor dedicado do mercado — exceto o líder Kindle — em apenas poucas semanas após o lançamento;
  • Dos que possuem iPad, 50% lêem jornais nele e 38% lêem revistas. Dentre os proprietários de outros e-readers esse número cai para 14% e 11% respectivamente;
  • Dos proprietários do iPad, 74% se dizem “muito satisfeitos”, 17% “de alguma maneira satisfeitos” e apenas 2% se dizem um pouco ou muito insatisfeitos com o tablet;
  • O que eles mais gostam no iPad é: o tamanho e qualidade da tela (21%), a facilidade de uso (15%), o tamanho e peso (12%) e a portabilidade (10%);
  • O que eles menos gostam é: a falta de Flash (11%), conectividade com a internet (9%), visibilidade ruim na tela por ficar muito suja (9%), falta de aplicativos (7%) e ser “muito pesado” (7%);
  • Diante de uma lista com 16 funcionalidades possíveis do iPad, seus proprietários marcaram como as oito mais utilizadas: navegar na internet (83%), verificar e-mails (71%), aplicativos da App Store (56%), assistir a vídeos (48%), ler e-books (33%), jogos (29%), ler periódicos (28%) e ouvir música (18%);

Veja na galeria abaixo alguns gráficos representando os dados apurados.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Alexandre
Convenhamos que a concorrencia do iPad, tirando a funcao de leitura de livros, é beeeeeeeeem inferior, né?
tplayer
Realmente, sorte que não apareceu nenhum por aqui.
Marco Mugnatto
Esqueci de falar do peso. O iPad é bem mais pesado que o Kindle.
Marco Mugnatto
Pra mim o iPad não é bom como e-reader de livros. Pode até servir para notícias, mas não para livros. Ler livro é uma atividade que requer tranquilidade para ler. O iPad impõe incômodos em dois quesitos: 1- o fato da tela ser iluminada cansa mais a vista. Já o Kindle utiliza tecnologia que, como os livros de papel, reflete luz ambiente ao invés de emitir. Além disso o Kindle (de 11 polegadas) tem resolução gráfica maior, e portanto as fontes dos textos aparecem com contornos mais suaves. 2- A bateria é boa para um "notebook", mas não para um "e-reader". Enquanto a bateria do iPad dura umas 10 horas, ou seja, o leitor em algum momento terá que ficar se preocupando com bateria durante a leitura, a do Kindle não só é contada em SEMANAS, como não gasta uma gota de bateria enquanto não "vira a página". A tecnologia do Kindle faz com que a imagem corrente continue aparecendo mesmo que se remova a bateria do dispositivo. Tranquilidade total para ler longos textos.
Hernani
Os MacFags ficaram ofendidos por ter colocado o iPad na classificação de e-reader
Aryana
Acho bacana as funcionalidades do iPad, mas não tenho TANTO interesse assim em adquirir um, acho que a explosão das vendas se deve ao fato de ser novidade (:
tplayer
Normal o interesse das pessoas crescer depois que o produto foi lançado. Cada vez mais me convenço de que eu realmente não faço parte do público alvo do iPad.