Nos EUA existem duas agências americanas especializadas em “proteger” (está entre aspas porque elas esticam bastante o sentido da palavra) os direitos autorais de seus membros. A MPAA, que cuida dos filmes, e a RIAA, que cuida de música. Ambas divulgam vez ou outra alguns dados sobre a pirataria, incluindo números exatos em milhões de dólares diretamente ligados à perda de receita devido aos downloads ilegais. Na teoria essas informações teriam sido meticulosamente angariadas e baseadas em dados concretos, obtidos através de pesquisas aprofundadas e cálculos matemáticos.

Pirata em Londres

Mas uma agência do governo americano discorda. Segundo um relatório (PDF) liberado na terça-feira pelo Accountability Office (algo como escritório de responsabilidade, seja lá o que isso quer dizer), “é difícil, senão impossível, quantificar os impactos econômicos” da pirataria. Eles chegaram à essa conclusão de uma maneira mais exata do que as duas agências citadas no primeiro parágrafo: examinaram todos os dados publicados por elas e consultaram diversos experts dentro e fora do governo.

O relatório ainda indica quais são as principais falhas das indústrias ao contabilizar as perdas. A principal delas é assumir que todo e qualquer download não-pago representa uma venda perdida, algo que não pode ser garantido com 100% de certeza.

E o escritório não cita apenas a RIAA e MPAA. Agências relacionadas com a indústria de software e automobilística também são acusadas de criar números absurdos. A Associação de Fabricantes de Motores e Equipamentos liberou no ano passado uma estimativa de perda de 3 bilhões de dólares devido á falsificação de peças automotivas, mas a agência do governo não encontrou nenhuma referência à esse número dentro de relatórios e arquivos da associação. Já a Aliança de Software de Negócios, que reportou uma perda de 9 bilhões de dólares em 2008 devido à pirataria, foi acusada de criar números ao ser notado que os resultados dos estudos em países pesquisados extrapolavam os resultados em países que não foram pesquisados.

O relatório da agência só confirma o que vários especialistas da área tem dito ao longo dos anos: os bilhões e bilhões de dólares que as indústrias dizem perder por conta da falsificação ou pirataria digital são tão verdadeiros quanto uma nota de três reais e tão sólidos quanto gelatina de abacaxi.

[via ArsTechnica, BuzzOutLoud / Imagem sob licença CC de milabrya]

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Guilherme
Ao mesmo tempo temos qe analisar que os altos custos de acesso à produtos de audio e video são coisas mais comuns no Brasil, devido ao alto custo da importação desses produtos
@clarionrox
Ledo engano, meu caro. Claro que a MS prefere alguém usando Windows original. Acontece que a grande vantagem do Windows no mercado é simplesmente ser o mais usado. É isso que faz muitas empresas só desenvolverem jogos e drivers pra ele, por exemplo. E isso alimenta o ciclo, porque em retorno mais pessoas acham que o Windows é melhor que os outros porque tem mais programas/compatibilidade, e força quase 100% dos "compradores" de software a comprar Windows. Então não tenha dúvida que entre usar Windows pirata e usar Linux (ou qualquer outro SO), é lógico que a MS prefere que vc use o piratão mesmo.
FASP
o q a industria quer, eh dar soco em ponta de faca. eles acham que declarando essas quantias absurdas de prejuizo, a população ficara com dó das grandes industrias da música e do cinema, e compre mais. eles ainda acreditam que vão conseguir cobrar, por todo e qualquer download com direito autoral. se um dia isso acontecer, eu serei o primeiro a boicotar a aquisição de filmes e músicas, afinal cultura é para todos.
silvio feitosa
Muito legal a matéria, realmente os caras da RIAA MPAA, bem como uma parente pobre chamada APCM, falaram muita borracha sobre numeros de perdas e de pirataria. Também muito legal que o pessoal do governo americano tenham dado a informação correta, em vez de se dobrarem para os interesses comerciais...muito dificil hoje em dia isto. Por fim, na minha opinião, seria muito legal se estas associações e seus representantes fossem para o inferno, e no lugar fica-se outro paradigma de negocios em relação a informação... porque não um download de graça de musica com uma propaganda veiculada na pagina do download, ou, antes do filme começar, uma propaganda?
@The_Tempter
Saiu recentemente uma pesquisa que mostrava que as pessoas que baixam mais músicas são também as que mais compram material original. Eu, como brasileiro, por exemplo não conheceria 1/100 das bandas e filmes alternativos que ouço/assisti, se não fossem os queridos p2p. Já que a industria nacional nao distribui esse tipo de material e comprar tudo importado é ir à falência.
Breno C.
Sempre entro no blog quando chego no trabalho. Tem que ter uma máquina rodando windows 2000 para algumas aplicações que ainda não vão ter versões para XP, Vista e 7.
Hernani
Plantar informações na mídias trás a atenção das pessoas, mas eles esqueceram que essas pessoas não estão nem ai para esse tipo de noticia.
Hernani
Windows 2000 O_o
Alisson melo
Ser o melhor e o Mais conhecido pela Micro$oft é melhor que o dinheiro.
Glaydson
0,7% não. 1,5%... ó o respeito! :P
carlos r.
eu conhesso gemte que paga caro pra instalar programas e jogos pirata ate cs
tplayer
Isso é lenda que o pessoal do Linux invetou para justificar os 0,7% de market share. Na boa, nenhuma empresa quer que seu produto seja usado sem ter seu lucro.
Breno C.
A grande questão é "e dai?" Essa informação vai chegar a gente que procura, acompanha, trabalha com música ou algo do tipo, mas e o grade público? Que diferença faz saber que os números são falsificados? As pessoas vão passar a comprar mais pirata ou a fazer mais downloads quando souberem disso? Ou o efeito vai ser ao contrario?
Alexandre
Nada me tira da cabeca que a microsoft faz vista grossa com a pirataria de seus produtos justamente para difundir e semea-los, "tampando" a (suposta) concorrencia.
Juan Lourenço
Lembrando que por piratear inclui-se não apenas baixar da Internet mas comprar em "camelô", portanto mesmo quem não manja nada de Torrent pode estar nas estatísticas,
Exibir mais comentários