Opera

O Opera, aquele que muitos consideram “o melhor navegador que quase ninguém usa”, pode ter novos donos em breve: na noite de terça-feira (9), um grupo formado pelas empresas chinesas Beijing Kunlun Tech e Qihoo 360 fez uma oferta de US$ 1,2 bilhão para adquirir a Opera Software.

Uma proposta como essa já vinha sendo esperada. No ano passado, a companhia revelou planos de vender as suas operações e, para acalmar os acionistas, definiu a data de 9 de fevereiro de 2016 como prazo máximo para dar uma posição sobre o assunto.

Na semana passada, os rumores sobre uma oferta por um grupo chinês se intensificaram de tal forma que, na última sexta-feira (5), as ações da Opera Software subiram pouco mais de 5%, o que fez a bolsa de Oslo suspender as negociações dos papéis — relembrando, a companhia tem sede na Noruega.

Para a Opera Software, o negócio pode ser questão de sobrevivência no longo prazo. Embora tenha encerrado 2015 no vermelho, a saúde financeira da companhia não está tão ruim assim. Seu principal problema é a dificuldade para acompanhar o ritmo dos concorrentes, especialmente o Google: o Chrome vem conquistando cada vez mais espaço, tanto em desktops quanto em dispositivos móveis.

Tentando se manter no páreo, a Opera Software vem apostando em outros produtos, como o Opera Max, app para Android que compacta vídeos e imagens com a promessa de reduzir o consumo de dados em até 50%.

Opera Max

As tecnologias de compressão de dados fazem com que os produtos da Opera sejam relevantes principalmente em mercados emergentes. Neles, os custos das franquias de acesso à internet acabam sendo muito elevados para o consumidor, portanto, qualquer solução de economia é vista com interesse.

É no segmento móvel que essa participação é expressiva. Segundo a NetMarketShare, o Opera Mini, o navegador móvel mais popular da empresa (por funcionar satisfatoriamente inclusive em dispositivos baratos), encerrou janeiro com 7,28% de participação no mercado. Não é muito frente aos líderes Chrome e Safari (41,57% e 34,12%, respectivamente), mas o suficiente para ajudar a Opera Software a obter receita com publicidade.

Market share - browsers

E que receita! A publicidade móvel respondeu por cerca de 75% do faturamento da empresa no último trimestre de 2015, o que corresponde a um montante aproximado de US$ 145 milhões. Apesar disso, a Opera Software acumulou prejuízo de US$ 28,4 milhões no ano passado (lembra que eu falei que ela fechou no vermelho?).

Esse cenário parece não preocupar o consórcio chinês, porém. A Opera Software, com a tradição que tem (são mais de 20 anos de existência), pode ajudar na expansão dos negócios do grupo, especialmente fora da China.

A Beijing Kunlun Tech tem como principal ramo de atividade o segmento de games online. Já a Qihoo 360 é especializada em soluções de segurança — o seu principal produto é o antivírus 360 Total Security.

Em comum, as duas têm em seu histórico investimentos em outras empresas de tecnologia. É o que levou ambas a formarem o consórcio para adquirir a Opera Software, mas não de modo exclusivo: as empresas Golden Brick Silk Road e Yonglian Investment também fazem parte do grupo.

Qihoo 360

Até o momento, nenhuma das partes deu detalhes sobre a proposta, por isso, não se sabe quanto cada companhia investirá no negócio — é possível até que a Opera Software não seja comprada por completo. Mas tudo aponta para a Qihoo 360 como “líder” do negócio.

Isso pode ser motivo de preocupação para quem sempre confiou nos softwares da Opera: a Qihoo 360 já se envolveu, mais de uma vez, em polêmicas por condutas antiéticas ou anticompetitivas. No ano passado, por exemplo, a companhia foi acusada de trapacear em testes de antivírus (PDF).

Espero que esse seja um temor desmedido, é claro. Seria terrível uma empresa com a tradição da Opera Software se envolver em trapaças e afins ou, pior, colocar a privacidade dos usuários em risco.

A aquisição, vale destacar, ainda precisa passar pela aprovação de acionistas e entidades regulatórias, mas já é vista no mercado como certa.

Com informações: Reuters, Forbes

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Tiago Celestino
O que acho mais complicado é a equipe do core do Opera, muita gente boa, que com certeza vão sair da empresa. Pelo menos, assim espero.
Islan Oliveira
Exato. Por isso é um triste fim.
Tiago Celestino
E os chineses se importam com qualidade?
Islan Oliveira
Ser popular e ter qualidade são coisas diferentes. Perderá muito em confiabilidade.
Tiago Celestino
Já eu penso que vai se tornar popular, pelo menos na China.
Theo Queiroz
Testei o Opera Max há uns meses atrás e venho usando desde então. Aplicativo muito bom no que se propõe a fazer. Só consigo chegar ao final do mês sem extrapolar meu limite de dados por causa dele.
Keaton
Tenta num PC ou Tablet (aquels com W10) com Atom e 2GB de RAM. O Edge simplesmente não trava, já o Opera simplesmente não para de... (engraçado que o Chrome não trava, no máximo fica bem lento .)
Luiz Claudio Eudes Corrêa
Nunca travou aqui, e uso tanto a versão normal quanto a beta
Keaton
O Opera não fazia a menor falta desde que virou um mero fork porco do Chromium. (Trava mais que o Edge, diga-se de passagem...) Agora, espero que o Vivaldi não tenha o mesmo fim.
Bruno Guerreiro
Sinceramente, a Opera do "melhor navegador", já nem existe mais. Tornou-se apenas “mais um navegador que quase ninguém usa”... Isso aconteceu, quando ela abandonou o motor próprio e passou a usar o Chromium/Blink, e demorou muito para trazer as funcionalidades que tinham antes (lembro-me que uma das versões sequer tinha Favoritos). Mandou embora uma penca de engenheiros que tinham trazido inovações que faziam dele o "melhor" quando nenhum outro tinha, como por exemplo, o Speed dial, Dragonfly, Opera Link (sincronização de favoritos) e Opera Unite (que embora não tenha dado certo, era interessante e disruptivo).
Emerson Alecrim

A oferta é por 100%, mas a possibilidade de que não seja não foi descartada, já que há quem considere o total oferecido baixo. De todo modo, essa é uma possibilidade bem remota.

emersonalecrim
A oferta é por 100%, mas a possibilidade de que não seja não foi descartada, já que há quem considere o total oferecido baixo. De todo modo, essa é uma possibilidade bem remota.
PinPortal ✔️

Concordo :(

? PinPortal ? ??
Concordo :(
PinPortal ✔️

Alecrim, só uma correção, a Opera Software será comprada por completo, 100% das ações.
Esse é o anúncio da mesma na Bolsa de Valores de Oslo: http://www.newsweb.no/newsw...
É só baixar o PDF, diz ali que o consórcio fez a oferta por 100% das ações: ''...a recommended voluntary cash offer (the “Offer”) for 100% of the shares of Opera.''

E quanto a notícia, é uma pena, pois a Qihoo tem uma péssima reputação em relação à privacidade (ou falta de) para com seus usuários, sendo o seu principal produto Qihoo 360 Antivirus acusado diversas vezes de espionar seus usuários sem o consentimento dos mesmos, enviando informações sigilosas dos computadores, como senhas de sites e de cartões de crédito (!) para servidores na China.

Eu atualmente uso o Opera Max, mas não sei se confiarei nessa VPN compactando meus dados agora que empresas chinesas serão donas da Opera Software. Pensei que fossem vender para alguma outra empresa ''mais séria'', é lamentável :(

Exibir mais comentários