O Tianhe-2 é considerado o supercomputador mais rápido da atualidade. Para manter esse posto, a máquina passará por uma série de atualizações que a fará pular de quase 34 para 110 petaflops (um quadrilhão de cálculos de ponto flutuante por segundo) de capacidade. Ou não: o governo dos Estados Unidos proibiu a Intel de fornecer chips para o Tianhe-2.

Esse supercomputador está instalado na China. Esse é o problema: o governo norte-americano montou uma espécie de lista negra de instituições tecnológicas chinesas que não devem receber equipamentos e componentes de empresas dos Estados Unidos.

Quatro instituições fazem parte da lista, incluindo a National University of Defense Technology, que tem envolvimento com o Tianhe-1A e com o Tianhe-2. Esse último utiliza atualmente 80 mil processadores Intel Xeon e precisa de muito mais para alcançar os 110 petaflops esperados.

Tianhe-2

Tianhe-2

Mas, qual a razão para a proibição? O Departamento de Comércio dos Estados Unidos argumenta que as instituições chinesas relacionadas estão utilizando os supercomputadores para pesquisar, desenvolver e produzir armas nucleares.

A venda dos chips seria um bom negócio, mas a Intel parece mais preocupada em defender a sua imagem: em nota, a companhia explicou que pediu licença para o fornecimento dos chips e, apesar de a solicitação ter sido recusada, se manteve dentro das leis dos Estados Unidos ao agir de tal forma.

De todo modo, a Intel tem um generoso “prêmio de consolação”: a empresa fornecerá os chips do supercomputador norte-americano Aurora que, quando pronto, deverá ter capacidade de 180 petaflops.

A China, por sua vez, afirma que o Tianhe-2 tem foco em outros fins – pesquisas sobre genoma humano, por exemplo -, posicionamento que sugere que os Estados Unidos querem, na verdade, conter o avanço tecnológico do país asiático. Por conta disso, o bloqueio aumenta a crença de que os chineses acelerarão o desenvolvimento de chips próprios.

Será? Bom, uma coisa é certa: não é essa restrição que fará a China desistir do programa de supercomputadores.

Com informações: BBC, WSJ.com

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Robert Maia

Passado algum tempo depois, a China fez mesmo seus próprios processadores RISC...

DeadPool
shuahuahsuahsua
AIJ

kkkkk...

Américo Imianovski
kkkkk...
AIJ

Assim como quem comenta te apoiando vai te fazer sorrir e quem comenta discordando vai te fazer franzir a testa, também os países alinhados sorriem um ao outro e os não alinhados se franzem a testa. Querer ser o maior e melhor país não é o ruim... Ruim é não querer, ficar de mimimi e chamar os que conseguem de imperialistas só porque são agressivos em atingir seus objetivos. A China é tão agressiva (ou mais) que os EUA. E nenhum dos dois está errado. Errado está quem não vai atrás do que quer.

Américo Imianovski
Assim como quem comenta te apoiando vai te fazer sorrir e quem comenta discordando vai te fazer franzir a testa, também os países alinhados sorriem um ao outro e os não alinhados se franzem a testa. Querer ser o maior e melhor país não é o ruim... Ruim é não querer, ficar de mimimi e chamar os que conseguem de imperialistas só porque são agressivos em atingir seus objetivos. A China é tão agressiva (ou mais) que os EUA. E nenhum dos dois está errado. Errado está quem não vai atrás do que quer.
Leooo
Mas se eles colocarem AMD teriam que mover o Tianhe-2 para a Antártida para dar conta de resfriar o "PC"
Leandro Nascimento
É como eu sempre digo, a política barrando e corrompendo a ciência! Se o mundo fosse governado por cientistas, estaríamos explorando a galáxia com absoluta certeza. Agora imagina se fosse fornecido muito mais poder ao Tianhe do que 110 petaflops e usássemos esse poder para resolver cálculos de exatas e biológicas? Quem sabe não resolveríamos muitos problemas da atualidade?! Mas deixa pra lá, né? Guerras são mais produtivas.
Alberto Prado
Vide a cima.
Alberto Prado
Olha, a questão sobre quem era mais moderna que quem, foi uma informação de um professor de geografia política que tive lá no idos de 2009 quando fazia um cursinho pra entra na unicamp pra um segunda formação. Ele citou quantos quilos cada uma poderia processar e tals. Hoje pode estar diferente. Mas acho que esse links podem matar um pouco da sua curiosidade. http://www.defesanet.com.br/prosub/noticia/5862/Polemica-atomica-/ http://www.gazetadopovo.com.br/mundo/ira-testa-centrifugas-mais-poderosas-para-enriquecer-uranio-1eol04vvr6xe1cy2kxuw8oaj2 http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/02/ira-interrompe-testes-com-centrifuga-nuclear-polemica-diz-agencia-da-onu.html Lendo e outros lugares, vi que a 2ª ou 3ª geração das centrífugas iranianas já tinham capacidade de giro de 60.000 RPM. Hoje elas já se encontram na 8ª geração, então você pode fazer ideia a potência delas. Enquanto que o resto do mundo (salvo uma ou outra exceção) ainda utiliza centrífugas dos anos 70, já que não houve necessidade por conta dos TPN e do uso do urânio só para geração de energia e outros fins pacíficos. Só o Irã mantêm um P&D tão acelerado assim hoje em dia.
²He

E o Caos vai reinar assim que a China proibir a Foxconn de exportar iPhones pros EUA como forma de retaliação (eu sei que não).

heliodsn
E o Caos vai reinar assim que a China proibir a Foxconn de exportar iPhones pros EUA como forma de retaliação (eu sei que não).
Gustave Dupré
Aperfeiçoamento do que já existe.
Luís Eduardo

Não é bem assim. Eu chamo de esquerdinha-caviar ou calharda (é diferente mas aparentado com calhorda), acho que tem mais embasamento. E tenho conhecimento suficiente de economia, política e fatos históricos.

Downgrading
Não é bem assim. Eu chamo de esquerdinha-caviar ou calharda (é diferente mas aparentado com calhorda), acho que tem mais embasamento. E tenho conhecimento suficiente de economia, política e fatos históricos.
Exibir mais comentários