Na semana passada, foi muito repercutida a notícia de que a Fnac teria uma loja no terminal 3 do aeroporto de Guarulhos, onde venderia eletrônicos sem impostos de importação, o que faria produtos como o iPhone 5s, que custa R$ 2.799 no Brasil, ser comercializado por menos de 1,5 mil reais. Pois bem, o terminal 3 foi inaugurado no domingo (11) e… nada de produtos baratos: a Fnac ainda não conseguiu autorização da Receita Federal para atuar como free shop.

iPhone 5s mais barato no Brasil do que nos EUA? Sem autorização da Receita, não vai rolar

iPhone 5s mais barato no Brasil do que nos EUA? Sem autorização da Receita, não vai rolar

De acordo com a Folha de S.Paulo, que visitou a loja na quinta-feira (15), os iPhones já estavam esgotados. A Fnac não diz se honrou o preço baixo do iPhone 5s no Brasil, mas outros produtos da Apple estavam com os valores normais.

O iPad Air Wi-Fi de 16 GB, que custa o equivalente a R$ 1.106 (US$ 499) nos Estados Unidos, era vendido a R$ 1.749, valor inclusive mais alto que na loja online da própria Fnac. No MacBook Pro de entrada, também havia grande diferença: R$ 4.299 na loja da Fnac no aeroporto e R$ 2.657 (US$ 1.199) nos EUA.

Apesar de ter aberto uma loja na área restrita do terminal 3 do aeroporto de Guarulhos, onde só podem entrar pessoas com cartão de embarque para voos internacionais, a Fnac ainda não conseguiu obter autorização para atuar como free shop. Portanto, a empresa não pode vender produtos em moeda estrangeira nem isenção de impostos — por enquanto, apenas a Dufry e a joalheria Sauer podem vender sem impostos no terminal 3.

Se a empresa tivesse o aval da Receita, o iPhone 5s de 16 GB poderia ficar mais barato no Brasil do que nos Estados Unidos. É que, apesar de ofertar pelo mesmo valor de 649 dólares (R$ 1.438), a loja da Fnac no terminal 3 poderia vender o smartphone diretamente em reais, evitando a incidência do IOF de 6,38% no cartão de crédito. Além disso, nos Estados Unidos há ainda uma taxa local, que varia de estado para estado e fica em torno de 7% ou 8%.

Como a loja da Fnac fica na área de embarque, não desembarque, o que for adquirido lá entra na cota de US$ 500 para produtos comprados no exterior — a cota adicional de US$ 500 para free shops só vale no momento em que você estiver retornando ao Brasil. Inaugurado a tempo da Copa do Mundo, só três companhias aéreas operam no novo terminal 3 do aeroporto de Guarulhos até o momento: Lufthansa, TAP e Swiss.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Guilherme MacLeod
Eles tem direito. A autorização só está pendente há muitos meses. A questão é essa e arrisco a dizer que é por falta de material humano na Receita. Falta de pessoal é endêmica no serviço público brasileiro.
Guilherme MacLeod
Eles tem direito. A autorização só está pendente há muitos meses. A questão é essa e arrisco a dizer que é por falta de material humano na Receita. Falta de pessoal é endêmica no serviço público brasileiro.
Ademar Abiko Jr.
Pessoal é preciptado. Ninguém sabe se a autorização tá pendente, indeferida ou mesmo se ela foi requerida e já julgam como fato consumado a não venda.
Marcello Pek Di Salvo
governo, pra variar, garantindo mais um monopólio, e os consumidores que se lasquem
Diogo Gutierre
De qualquer forma a fnac sai ganhando, ela ganhou um baita marketing e muita gente vai ganhar a simpatia dela mesmo que seja "apenas por tentar". E de qualquer forma somos nós que saímos perdendo.
TekiMobile
Concordo com tudo o que você disse. Mas os documentos das licitações ditas no texto são fáceis de encontrar. Porém, não existe nada a respeito de licitações por parte da FNAC, porque? te respondo: A GRU (administradora de Cumbica) não exige licitação para operar nela, o dinheiro fala mais alto, ela não tem obrigação por ser empresa particular. Foi assim que a Dufry ganhou das outras duas empresas, (dá uma pesquisada no google que vc acha), ela apresentou mais vantagens frente as outras, como por exemplo, experiência no Brasil e logística pronta, já que opera nos outros terminais de Guarulhos. Ou seja, a única licitação envolvida no caso de Cumbica seria a de operar como Free-shop, concessão dada pelo governo federal. E a FNAC não participou de nenhuma.
Uly Dias
Sim tb acho agente ném precisava sai do Brasil pra comprá-la fora
Luiz Henrique Xavier Gomes
Caro amigo, a fnac também passou por licitação. Ninguém consegue espaço em aeroportos sem participar da mesma. Na licitação a infraero disponibiliza o espaço, não existindo licitação que conceda isenção fiscal. Isenções devem ser previstas em lei e fazem jus à esta quem atende os requisitos previstos na norma. A fnac deve ter submetido pedido a receita demonstrando se encaixar nos mesmos requisitos que a dufry para ter direito a isenção. Isso tudo,óbvio, é apenas uma dedução tendo por base as normas isentivas em casos como o presente. Se você se admirou com a folha publicando o que publicou, deveria ter tomado mais cuidado e solicitado uma consultoria jurídica na hora de.emitir sua opinião. Caso precise, para futuros artigos, estou a disposição.
Caio Cesar Secco
Seria muito justo com os outros lojistas do País, claro! A ideia de ser no embarque/desembarque é que ja q vc ia comprar la fora sem imposto msm... que compre aqui dentro !!
André Luiz
Pessoal, entendam o que realmente aconteceu e porque a FNAC não pode ser um Free-shop, pelo menos por enquanto. Só para constar, trabalho na Dufry. http://www.tekimobile.com/verdade-sobre-fnac-duty-free-e-seu-iphone-super-barato/
Guilherme MacLeod
O governo concedeu isenção de impostos para smartphones e tablets. Só que a maioria das marcas não repassou totalmente a diminuição e outras não repassaram nada. Apple, por exemplo, chegou a aumentar o preço de seus tablets assim que teve a isenção.
Guilherme Borges Cunha
Parecia bom demais para ser verdade. Isso é exclusão comercial. As classes mais baixas querem poder consumir esses produtos e são excluídos por causa do governo.
Demetrio Braga Afonso
No domingo eles venderam o Iphone a esse preço sim, minha cunhada conseguiu comprar...
Uly Dias
Poderia ser pra qualquer um que entrasse no aeroporto tanto no imbarque e livre para qualquer um aí sim
Guilherme MacLeod
Paulo, seria uma boa tentar contato com a Receita pra saber qdo sai a autorização e se esse prazo gigante é normal =)
Exibir mais comentários