Pesquisa por Angela Merkel no Google.de

Legisladores da Alemanha passaram nessa semana uma nova lei que praticamente obriga o Google, o Bing, o Yahoo e outros buscadores a pagar pelo uso de notícias publicadas em sites jornalísticos. Foi uma votação apertada no Bundestag, equivalente à nossa Câmara dos Deputados, com 293 votos a favor e 243 votos contra a resolução.

Pelo texto aprovado, os veículos jornalísticos poderão cobrar do Google por “palavras soltas ou resumos mínimos” de material publicado por terceiros. Se o buscador vai lá e indexa uma notícia sobre a chanceler Angela Merkel, por exemplo, são altas as chances de pedirem dinheiro para a matéria aparecer na versão do Google para Alemanha.

As associações de jornalistas estão comemorando a medida, uma tentativa de remunerar um serviço que a meu ver, como jornalista, é importante para a sociedade, mas de uma maneira torta. Afinal, nenhum veículo está obrigado de participar do índice do Google. O buscador revelou recentemente como faz o cálculo para exibir os resultados de pesquisa com direito a um infográfico fantástico, para dizer o mínimo.

A legislação aprovada pelo Bundestag é vaga com relação às formas de cobrar pelo conteúdo disponível nos buscadores. Uma das ideias reproduz o Ecad brasileiro: alguns responsáveis ficariam contabilizando os acessos vindos do Google para repartir o valor entre as empresas de mídia.

Um representante do Google disse ao jornal El País que os internautas ficarão prejudicados por “resultados piores em suas pesquisas”.

Jornalistas alemães comemoram principalmente o reconhecimento de que as prévias de texto que o Google e demais buscadores exibem, ainda que tenham poucas palavras, são de direito autoral de alguém que pode reclamá-lo.

Ainda falando deste tópico, todos os veículos membros da associação brasileira ANJ decidiram sair da ferramenta Google News no ano passado. Dizem que o retorno em acessos vindos do site é bem pouco para valer a pena prosseguir ali. Enquanto isso, na França, o mesmo buscador topa pagar 60 milhões de euros (aprox.. R$ 161 milhões) anuais para continuar indexando conteúdo jornalístico.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Renato Menon
Simples, o Google bloqueia a indexação e listagem desses sites de notícias da Alemanha, derrubando drasticamente o trafego, fazendo que esses percam receita com anúncios, que muitas vezes usam o AdSense do próprio Google, quando não possuem sistemas de advertising proprietários.
EFG
Isso, nada como uma lei bem escrita com uma função diferente de arrecadar fundos que ninguém, nem mesmo os alemães, saberão onde acabará.
viniciusghietti
Ai eles acordam e descobrem que era td um sonho
Anderson Thiago
Com certeza! A maioria acessa sites de notícia por meio do google. Estes sites estão achando que tem visitantes por que são bons, conhecidos, lembrados... HAHAHAH.
Paulo Telles Filho
Thás, essa lei foi modificada. Inicialmente o projeto seria este mesmo, mas agora isso vale apenas para blogs e portais pequenos.
Leandro Tiago de Oliveira
Concordo plenamente, acho que eles só vão entender da importância do Google depois que a água bater na bunda.
Emmanuel Fotógrafo
Google tira os resultados do ar. Quantidade de Pageviews dos Jornais despenca. Lei é revogada a pedido dos próprios jornais.