Início » Jogos » Previews da E3: destaques da Bethesda

Previews da E3: destaques da Bethesda

Avatar Por

Direto de Los Angeles, EUA – A Bethesda aproveitou a E3 pra demonstrar três novos games: The Evil Within, Wolfenstein: New Order e The Elder Scrolls Online. No último dia, consegui jogar uma demo de Wolfenstein e TESO e conto a seguir as impressões de cada um dos previews.

The Evil Within

O jogo faz parte de uma tentativa da Bethesda de entrar no gênero de survival horror (como Dead Space e Amnesia). Entre as cabeças por trás do game está um dos produtores de Resident Evil 4 – o último que foi bom, na minha opinião.

Em The Evil Within, o jogador assume o controle do detetive Sebastian, que vai investigar uma série de homicídios em um hospício da cidade. No vídeo de gameplay exibido, o detetive é sequestrado ao entrar no hospício e preso em uma espécie de açougue humano. Os próximos 10 minutos de jogo são de tirar o fôlego com o protagonista desarmado fugindo do açougueiro que usa nada menos do que uma serra elétrica. Ao final da demo, todos na sala estavam meio aflitos e apreensivos com o desenrolar da cena, que não contarei pra evitar spoilers do jogo.

Em suma, é um game que promete dar uma revitalizada no gênero de horror e parece bastante promissor. Ele chega em 2014 pra PC, Xbox 360, Xbox One, PS3 e PS4.

Wolfenstein: New Order

O primeiro lançamento da série pela Bethesda desde a compra da id Software, criadora da franquia, em 2009. Dessa vez, o game conta uma história alternativa, em que os nazistas venceram a II Guerra Mundial. Na pele de B. J. Blazkowicz, o jogador deve cumprir missões que envolvem chutar o traseiro de nazistas e atrapalhar seus planos.

A demo que joguei foi bem curta, mas deu pra ter uma ideia rápida do que é o jogo.

O que mais chamou atenção foi a forma com que o cenário se desmancha ao sofrer rajadas de tiros ou sob a influência de armas específicas, como uma de laser que pode ser usada em cercas de arame pra abrir novos caminhos.

Outro diferencial é a presença de um contador de vida e a necessidade constante de procurar medkits. Embora parte da vida do jogador se recupere com o tempo, a quantidade é mínima e limitada ao tanto de dano tomado. Então, em certas partes de muita ação, o jogador precisa rever estratégias ao invés de se esconder e esperar a vida encher.

O jogo sai no final do ano pra PC, Xbox 360, Xbox One, PS3 e PS4.

The Elder Scrolls: Online

O próximo jogo da série The Elder Scrolls é um MMO e, durante os 20 minutos que tive pra jogar, posso resumir com uma frase: é igualzinho Skyrim, e isso é bem legal!

TESO se passa em Tamirel, o mundo da série, 1000 anos antes dos eventos de Skyrim. É possível jogar em lugares já vistos nos anteriores Morrowind, Oblivion e Skyrim e o MMO usa um sistema de PvP elaborado, com invasão a cidades e fortes.

Inclusive, mostraram um gameplay com mais de 200 jogadores se digladiando, sistema de coleta de recursos, criação de itens e o principal: evolução de habilidades de acordo com o que lhe for mais conveniente.

Qualquer classe e qualquer raça podem usar qualquer tipo de arma ou armadura, cabendo ao jogador avançar as habilidades correspondentes aos itens que pretende usar. E, claro, magias, pois tudo fica mais interessante quando se coloca fogo.

Um ponto que não gostei na demo foi o bloqueio em sair matando NPCs, diferente do que ocorre em Skyrim ou outros jogos da série. De acordo com a justificativa de uma pessoa da equipe presente na demonstração, “não dá pra matar NPCs para não atrapalhar outros jogadores”. Pelo visto, o conceito de respawn ainda não chegou em Tamirel, mas, se chegar, pode ter certeza que vou atrapalhar vários jogadores, repetidamente.

TESO chega em 2014 pra PC, Xbox One, PS4 e – pasmem – Mac.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Murdock
Já perdi minha alma pra Skyrim, agora vai ser com TES Online.
tanure.pedro
Mas como é isso aí de não poder matar NPC no TES Online? Não pode matar NENHUM NPC ou apenas vendors e quest-givers? Porque nesse caso, eu concordo. Meio HUEBR querer matar npc's que estão ali pra realizar uma função importante para a comunidade de players. Mesmo com respawn, atrapalha muita gente - que vai ter que ficar esperando o npc "ressucitar". Nem vou comentar que isso vai totalmente contra o conceito de RPG (roleplay) porque isso já não existe em MMORPG's há muito tempo. E aliás, pelo visto você não jogou Skyrim, nem Oblivion, nem nenhum outro jogo da série. Também não dava pra matar diversos NPC's que eram importantes e quebrariam o enredo se fossem mortos...