A Nvidia anunciou uma tecnologia que poderá mudar a forma como os fanáticos por jogos montam seus PCs. O GeForce Grid promete fazer com que todos os gráficos dos seus jogos sejam processados diretamente na nuvem, em servidores poderosos, eliminando a necessidade de adquirir uma placa de vídeo potente ou fazer upgrades todos os anos para continuar rodando os títulos com uma qualidade decente.

Na prática, como o processamento seria feito pelo GeForce Grid, seria possível rodar jogos pesados com o nível máximo de detalhes mesmo em dispositivos mais simples, como smartphones, tablets ou até TVs, sem precisar de um console. O OnLive fornece um serviço semelhante atualmente, mas a alta latência da nuvem até os computadores dos usuários não deixa a experiência muito boa.

Jogos rodando na qualidade máxima, em qualquer dispositivo.

No GeForce Grid, cada jogador teria direito a rodar seus jogos remotamente numa máquina com processamento gráfico equivalente a uma GeForce GTX 690, o que não é pouca coisa. Um vídeo revela o Bulletstorm com gráficos impressionantes rodando em um tablet Asus Transformer Prime praticamente sem lag. Isso porque a Nvidia trabalhou duro para obter uma latência de 160 milissegundos em média, o tempo ideal de acordo com a fabricante.

Basicamente, qualquer dispositivo que suporte a execução de vídeos com H.264 será compatível com a tecnologia GeForce Grid. Na demonstração de Bulletstorm, no entanto, foi necessário utilizar um aplicativo a parte no Android – no PC os games podem rodar diretamente do navegador.


(Vídeo do YouTube)

O produto não será vendido diretamente para usuários finais; a Nvidia fornecerá sua infraestrutura de hardware e software para as empresas parceiras. Os serviços conhecidos disponíveis atualmente, como OnLive e Gaikai, utilizarão a tecnologia da Nvidia para processar os jogos.

No modelo atual, os usuários pagam uma taxa única para ter acesso ao jogo quando quiser, o que parece bem interessante e pode resultar em uma bela economia com hardware ou consoles. O GeForce Grid pode até afetar as vendas de GPUs da Nvidia, mas o avanço desses serviços provavelmente ocorreria de qualquer forma, então é melhor a empresa ganhar dinheiro enquanto é tempo.

Com informações: Android Community, ZTOP.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

jonathas
ele servira como um upgrade para o onlive e gaikai ou seja ele é a mesma coisa so que com uma resposta melhor
Turdin
Mas dependendo dos requisitos acho que consegue sim, se os servidores forem locais
Paulo
Ai esbarra na qualidade da conexão. Que no Brasil já sabemos como é
Matheus
Então, eu usei o OnLive ha um tempo atras, e embora a ideia seja fantástica, no Brasil, com nossa internet ridícula, ainda eh inviável. Cheguei a jogar uns demos e tal... experimentem o OnLive, vai ver com essa tecnologia ele melhore.
@technoserver
Se a Kodak (R.I.P.) tomasse a mesma atitude não teria falido.
Paulo
160ms... Poxa, FPS fica inviável com esse ping. Servidor com ping acima de 100 eu já nem entro.
Diablo III
Isso me parece com o Onlive. http://www.youtube.com/watch?v=yorwBfKK79I&feature=plcp
Alexandre
me parece um baita tiro no pe em termo comerciais. eh uma ideia interessante, mas tem tantos paradigmas do uso da nuvem pra quebrar que , se rolar, vai demorar um bocado. E, lembrando que certamente deve ter sido testado num como a coreia que tem internet megahiperrapida
bawlaw
agora.. além de nao sermos donos dos softwares (windows), não sermos donos de nossos arquivos (como mostrado aqui no TB sobre o Gdrive) tambem não seremos donos dos processamento de nossos próprios hardwares.. ficaremos amarrados às politicas estrangeiras... (veja como funciona certos serviços em cuba, coreia do norte e irã, serviços como hotmail são bloqueados para lá e por parte dos EUA e pela licença do Windows eu nao posso instala-lo caso seja um cidadão cubano)
@andreih1
Em um país com uma Internet de qualidade, Coréia do Sul por exemplo, pode funcionar perfeitamente. Mas no Brasil, amigos, sentem pra esperar porque vai cansar! rsrsrs Um futuro de softwares nas nuvens pode ameaçar o Windows, quem sabe um dia chegue a hora do Ubuntu brilhar, ou talvez Chromium OS, reflitam!
@AntonioVeras
Fiquei pensando. Assim como no texto, ela não perderia receita com vendas de hardware? Sim, mas ela ganharia receita, disponibilizando o serviço. Isso é até bom, pois iria diminuir o lixo tecnológico.
@TatoGomes
IaaS é a nova onda do verão. E acho que vem pra ficar.