O Registro.br, entidade responsável pelo registro de domínios nacionais, anunciou a superação de uma marca histórica no mês de julho: o número de domínios com terminação .br chegou aos 3 milhões. O terceiro milhão foi alcançado apenas dois anos após o segundo, um tempo muito curto se considerarmos que os domínios nacionais estão em atividade desde 1995.

Nos últimos anos ficou muito mais fácil registrar um domínio .com.br, o que foi certeza facilitou o rápido crescimento do número de domínios nacionais. Desde maio de 2008, qualquer pessoa com CPF pode registrar um domínio .com.br. Antes disso, a terminação era exclusiva para empresas com CNPJ; as pessoas físicas estavam limitadas ao feio .nom.br e aos domínios para profissionais liberais, como o .eng.br para engenheiros. O pagamento, antes disponível apenas por boleto, agora pode ser feito via cartão de crédito.

É aí que nasce um domínio .br

Um domínio nacional atualmente custa R$ 30 por ano, valor que diminuiu desde dezembro de 2000, quando o custo era de R$ 50. E para onde vai todo o dinheiro arrecadado com a venda de domínios? Segundo o NIC.br, entidade sem fins lucrativos que coordena o registro de domínios, a receita é revertida aos projetos do órgão, como ferramentas para medição da qualidade de banda larga (como o SIMET) e treinamentos para implantação de novas tecnologias (especialmente o IPv6).

O dinheiro obtido com os domínios também é muito importante para financiar a participação do Brasil em fóruns internacionais. “É importante destacar que não contamos com nenhum tipo de subsídio federal para realizar qualquer dessas iniciativas”, disse Demi Getschko, diretor-presidente do NIC.br e um dos responsáveis pela primeira conexão TCP/IP brasileira, feita em 1991.

Aos interessados em registrar um domínio nacional, a escolha do nome e o pagamento podem ser feitos diretamente no site do Registro.br.

Com informações: Terra, IDG Now, InfoWester.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Joaomanoel
Seria melhor [email protected]
Joaomanoel
Eles tem que pagar o ICANN, caso não saiba.
Fernando Pepe
3 milhoes x R$ 30,00 = R$ 90 milhoes de reais.. pra que ? pra alugar um stand em feiras ? pagar hotem e passagens para os "executivos" ? tenho que certeza que R$ 1 milhão dá e sobra... para onde foram os outros R$ 89 milhoes ? qual é o salarios da diretoria do registro.br ? nao ganham $$ federal ? nem precisam !!, deveriam repassar o que não foi gasto para o governo. caralho.. com R$ 89 milhoes é possivel contruir muitas estradas, escolas, hospitais. por que isso não é divulgado pela Veja, JN , Record ? estão esperando juntar R$ 100 milhoes pra ficar mais bonito na manchete ?
YanGM
História épica! Aqui vai o meu jóinha por comentário.
@qgustavor
Sou pobre e fico aqui penando com domínios .co.cc e .tk . Se bem que o último é o que eu mais gosto, mesmo que seja o mais maltratado ( é muito utilizado por spammers e gente do mesmo saco ) pois é um domínio "top-level" ( entre aspas pois todos nós sabemos que eles usam um sistema de wildcarts, não fica tão bom quanto parece ). Como foi dito por uns usar um domínio top-level fica mais bonito, mas aqui no brasil é limitado a universidades. Gosto de ter meu domínio, ainda que nada confiável. .br me deixaria mais brasileiro, .com ou .info acho que um dia acabaria meu dinheiro e eu não poderia renovar o domínio.
fbslikan
Campinas: a coca de lata - R$ 4,00 mais barato pagar o domínio!
@thiagovfar
Barato pra comprar, na hora de renovar, eles vem com a faca na mão.
@Tito_Reis
Isso me lembrou O vendedor de tomates e acho que cabe aqui: Um homem que estava desempregado, entra num concurso da Microsoft para ser faxineiro. O gerente de RH o entrevista, faz um teste (varrer o chão) e lhe diz: "O serviço é seu"; me deu seu e-mail e eu lhe enviarei a ficha para preencher, e a data e hora em que deverá se apresentar para o serviço. O homem, desesperado, responde que não tem computador e muito menos, e-mail. O gerente de RH, disse que lamenta, mas se não tiver e-mail, quer dizer que virtualmente não existe, e, como não existe, não pode ter o trabalho. O homem sai, desesperado, sem saber o que fazer; somente tem R$10 reais no bolso. Então decide ir ao supermercado e comprar uma caixa de de 10 quilos de tomates. Bate de porta em porta vendendo os tomates a quilo, e, em menos de duas horas tinha conseguido duplicar o capital. Repete a operação mais três vezes e volta a casa com R$60 reais. Então, ele verifica que pode sobreviver dessa maneira, sai de casa cada dia mais cedo e volta a casa mais tarde, e assim triplica ou quadruplica o dinheiro a cada dia. Pouco tempo depois, compra uma Kombi, depois troca por um caminhão e pouco tempo depois chega a ter uma pequena frota de veículos para distribuição. Passados cinco anos, o homem é dono de umas das maiores distribuidoras de alimentos dos Estados Unidos. Pensando no futuro da sua família, decide tirar um seguro de vida. Chama um corretor, acerta um plano e quando a conversa acaba, o corretor lhe pede o e-mail para enviar a proposta. O homem disse que não tem e-mail. Curioso, o corretor lhe disse: Você não tem e-mail e chegou a construir este império, imagine o que você seria se tivesse e-mail!!! O homem pensa e responde: - Seria faxineiro da Microsoft!! Moral da História: A internet não soluciona a sua vida
ricardo
Também quero saber onde você mora. Nunca comprei uma lata de refrigerante por menos de 2,50.
ricardo
As universidades federais têm isso, por exemplo ufes.br e ufmg.br. Não sei quem mais tem o direito de fazer isso.
Kessler
Aqui com 2,50 dá para comprar algumas balas.
YanGM
Gezuis!
@kadugaspar
E as garrafas de 2 litros R$ 6
YanGM
O.O
@kadugaspar
Cara aqui no interior do Rio as latinhas de Coca-Cola já estão custando R$3,00
Exibir mais comentários