O Google Chrome para Mac já está disponível como um developer preview desde outubro, e agora parece que enfim a versão beta será distribuída para o público. Há 4 dias Mike Pinkerton, líder da equipe de desenvolvimento do Chrome para Mac, twittou que apenas 8 bugs impediam o lançamento do beta. Agora os bugs se foram e o beta é iminente.

De fato, na página do roteiro de desenvolvimento do navegador para Mac OS X, a meta, que ontem era “Beta”, mudou para “Estável/Paridade de funções”. Ou seja, o beta está concluído, o objetivo agora é chegar à versão estável e colocar a versão para Mac no mesmo patamar de funcionalidades que a versão para Windows. Para tanto, faltam apenas serem implementados:

  • App mode;
  • Gerenciador de favoritos;
  • Gerenciador de cookies;
  • Tela Cheia (que já estava implementada no pré-beta, mas foi retirada por ter bugs demais);
  • Configurações de fonte e idioma;
  • Gerenciador de tarefas;
  • Extensões e page actions;
  • Sincronização de favoritos;
  • Visualizador de PDF inline;
  • 64 bits.

Aqueles que estiverem interessados devem ficar atentos pois tudo indica que muito em breve o Google Chrome Beta para Mac está disponível para download.

Eu venho testando a versão para desenvolvedores do Chrome para Mac desde outubro e a seguir escrevo algumas impressões sobre o navegador.

O Chrome sempre foi reconhecido por ser um navegador simples e rápido, e na versão para Mac não é diferente. Ele é mesmo bastante rápido, principalmente para páginas recheadas de JavaScript, como o próprio Gmail e o novo Orkut. E ele consegue ser mais simples até mesmo que o (já minimalista) Safari.

Na verdade, Safari e Chrome são muito parecidos, desde que o Chrome foi lançado para Windows. Isso porque ambos são baseados no WebKit, portanto espere entre eles mais similaridades do que diferenças.

Assim como o Safari, o Chrome obtém nota 100/100 teste Acid3 de padrões da web. O Firefox 3 para Mac, comparativamente, passa em apenas 72 dos 100 testes aplicados.

Alguns destaques do Chrome são:

  • O modo de Tela Cheia (indisponível na sua concorrência no Mac OS X), que estava presente no developer preview, foi retirada, mas deve voltar oportunamente;
  • Assim como no Safari, no Chrome também é possível usar os gestos multitouch para avançar e voltar páginas (swipe de 3 dedos), bem como para o zoom (movimento de pinça, com 2 dedos). Quem usa esse gestos no dia-a-dia simplesmente não consegue mais ficar sem, tamanha a praticidade deles. Se o Chrome não tivesse suporte para swipe de 3 dedos, dificilmente conseguiria ser considerado por mim como sério candidato ao meu browser principal, por melhor que fosse;
  • A forma como o navegador separa em processos distintos cada aba e plugin. O gerenciador de processos do Chrome ainda não está pronto, mas o Monitor de Atividade do Mac já consegue enxergar cada processo separadamente (e finalizá-lo, se for o caso).

Aliás, foi essa funcionalidade que impediu o Chrome de ser inutilizável em meus testes da versão para desenvolvedores. Ao menos nessa versão, o plugin do Flash era indomável. Meu MacBook (modelo de 13″ de alumínio, do princípio de 2009, rodando Snow Leopard) ficava com seus dois processadores e o cooler trabalhando alucinadamente, e isso não me deixava feliz. Mas havia uma solução, apesar de ela não ser tão intuitiva para alguém que não esteja acostumado a lidar com os processos do seu sistema operacional. Bastou que eu finalizasse o processo que mais consumia recursos (que se chamava “Google Chrome Helper”, como todos os outros) para que o plugin do Flash fosse encerrado e tudo voltasse à mais perfeita normalidade — mas é claro que qualquer coisa que dependesse de Flash não funcionaria.

O único incômodo, além desse, é a ausência de um gerenciador de favoritos (por enquanto). Você consegue criar utilizar favoritos sem qualquer problema, mas não há uma tela dedicada a editá-los — quem desejar fazê-lo terá que editar um por um, clicando na estrelinha ao lado do endereço do site.

Nesse momento vale ressaltar que testei a versão prévia para desenvolvedores, e que o Beta virá com diversos bugs corrigidos, mas já é possível ter uma idéia do que esperar do Chrome para Mac OS X. Na minha opinião, contanto que o bug do Flash seja corrigido e o Gerenciador de Favoritos acrescentado, o Chrome Beta já chegará como um dos melhores navegadores para a plataforma. Enquanto isso não acontece, os aventureiros que quiserem experimentar os últimos momentos da versão pré-beta para desenvolvedores podem baixá-lo nesse link.

Confira abaixo algumas imagens da versão pré-beta:

Chrome para Mac

Falha do Flash

Processos separados

Chrome no Acid3

Firefox no Acid3

Última versão testada

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação