Início / Arquivos / Celular /

Xperia E5 chega ao Brasil com preço nível Sony

Concorrente de smartphones de 900 reais é lançado no mercado brasileiro por 1.400 reais

Paulo Higa

Por

Notícia
Achados do TB Achados do TB

As melhores ofertas,
sem rabo preso 💰

A Sony lançou nesta quinta-feira (8) o Xperia E5, um smartphone até simples no hardware, mas não muito no preço. Com processador quad-core MediaTek MT6735 e 1,5 GB de RAM, ele compete com aparelhos como Moto G4 Play e Quantum Müv, mas custando bem mais, com o incompreensível preço sugerido de R$ 1.399,99.

xperia-e5

Ele faz parte da linha E, a mais básica da Sony, ficando posicionado como o smartphone menos caro da geração atual da fabricante japonesa; um nível acima está o Xperia XA, um intermediário com design compacto. Diz a Sony que o Xperia E5 é ideal “para quem procura um aparelho com um bom custo e desempenho, além de qualidade de câmera e design semelhantes aos smartphones topo de linha da marca”.

xperiae5_branco-1

Na prática, estamos falando de um aparelho com MediaTek MT6735, um processador quad-core de 1,3 GHz que compete com o Snapdragon 410, acompanhado de 1,5 GB de RAM e 16 GB de armazenamento interno, com direito a entrada para microSD.

A bateria é de 2.300 mAh, com a tradicional promessa de duração de até dois dias (o que nem sempre acontece), enquanto a tela de 5 polegadas tem resolução de 1280×720 pixels.

A câmera, um dos pontos que a Sony destaca no Xperia E5, também não chama a atenção com o sensor de 13 megapixels e um flash LED — ainda mais numa faixa de preço que já inclui aparelhos com detecção de fase, foco a laser e flash duplo. Na frente, o aparelho da Sony traz um sensor de 5 megapixels.

A Sony tem focado em aparelhos de categorias superiores para conseguir lucrar no mercado de smartphones, mas o Xperia E5 mostra ser apenas um aparelho de categoria inferior vendido a um preço mais alto. Não faz muito sentido. É claro que a Sony se posiciona como uma marca premium, resquício de quando isso era realmente verdade, até o início dos anos 2000, mas fica a dúvida se essa estratégia ainda é uma boa ideia numa faixa de preço tão concorrida.