Você tenta acessar um site a partir do smartphone, mas a conexão é tão lenta que dá vontade de desistir. Infelizmente, esse é um problema muito comum no Brasil, razão pela qual o Google resolveu dar uma forcinha: dentro de duas semanas, a companhia ativará um recurso em aparelhos com Android que resultará em carregamento mais rápido de páginas.

A novidade funcionará no Chrome, no navegador padrão da plataforma e no app de busca do Google. Quando uma conexão lenta à internet for detectada, os browsers carregarão, automaticamente, versões mais leves dos sites solicitados.

Google - páginas mais leves

Para isso, o Google fará uso de várias técnicas, como compressão de imagens, remoção de funções em JavaScript menos importantes e redução de CSS. O resultado final será uma página mais simples e até menos bonita, mas “light”.

É claro que, eventualmente, a técnica poderá prejudicar a exibição de determinadas páginas ou de recursos importantes. Por causa dessas situações, o Google sempre dará ao usuário a opção de carregar a página original sem nenhum tipo de compressão.

Por parte da empresa, há grandes expectativas em relação ao recurso. O Google já habilitou a técnica na Indonésia e constatou que, por lá, houve aumento de 50% nos acessos a sites a partir de dispositivos móveis.

Segundo a companhia, o macete faz as páginas carregarem até quatro vezes mais rápido e reduz o download de dados em até 80%. Isso significa que, além de esperar menos para visualizar sites, os usuários terão economia, ainda que ligeira, na franquia de dados do seu plano móvel.

A preocupação do Google com o assunto não é mero capricho. O acesso à internet a partir de dispositivos móveis cresce em ritmo acelerado, logo, a companhia precisa otimizar ao máximo a experiência de navegação mobile para se manter relevante no segmento.

É esse mesmo motivo que, em abril, levou a companhia a exibir, prioritariamente, links de páginas otimizadas para dispositivos móveis nos resultados das buscas.

Além do Brasil, o recurso de páginas leves será disponibilizado na Índia.

Comentários

Envie uma pergunta