Início / Arquivos / Telecomunicações /

As operadoras brasileiras mais rápidas no 4G

Em um ano, a velocidade média do 4G brasileiro despencou de 21 Mb/s para 11 Mb/s

Paulo Higa

Por

Notícia
Achados do TB Achados do TB

As melhores ofertas,
sem rabo preso 💰

Antena de telefonia móvel

A OpenSignal, organização que usa apps de Android e iPhone para analisar conexões móveis, publicou uma nova edição do State of LTE, relatório que mostra as condições das redes 4G no mundo. Em um ano, o Brasil despencou no ranking de velocidade média. A Claro, que chegou a ter o 4G mais rápido do mundo, agora não aparece nem entre as 30 operadoras mais velozes.

Nossas redes 4G eram relativamente novas no segundo semestre de 2013, quando o relatório anterior foi feito. Hoje, com mais smartphones 4G em funcionamento no país, parece que a estrutura não acompanhou a demanda. Em 2013, a velocidade média do 4G no Brasil era de 21 Mb/s, a terceira maior do mundo. Entre novembro de 2014 e janeiro de 2015, a taxa caiu para 11 Mb/s.

4g-mais-rapido

No ranking de velocidade média, o Brasil está atrás das vizinhas Argentina (15 Mb/s) e Colômbia (12 Mb/s). A Espanha é o país com a maior velocidade média de 4G (18 Mb/s) e também abriga a operadora com o 4G mais rápido do mundo: a Vodafone, com 25,5 Mb/s. Olhando pelo lado positivo, o Brasil continua na frente do Japão (9 Mb/s) e Estados Unidos (7 Mb/s), onde as redes 4G estão em funcionamento há mais tempo.

No Brasil, a operadora com o 4G mais rápido é a Claro, enquanto a Vivo tem a pior velocidade média. Este é o ranking:

  1. Claro: 12,86 Mb/s
  2. Oi: 11,84 Mb/s
  3. TIM: 6,03 Mb/s
  4. Vivo: 5,54 Mb/s

As operadoras brasileiras possuem quase o mesmo nível de cobertura, com pequena vantagem para a TIM, que conseguiu manter seus clientes conectados ao 4G em 45,7% do tempo. Ela é seguida pela Vivo (44,1%), Claro (42,1%) e Oi (41,9%). Os números são ruins quando comparados com a média de países como Coreia do Sul e Japão, onde os usuários ficam 95% e 86% do tempo conectados a uma rede 4G, respectivamente.

Você pode ler o relatório completo na página da OpenSignal nesta página. A edição do ano passado pode ser vista aqui.

Com informações: Gizmodo Brasil, VentureBeat.