Início / Arquivos / Aplicativos e Software /

Yovo: um app similar ao Snapchat, mas que tenta impedir capturas de tela

Emerson Alecrim

Por

Notícia
Achados do TB Achados do TB

As melhores ofertas,
sem rabo preso 💰

Liderados pelo Snapchat, os aplicativos de conteúdo efêmero vivem seu auge. Mas há um problema: fotos ou mensagens enviadas por estes serviços somem após algum tempo de visualização (geralmente, segundos), mas nada impede que o usuário faça uma captura de tela para preservar o material. O Yovo é um app efêmero que explora uma ideia curiosa para combater esta prática.

yovo

A novidade foi criada pela ContentGuard, uma companhia especializada em compartilhamento privado de arquivos. Este detalhe nos faz pensar que a empresa implementou algum mecanismo avançado para bloquear a função de “print screen” do smartphone, mas a solução é bem mais simples.

Tudo o que usuário precisa fazer ao compartilhar uma foto é ativar o filtro D-fence. Com ele, a imagem é exibida com “ripas” desfocadas por cima. Como estas colunas se movimentam rapidamente, de modo intercalado, o usuário consegue visualizar a foto na íntegra. No entanto, ao fazer uma captura de tela, as ripas ficarão em evidência. Não entendeu? Observe o vídeo:

Segundo Scott Richardson, um dos diretores da ContentGuard, a ideia é semelhante ao ato de olhar para uma cerca de madeira estando dentro de um carro. Com o veículo em movimento, as ripas passarão rapidamente e você conseguirá notar com relativa clareza o que há por trás dela. Mas, com o automóvel parado, você verá as ripas e apenas parte do que há ao fundo.

Como dá para perceber, a solução é paliativa, mas dependendo das circunstâncias, pode ajudar a proteger conteúdo íntimo ou material privado (fotos de um documento sigiloso, por exemplo).

Com versões para Android e iOS, o Yovo é gratuito e permite também compartilhamento de fotos via Twitter e Facebook. Neste caso, o serviço gerará um link que só pode ser acessado uma vez.

De acordo com Richardson, uma atualização capaz de exibir imagens com mais quadros por segundo – e, portanto, com mais visibilidade a “olho nu” – está a caminho.

Com informações: MIT Technology Review