A francesa Vivendi, dona da GVT, está cada vez mais perto de vender a operadora para a espanhola Telefónica, controladora da Vivo no Brasil. Os espanhóis estavam em uma disputa com a Telecom Italia para saber quem levaria a GVT. E aparentemente a Telefónica se deu melhor na negociação.

Considerando as ofertas finais, a Telecom Italia ofereceu à Vivendi 7 bilhões de euros, sendo apenas 1,7 bilhão em dinheiro, 16% de capital na holding da companhia, 21% de controle da empresa e mais 15% da TIM Brasil. A oferta da Vivo foi melhor: são 7,45 bilhões de euros, que incluem 4,663 bilhões em dinheiro e 12% das ações da Vivo.

Como a Telefónica também é dona de uma boa parte da Telecom Italia, esses 12% podem ser revertidos em 5,7% de capital e 8,3% de comando da companhia italiana. De certa forma, os franceses não somente negaram as propostas dos italianos como no final das contas podem acabar se tornando expressivos acionistas da companhia.

Apesar de descartar os negócios com os italianos, a Vivendi enfatiza a qualidade e relevância da oferta da Telecom Italia, mas a oferta da Telefónica é mais atrativa, já que gera um ganho de capital de 3 bilhões de euros. Vender a GVT será um marco para a Vivendi, já que é a última empresa de telecomunicações pertencente ao grupo, que deseja focar o seu desenvolvimento em mídia e conteúdo.

Como disse anteriormente, faz todo sentido que a Telefónica compre a GVT. A Vivo só possui operações fixas no estado de São Paulo, e, integrando a GVT nos seus negócios, seria possível aumentar a presença em telefonia fixa, banda larga e TV por assinatura. Além disso, a GVT tem uma extensa rede de fibras ópticas nas áreas onde atua, que podem ser utilizadas para levar Vivo Fibra e Vivo TV Fibra para outras localidades, além de aumentar a capacidade de tráfego da rede móvel da operadora.

Apesar das conversas estarem em um estágio bem avançado, não significa que o negócio já foi concluído. Mesmo quando a transação for fechada, a venda ainda poderá ser avaliada pelos órgãos reguladores, incluindo a Anatel e o Cade.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

ksf.rey
e bom q a vivo compre mesmo so assim vai ser melhor .vivo e a melhor que haa
Blog Starti
Depende de cada região o valor da telefonia e os planos de internet. Certamente que as empresas variam com esses valores em determinadas regiões.
Blog Starti
Seria um grande impacto no mercado brasileiro de telefonia móvel.
Antonio Carlos
Magnosama , meu amigo, você não está errado não, a vivo é uma operadora mercenária
Stallone Cobra
A Vivo continua em muitos lugares da região metropolitana como sendo a única a fornecer banda larga, onde moro mesmo, só existe ela e a velocidade é de 2Mb a 59 reais, isso mesmo 59 Dilmas! A GVT vem expandindo exatamente onde a Vivo oferece um serviço porco, e isso pode frear com essa compra.
Vitor Mikaelson
A Vivo Fibra é barato...
Vitor Mikaelson
E em SP GVT é nova ainda, ou seja, não tem nada que vá impedir.
Vitor Mikaelson
No caso, a Vivo Fibra é mais barato que a GVT.... Mas sim, se a Tim comprasse iria ficar bem baratinho.
Denis Belo
No meu caso, vou continuar refém da Telefónica/Vivo, única opção da minha cidade. A esperança era a GVT iniciar operação aqui, já que ela começou a operar nas cidades vizinhas a pouco tempo....
Gustavo Sant'Anna
Atualmente nao uso nenhuma das duas ashasuhsausa
pinportal
Em um futuro próximo a GVT será Vivo, então recomendo que você (Gustavo) continue com a Vivo, para evitar ficar preso à GVT por um ano (caso haja contrato de adesão).
pinportal
Acho que sim, ela atuam em mercados distintos (excetuando SP), no resto do Brasil uma oferece telefonia móvel e a outra banda larga, telefonia fixa e televisão paga, elas se complementam.
pinportal
O problema é que a Vivo tem uma política de preços muito alta, similar ao Dropbox em relação à Google Drive e OneDrive (em uma analogia simples). Caso a Tim comprasse, acredito que ela focaria em preço mais baixo (similar ao posicionamento da GVT nos primórdios, quando estava se expandindo pelo país). Com a Vivo, tenho certeza que a futura empresa resultante da fusão Vivo + GVT resultará em uma empresa bastante cara aos clientes, sinto pena do pessoal de SP que antes tinha a Vivo e GVT como concorrentes na banda larga, agora serão uma só. No meu caso (Rio de Janeiro), espero que os ela seja uma boa opção à NET.
Vitor Mikaelson
Pode parecer que não, mas isso é bom para a GVT. A GVT tem infraestrutura boa (alguns problemas no DNS apenas) e um backbone muito bom. O problema era que a GVT, digo vivendi não queria apostar no IPTV. Em São Paulo por exemplo, estava instalando GPON + Hibrido, em vez do IPTV Puro como a Vivo faz. O maior problema das operadoras brasileiras foram que eles iniciaram de maneira porca, podemos ver que o 4g não sofre os mesmos problemas do 3g. Foi tudo muito mais planejado.
ad-maru
E essa o CADE vai deixar?
Exibir mais comentários