Início » Arquivos » Gadgets » Baterias que duram o dobro das atuais estão sendo testadas pela indústria

Baterias que duram o dobro das atuais estão sendo testadas pela indústria

Novidade deverá equipar dispositivos vestíveis inicialmente

Emerson Alecrim Por

A durabilidade das baterias melhorou nos últimos anos, mas não tanto quanto gostaríamos. Isso explica a grande quantidade de pesquisas voltadas ao assunto. O trabalho da Applied Materials vem apresentando resultados promissores: especializada em equipamentos para fabricação de eletrônicos, a empresa afirma ter encontrado uma forma de viabilizar a produção de baterias com muito mais capacidade.

Na verdade, não estamos falando de nenhum padrão novo. O foco da companhia está nas baterias de estado sólido, que existem há tempos, mas como têm custo alto de produção, são utilizadas apenas em equipamentos específicos.

O nome entrega a principal diferença em relação às tradicionais baterias de íons de lítio: neste último tipo, o eletrólito, material utilizado para condutividade elétrica, é líquido; nas baterias de estado sólido, o eletrólito é… sólido.

Esta forma de eletrólito é vantajosa porque permite o uso de eletrodos que proporcionam muito mais armazenamento de energia. Dependendo da combinação de fatores, pode-se chegar ao dobro dos padrões atuais.

Baterias de estado sólido também trazem mais segurança: eletrólitos líquidos são altamente inflamáveis, razão pela qual exigem construção cuidadosa e, dependendo da aplicação, uso de mecanismos de refrigeração sofisticados.

Bateria - ilustração

A Applied Materials não explica como, mas afirma estar desenvolvendo uma técnica de fabricação que permite a produção de baterias de estado sólido de maneira rápida e muito menos custosa.

Alguns dos equipamentos baseados na técnica já estão sendo testados na indústria, assim como as baterias produzidas neles. A Applied Materials não informou quais são estes fabricantes, mas disse que os primeiros produtos a usufruírem das novas baterias serão dispositivos vestíveis.

Há duas razões para isso. A primeira é que baterias de estado sólido podem ter formatos muito variados. Uma bateria do tipo poderia ser colocada na pulseira de um relógio para liberar espaço na traseira para circuitos, por exemplo.

O segundo motivo é que esses dispositivos são muito compactos e, portanto, precisam de baterias duráveis, mas substancialmente pequenas.

Baterias de estado sólido também poderão ser viáveis para smartphones, laptops e até carros, mas não de imediato. A empresa pode ter resolvido a complexidade da produção, mas reconhece que há outras limitações ainda não superadas.

Uma delas é o fato de os eletrólitos sólidos não serem tão bons condutores quantos os eletrólitos líquidos, o que dificulta a fabricação de baterias para dispositivos mais exigentes.

Mas Applied Materials promete chegar lá. Podemos apostar nela, se considerarmos a quantidade de dinheiro que a empresa ganhará se tiver sucesso com a proposta.

Com informações: MIT Technology Review

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Paulo Cesar Caetano
Porque que a maioria dos eletronicos importados as baterias descarregam tão rápido?
Caio Alexandre
Já estava na hora. Eu não quero telas Quad HD em smartphones, eu quero baterias pra aguentá-las. :p
Keaton
O que a industria irá fazer: uma bateria com essa tecnologia e a mesma capacidade... corte de custos.
André Onofre
Qualquer passo a mais em direção a baterias com maior capacidade e/ou durabilidade, já é algo para comemorarmos. E, se o foco inicial é em wearables, não acho que é pedir demais smartwatches com essas baterias ano que vem ou, no máximo, em 2016. Ou estou sonhando alto demais?
Ramon Floriano
Sonho com o dia em que eu possa usar meu smartphone por dois dias de uso intenso e só depois deste período, ter que colocá-lo para carregar.