Início » Arquivos » Internet » Nissim Ourfali perde processo contra Google; vídeo do Bar Mitzvah continua no ar

Nissim Ourfali perde processo contra Google; vídeo do Bar Mitzvah continua no ar

Por

Dois anos depois do início do processo, finalmente saiu a decisão judicial do caso da família de Nissim Ourfali contra o Google. E ele é desfavorável ao garoto: o Google não tem a obrigação de remover os vídeos e demais citações ao vídeo.

A sentença foi proferida no mês passado. Para quem não lembra, o tal vídeo do Nissim Ourfali era uma paródia da música What Makes You Beautiful, do One Direction, com cenas protagonizadas com muito chroma key pelo garoto, que na época tinha 13 anos. Ele foi feito com a intenção de convidar sua família para seu Bar Mitzvah.

Isso é algo bem comum, na verdade: é fácil de encontrar pela internet afora vídeos de garotos de todo o mundo que fizeram videoclipes personalizados com esse fim.

2012-549422343-globo-66dw2n5m2e8tmltpgj_original.jpg_20120902

O vídeo de Nissim era para ter sido postado somente para convidados, mas o pai do garoto o deixou público e ele explodiu em visualizações. Mesmo tirando do ar logo depois, foi replicado em diversos outros perfis no YouTube e outros sites, além de ter originado diversos memes e sátiras. Em 2012, o Google foi obrigado a fazer uma limpeza e tirar o vídeo do ar em diversos endereços, mas a medida foi pouco eficaz: logo, ele voltou em outros.

O juiz Arthus Fucci Wady, da 1ª Vara Cível de São Paulo, julgou, agora, que seria impossível pedir ao Google que removesse todas as páginas de sites que lhe pertençam, como o YouTube e o Orkut, e utilizassem o nome, imagem e voz do garoto sem ter todos os links. E o vídeo de Nissim “deu frutos” até fora da internet – na época, a música era ouvida até em baladas. “Cada um desses novos ‘produtos’ foram, por sua vez, novamente replicados, copiados e alterados provocando um efeito em cadeia incontrolável”, diz o relato do juiz.

Dessa forma, o vídeo pode continuar no ar, sem a obrigatoriedade de remoção por parte do Google. A família de Nissim, no entanto, ainda pode entrar com recurso.

Com informações: O Globo