A cabine dos pilotos é, provavelmente, a parte do avião que mais atrai olhares curiosos. Mas, será que o cockpit conseguiria manter este fascínio todo se fosse composto apenas por equipamentos eletrônicos e não tivesse qualquer janela? Por mais bizarra que possa parecer, a ideia foi descrita recentemente em um pedido de patente feito pela Airbus.

Sem janelas, o cockpit poderia ser mais bem posicionado para não afetar tanto a aerodinâmica

Sem janelas, o cockpit poderia ser mais bem posicionado para não afetar tanto a aerodinâmica

A fabricante explica que, por razões aerodinâmicas, o ideal seria que a frente das aeronaves tivesse um formato que lembra uma lança ou um objeto relativamente pontiagudo. O problema é que a necessidade de uma cabine de pilotagem ali e de outros equipamentos, como o trem de pouso, exige uma estrutura frontal bastante complexa e com vários pontos de curvatura.

Não é apenas isso: as janelas frontais também exigem que a cabine tenha uma estrutura interna reforçada para suportar o peso dos vidros (ou de outros materiais transparentes usados com a mesma finalidade), assim como para se adequar a toda resistência que o recinto precisa ter.

Com a remoção das janelas, os pilotos conduziriam o avião exclusivamente por instrumentos eletrônicos. Telas ligadas a câmeras de alta definição ou mesmo projeções poderiam ser usadas para fornecer a eles as informações visuais necessárias ao voo. A Airbus fala até mesmo no uso de hologramas 3D que poderiam criar uma simulação da superfície que está sendo sobrevoada, por exemplo.

Sim, a patente também descreve a possibilidade de o cockpit ficar na região da cauda (!!!)

Sim, a patente também descreve a possibilidade de o cockpit ficar na região da cauda (!!!)

A vantagem destas ideias todas é que o cockpit poderia ser instalado em ponto diferente do avião, não necessariamente na parte da frente. Assim, seria possível projetar aeronaves com melhor aerodinâmica e com menos complexidade estrutural.

Outra possibilidade é o desenvolvimento de cabines mais compactas, onde o copiloto ocuparia um espaço um pouco mais atrás em relação ao piloto e não exatamente ao seu lado.

O copiloto ficaria um pouco atrás, mas ainda teria acesso à tela ou ao holograma

O copiloto ficaria um pouco mais atrás, mas ainda teria acesso à tela ou ao holograma

Se a proposta não te convence, não se preocupe: a gente não deverá voar em aviões sem janelas no cockpit nem tão cedo. Primeiro porque, se o projeto de aviões comerciais de grande porte nos padrões atuais leva anos e mais anos, imagine o tempo necessário para o desenvolvimento de um conceito tão disruptivo.

Segundo porque, bom, não custa relembrar que este é apenas o pedido de uma patente e, como você deve saber, nem toda ideia registrada é colocada em execução.

Sendo aproveitada ou não, o fato é que a patente dá uma pequena, mas fascinante ideia do que poderemos ter de tecnologia aeronáutica nas próximas décadas.

Com informações: Ars Technica

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Felipe Goulart Athayde
A Airbus é campeã em tecnologia aeronáutica mas esquece que o fator humano ainda é relevante. Os pilotos acabam se acostumando com tal fato e esquecem que ter a aeronave na mão ainda é o mais seguro.
André Simões
Pode ter certeza que é assim mesmo que serão os aviões no futuro. Todos tecnologia que lembre StarTrek sempre acaba virando realidade em algum momento. E se esse cockpit não é a descrição da ponte da Enterprise, eu sou vulcano!!
Ademar Abiko Jr.
entry plugs
Rafael Leite
Qualquer pane elétrica já era... Muitos acidentes aéreos já foram evitados sem ajuda de aparelhos, acho MUITO arriscado. Não dá pra confiar em instrumentos sempre.