Início » Arquivos » Ciência » Artista quer criar Árvore do Conhecimento – literalmente – usando maçãs e Wikipedia

Artista quer criar Árvore do Conhecimento – literalmente – usando maçãs e Wikipedia

Avatar Por

Um artista americano tem um projeto bem peculiar: Joe Davis, que tem 63 anos, pretende criar uma Árvore do Conhecimento inserindo pedaços da Wikipedia no DNA de maçãs.

O projeto ganhou nome científico: Malus ecclesia – Malus quer dizer “macieira”, “bem” e “mal” em latim (sim, tudo isso) e é o nome de gênero da maçã; Ecclesia é “igreja”, em homenagem a George Church, criador do laboratório de genética da escola de Medicina de Harvard, onde o trabalho está sendo feito.

Davis quer utilizar o tipo mais próximo possível da maçã do Jardim do Éden, ou seja, a mais antiga que conseguiu encontrar, de cerca de 400 anos. Existe um motivo: a Árvore do Conhecimento “original”, de nome completo Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal, foi a que deu o fruto proibido que Eva comeu quando cometeu o pecado original, de acordo com o Cristianismo.

Esse trecho bíblico foi pintado por Michelangelo no teto da Capela Sistina (Tecnoblog também é cultura)

Esse trecho bíblico foi pintado por Michelangelo no teto da Capela Sistina (Tecnoblog também é cultura)

Crenças à parte, apesar de utilizar conhecimento e técnicas científicas, o Malus ecclesia será mais uma instalação artística que qualquer coisa.

Davis já sabe o método para fazer sua árvore do conhecimento. Ele irá intercalar no código genético das maçãs as informações da Wikipedia, adaptadas para as quatro letras do DNA – A, C, T e G. Metaforicamente, seria como escrever com uma espécie de código nas entrelinhas, para que não haja alteração do material genético da maçã, de modo que o projeto seja biológica e ecologicamente viável. E haja entrelinhas: o DNA da maçã é equivalente a um livro de 750 milhões de caracteres.

Depois de ter o texto traduzido para o código criado, Davis irá inseri-lo no DNA das mudas da planta utilizando um tipo de bactéria criado especialmente para inserir seu próprio genoma em células desse tipo. Então, as pequenas árvores serão enxertadas em maiores para crescer normalmente, dando frutos que são idênticos a qualquer outra maçã, já que seu código genético “principal” não é alterado.

macieira

Para você que cresceu em apartamento, isso é uma macieira

O primeiro problema identificado por Davis é inserir os textos da Wikipedia em forma de código genético nas bactérias, já que elas não conseguem carregar mais que o equivalente a algumas milhares de palavras (a Wikipedia tem, na versão em inglês, 2,5 bilhões de palavras). No entanto, a intenção é criar um pequeno bosque de árvores de conhecimento, e, por serem enxertados, cada galho terá diferentes pedaços de artigos que, juntos, formam um todo.

As maçãs geradas pelas árvores do conhecimento também não poderão ser comidas: o Departamento de Agricultura dos EUA proíbe o consumo não-regulamentado de alimentos geneticamente modificados. O próprio artista não quis comentar se arriscaria dar uma mordida. E, em todo caso, não é como se você fosse comê-las e saber toda a Wikipedia após a digestão; infelizmente, ainda é preciso estudar da maneira tradicional para adquirir conhecimento.

Com informações: New Yorker

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Fabio Eduardo de Paula
Quanta porcaria que se lê hein? Essa foi a pior do dia....
RamonGonz
desperdicio de cerebro, tempo, dinheiro e tudo mais que se pode imaginar...
Gabriel Rezende Camargo
No dia que eu puder manipular DNA no meu tempo livre estarei ótimo.
Jorge Pedreira Pedreira
Deveria ampliar a pesquisa p.ativar a maior capacidade cerebral por esse meio.
Pedro Alves
Falta uma pia de louça pra essa gente lavar, viu.