No final da semana passada, a Nintendo se pronunciou novamente sobre a polêmica dos casais homossexuais em Tomodachi Life – ou melhor, sobre a polêmica da não-existência deles no jogo.

Da primeira vez que tocou no assunto, ainda na semana passada, a empresa disse que não pretendia “inserir comentários sociais” e que o jogo não representa o mundo real. Obviamente, não adiantou: não dá para escapar de uma discussão tão séria simplesmente porque não quer comentar e, convenhamos, a explicação dada pela empresa só causou ainda mais incredulidade.

Então, na sexta-feira, a Nintendo voltou a tocar no assunto, desta vez pedindo desculpas e dando uma justificativa técnica para o jogo só permitir casais entre personagens de sexos diferentes. Segundo a empresa, “não é possível mudar o design desse jogo e uma mudança tão significativa no desenvolvimento não pode ser atingida com um patch após o lançamento”.

"Your life", desde que sua vida não tenha um relacionamento com alguém do mesmo sexo.

“Your life”, desde que sua vida não tenha um relacionamento com alguém do mesmo sexo.

Tomodachi Life, apesar de não ter sido lançado por aqui ainda (está marcado para o dia 6 de junho seu lançamento na América do Norte), é sucesso no Japão desde o ano passado.

Embora a Nintendo não pretenda, pelo menos até agora, alterar o código antes do lançamento, garantiu que, caso Tomodachi Life se transforme em franquia, o tropeço será corrigido, com uma experiência “mais inclusiva” e que “represente melhor todos os jogadores”. Se algum dia for lançado um novo Tomodachi Life, veja bem.

Tomodachi Life é um jogo que utiliza o seu personagem no Miiverse, o serviço online da Nintendo, para se relacionar com outros. De maneira simplificada, lembra The Sims (mas o primeiro The Sims, lançado em 2000, já aceitava casais gays). Há todo tipo de interação, inclusive as amorosas, mas só entre personagens de sexos diferentes. A impossibilidade de criar casais gays criou uma campanha online chamada #Miiquality que conseguiu fazer a empresa perceber que errou, mas ainda não conseguiu fazer com que ela conserte o erro.

Com informações: Polygon

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Lucas
seu cu
André Santos de Medeiros
Se não houvesse a possibilidade de se criar um personagem negro ou asiático as pessoas gostariam? Se não houvesse a possibilidade de criar um personagem mulher as pessoas gostariam? A exigência se explica pela própria Nintendo: Se eles se predispõem a lançar um título que em tese REPRESENTA a vida de todos, como excluir uma parcela tão substancial deste monte? É assim que começa a marginalização!
Edmilson Junior
Aposto que se liberassem o código para a comunidade em menos de uma semana haveria um patch funcional e melhor que qualquer coisa produzida pela empresa.
Max Giudice
Casal de verdade é formado por um homem e uma mulher...parabéns para a Nintendo ! :)
Carlos Felix
Lukas Gasparotto Homem com homem e mulher com mulher tb sempre existiu, desde os tempos bíblicos, tanto é que em tempos difíceis Moisés citou eles proibindo suas práticas pra os obrigarem a ter relacionamentos hétero e ajudar a perpetuar a tão minguada população hebreia. O problema é pegar essa mentalidade antiga e obrigar as pessoas de hoje que sabem que homossexualidade não causa mal algum a seguir essas leis e mentalidades arcaicas. Se fosse assim tu não podia fazer a barba pra te ajudar a se proteger do deserto ou se circuncidar pra evitar pegar doenças venéreas e bactérias mesmo tu morando numa cidade e usando camisinha e sabonete.
Matthews Barbosa
Que discurso interessante esses que defendem que deveria ter casais gays no jogo... A falta dessa 'oportunidade' é intolerável, mas a EXIGÊNCIA que haja, em um JOGO, uma cópia real dos relacionamentos HUMANOS (e não virtuais, como é o caso) não é considerada uma imposição, isso não é passar por cima das preferencias de quem desenvolveu o jogo... É um jogo, eles são os desenvolvedores, se eles quisessem por relacionamentos entre avatares de gente e animais eles poderiam é o jogo deles e as malditas regras são deles oras... O jogo não faz campanha contra, como querem pregar, ele simplesmente também não apoia ora porra... É obrigado agora?
Eric Gornicki
O tal Lukas demonstra ser um completo ignorante, limitando uma relação homossexual a "dar o brioco". As relações que tu tens se resumem em sexo? A relação que sua mãe teve com seu pai se resumia a sexo? Não! Uma relação gay não se resume nisso! E vai ter gente reclamando sim, sendo isso "só um jogo" ou algo mais sério, até que haja inclusão e polêmicas como essa não precisem mais ser levantadas em torno de orientação sexual, seja ela real ou virtual!
Captain_Ruddy
Não seria mais fácil fazer boicote e, desta forma tentar fazer de maneira que financeiramente a empresa mudasse de ideia? Fora que ainda tem a questão de que, culturalmente, o japonês não aceita homossexualismo, seja entre homens ou mulheres.
Juan Lourenço
Posso não estar sabendo de nada, inocente, mas já vi patches maiores que o jogo, então dizer que não dá pra mudar numa atualização parece estranho, até porque, apesar de trabalhosa, não parece algo que geraria um patch tão gigantesco.
Daniel Seretchuck
nossa quanto alvoroço por algo tão banal... eh apenas um jogo! quem fez o jogo tem o direito de decidir o que tem e o que não tem nele. se eles nao querem mudar o jogo, eles não são obrigados a mudar algo, só pq um ou outro que dá o brioco quer... quem não gosta, joga outra coisa. eh simples ou complicado de entender??? eh mimimi demais por algo tão idiota em um jogo virtual acorda pra vida real e de valores as coisas dela, porra!
Lukas Gasparotto
Bom, tbm não sei pq estou discutindo. O idiota aqui está sendo eu mesmo.
Lukas Gasparotto
Adriano Trenahi Eu, Maria vai com as outras? A normalidade sempre existiu, homem e mulher. Quem pensa com a cabeça dos outros aqui não sou eu.
Adriano Trenahi
Lukas Gasparotto amigo, sua resposta é tão sem sentindo que você mesmo se contradiz quando fala de respeito mas diz que as pessoas brincam com o brioco e manda as pessoas irem cagar. Faz o seguinte, não perde tempo falando merda, usa esse tempo pra fazer algo util pra sua vida. Quer um conselho? Vai estudar em vez de ficar repetindo discurso sem sentido que você ouve por ai e deixe de ser uma maria vai com as outras. No futuro você poderá discutir com bons argumentos e sem faltar ao respeito com o próximo. Abraço!
Wesley Lopes de Oliveira
Concordo com vc, cara. Daqui a pouco vão falar pra alterar os jogos antigos colocando o "3º sexo" como escolha também! Não precisa ir longe demais com essas coisas... pelo amor de Deus, né... tudo é politicamente incorreto agora... dá licença. Funciona assim: se o game designer quiser, ele coloca no jogo.... ou não! Simples assim. E se o Tomodachi não tem o que vcs querem, vão jogar o "the sims" então, que estão dizendo que tem. E eu não digo isso só me voltando aos direitos homossexuais, mas em relação a qualquer coisa que tenha no jogo, como gráficos, gameplay ou recursos! Tem coisa mais importante na vida do que ficar se preocupando com "joguinho". Eu quero isso! Eu quero aquilo! É um chororô dos infernos... na minha época a gente só ligava o console ou o PC, chamava o vizinho ou o amigo e passava a tarde inteira se divertindo e descompromissados com essas questões mundanas. Não quero nem saber de um loirinho dando soco na cara de um negro na abertura do Street Fighter II ou da forma estereotipada do Ash do Streets of Rage 3, eu quero é diversão!
Daniel Neves
Certamente pode existir uma continuação pois a versão de DS vendeu de forma exorbitante, de 3DS está vendendo bem demais. Darei um voto de confiança e acreditar que numa próxima versão possa existir este tipo de interação que é básica.
Exibir mais comentários