Início » Arquivos » Antivírus e Segurança » Google reembolsa usuários que compraram antivírus falso para Android na Play Store

Google reembolsa usuários que compraram antivírus falso para Android na Play Store

Por

Era uma vez um aplicativo para Android chamado Virus Shield. Custando quase 10 reais, ele prometia bloquear a instalação de malwares e monitorar os dados do smartphone para proteger suas informações pessoais. Com uma interface simples e agradável, fez o maior sucesso, alcançando rapidamente 30 mil downloads e uma avaliação de 4,7 estrelas de 2 mil usuários felizes e satisfeitos na Play Store. Seria uma pena se o Virus Shield fosse uma farsa, né?

O Virus Shield não possuía nem sequer uma linha de código para funcionar como um antivírus, segundo o Android Police. Tudo o que ele fazia era trocar um ícone para dar ao usuário uma falsa sensação de segurança. O aplicativo foi removido da Play Store logo após a descoberta da farsa. Felizmente, quem gastou dinheiro não ficou no prejuízo (muito pelo contrário!): neste fim de semana, o Google enviou um email aos usuários oferecendo o reembolso.

Toque na tela e... você está protegido!

Toque na tela e… você está protegido!

No email, o Google diz que as políticas do Google Play proíbem falsas alegações como a do Virus Shield, que prometia proteção com um clique e não cumpria. Os 3,99 dólares gastos com o aplicativo serão devolvidos aos compradores nos próximos 14 dias. O Google ofereceu ainda um código promocional para que eles possam resgatar 5 dólares; o dinheiro pode ser usado para comprar aplicativos (legítimos, de preferência), livros, músicas e filmes.

Foi uma boa maneira de se desculpar com os usuários. É verdade, deve ser difícil detectar aplicativos falsos como este, que não cumprem o que prometem, mas também não são danosos ao aparelho. No entanto, no final das contas, o responsável por analisar e aprovar os aplicativos antes de eles irem para a Play Store é o próprio Google.

A conta dos desenvolvedores do Virus Shield foi suspensa, mas Jesse Carter, um dos responsáveis, afirma ao The Guardian que tudo não passou de um mal entendido: uma versão não finalizada teria sido publicada por engano na Play Store e ele mesmo teria retirado o aplicativo do ar assim que descobriu o problema; uma nova versão totalmente funcional seria enviada logo depois. Então tá.