Após anunciar o modelo super inovador de seu controle, a empresa de Gabe Newell voltou uns passos para trás e resolveu aproximar o joystick do que já temos no mercado. Se antes o Steam Controller possuía apenas dois touchpads frontais e uma touchscreen central, algumas alavancas e nada muito dentro do comum, a redefinição do design divulgada pela Valve na semana passada agora conversa com os tradicionais controles, adicionando um pad direcional e outro de botões ABXY, como no conhecido gamepad do Xbox.

Ambos os campos direcionais sensíveis ao toque, que, de acordo com a companhia, competem com a precisão de um mouse, foram mantidos no layout do controle, que não ganhou nenhum tipo de alavanca analógica, fugindo da tendência dos outros joysticks. Ademais, agora também faz parte do layout um botão com o logo do Steam, que brilha quando o controle está ligado, ladeado por dois botões, de play/stop.

controller2

O periférico, desenhado especialmente para os jogadores de FPS, que necessitam de uma precisão maior do que a encontrada atualmente com os botões analógicos, teve removida sua touchscreen, que o deixaria na moda do Wii U, do PlayStation Vita e outros semelhantes. Agora, se encontra um visual mais parecido com o do controle da Microsoft.

“Nós estamos animados para obter um feedback de nossos usuários, sobre as últimas mudanças”, diz a Valve, que fez essas mudanças com base nos primeiros feedbacks sobre o controle. Os tais protótipos devem estar disponíveis para teste durante a Game Developers Conference, a GDC, que acontece em São Francisco, a partir de hoje.

Ainda não há previsão para o lançamento oficial dos Steam Controllers, mas especula-se que ele seja lançado junto das outras duas novidades da Valve, o SteamOS e as Steam Machines. Estas últimas, que são computadores customizáveis fabricados de acordo com a necessidade do jogador, deverão chegar ao mercado na segunda metade de 2014. A Valve já anunciou parcerias, preços e especificações de hardware de empresas como Alienware, Alternate, CyberPowerPC, DigitalStorm, Falcon Northwest, Gigabyte, iBuyPower, Material.net, Next Spa, Origin, Scan, Webhallen e Zotac, cada qual com seu modelo próprio de máquina, custando a partir de US$ 500.

Já o SteamOS, sistema operacional baseado em GNU/Linux que a companhia vem preparando, foi anunciado como complemento das Steam Machines e é livre para ser utilizado em qualquer tipo de hardware. Pensando nos usuários da plataforma, o sistema foi desenvolvido num ambiente amigável para jogos – alguns detalhes de funcionalidades já foram anunciados pela Valve, como o Steam Music, um serviço que facilita a reprodução de áudio durante as partidas.