Início / Arquivos / Jogos /

Produção de consoles no Brasil dobra em 2013 e atrai foco da indústria de jogos para o país

Renata Persicheto

Por

Notícia
Achados do TB Achados do TB

As melhores ofertas,
sem rabo preso 💰

Em 2013, a Sony iniciou a fabricação do PlayStation 3 em território nacional, juntando-se ao rol de produtores de consoles no Brasil, ao qual já pertencia a Microsoft, com o Xbox 360. Essa última, ao anunciar o Xbox One, divulgou que o novo videogame também seria fabricado em solo nacional. Com isso, a expansão da indústria de consoles por aqui conseguiu ultrapassar a produção de outros mercados consolidados, como o de câmeras digitais, computadores e brinquedos.

Os dados são da Superintendência da Zona Franca de Manaus, a Suframa. O Polo amazonense, onde se concentra a maioria das indústrias de eletrônicos do país, teve um aumento considerável no que tange os videogames – de acordo com a planilha da Superintendência, o número de consoles fabricados no Brasil em 2013 cresceu cerca de 92,92% em relação à mesma época de 2012 (de 2011 para 2012, o crescimento foi de 43%, segundo a GfK).

PlayStation 3 e Xbox One, dois dos consoles fabricados no Brasil

PlayStation 3 e Xbox One, dois dos consoles fabricados no Brasil

No total, 1,4 milhões de consoles foram produzidos no ano passado, sendo 1% vendido na região do próprio Polo, enquanto os outros 99% foram consumidos totalmente no Brasil. A receita gerada pela produção nacional girou em torno dos US$ 360 milhões, aproximadamente R$ 900 milhões, na cotação atual. A planilha com todos os números pode ser conferida aqui.

Num dilema de Tostines, o mercado brasileiro vai na contramão do mundo: enquanto a venda de consoles cai por todos os lados (de acordo com o GfK, o mercado espanhol sofreu uma queda de 30%, e o britânico, 40%, em 2012), a indústria de consoles brasileiros vai de vento em popa. Em 2011, a Microsoft cortou o preço do Xbox 360 de 4 GB quase pela metade, baixando de R$ 1,4 mil para R$ 800.

O dilema, no entanto, é se a Microsoft passou a produzir localmente porque vendeu mais, ou se vendeu mais por causa das produções locais. De qualquer forma, o sucesso foi tanto que a empresa de Bill Gates investiu forte para que o Xbox One fosse montado por aqui desde seu lançamento, em novembro passado – hoje, o console é produzido e vendido no Brasil por R$ 2,3 mil. Seu rival, o PlayStation 4, vendido por R$ 4 mil, só chega ao consumidor brasileiro por meio de importação, bem como o Wii U, da Nintendo, comercializado por R$ 1,9 mil.

Não há dúvidas de que a produção local tenha fomentado a indústria de jogos brasileira como um todo, tornando o país um verdadeiro chamariz para novas empreitadas e fazendo com que mais publicadoras prestem atenção nas tendências do consumidor brasileiro, reduzindo os preços e inserindo novos jogos em seu catálogo. Além da queda de preço, vários títulos passaram a ser localizados para o Brasil, ganhando menus, legendas, áudios e detalhes condizentes com nosso idioma. Seguindo o fluxo, a Sony também lançou a PlayStation Network brasileira, que aceita cartões nacionais para pagamento; além disso, o foco das grandes produtoras em desenvolvedores independentes brazucas veio com força total.