Desde que o Kindle chegou ao Brasil, em dezembro de 2012, a venda era feita apenas através de lojas como o Ponto Frio e a Livraria da Vila. Não mais: na manhã desta sexta-feira (7), a Amazon começou a vender três modelos do leitor de ebooks em seu próprio site, enviando o produto diretamente ao consumidor. Isso também marca o início da venda de produtos físicos pela Amazon brasileira, que até então só distribuía ebooks e aplicativos.

Os preços são os mesmos praticados pelas outras lojas brasileiras: o Kindle mais simples custa R$ 299, o novo Kindle Paperwhite é vendido por R$ 479 e o Kindle Paperwhite de primeira geração com 3G gratuito sai por R$ 699. A Amazon também começou a vender acessórios, com adaptador de tomada por R$ 79 (ouch!) e capa de couro para o Kindle Paperwhite por R$ 169.

Amazon já aprendeu a vender em 12 suaves prestações sem juros para os brasileiros

Amazon já aprendeu a vender em 12 suaves prestações sem juros para os brasileiros

Assim como acontece na loja norte-americana, caso o usuário compre o Kindle diretamente na Amazon brasileira, o aparelho virá pré-registrado com a conta do usuário. Então, assim que você ligar o Kindle pela primeira vez, terá acesso ao conteúdo comprado anteriormente e poderá adquirir novos livros imediatamente. Nos EUA, a Amazon faz isso não apenas com os leitores, mas também com os tablets Kindle Fire.

Com o início da venda do Kindle, a Amazon brasileira também ganhou recursos típicos de lojas virtuais, como a possibilidade de adicionar um produto a uma lista de desejos, que pode ser pública ou privada. Também dá para enviar um produto como presente: no caso do Kindle, caso a opção seja marcada, o aparelho virá em uma caixa sem a marca da Amazon e sem a conta pré-registrada.

Como quase toda grande empresa, a Amazon não comenta planos futuros e não informou quando (ou se) pretende vender outros produtos físicos no país. Mas dá para dizer que preparar o site brasileiro e firmar parcerias com outras empresas de logística para armazenar e enviar o Kindle para todo o Brasil já é um bom primeiro passo.

Com informações: Reuters.