Já faz tantos meses que a AMD começou a divulgar a linha Kaveri – codinome para a sua quarta geração de APUs – que causaria estranheza se a empresa não confirmasse a novidade durante a CES 2014, tal como previsto. No evento, a companhia revelou que os primeiros dos novos chips chegarão ao mercado a partir do dia 14 de janeiro. Não era sem tempo!

Considerando os seus recursos, as APUs Kaveri têm tudo para serem bem recebidas. Entre as suas características estão fabricação com tecnologia de 28 nanômetros, uso do socket FM2+, GPU Radeon R7 (Radeon R5 nos modelos mais econômicos), núcleos Steamroller e suporte ao padrão PCIe 3.0.

kaveri

Também merece menção a inclusão da tecnologia hUMA (heterogeneous Uniform Memory Access) que, basicamente, unifica o acesso à RAM tanto pela CPU quanto pela GPU. Assim, toda a memória fica disponível para ambos, não havendo partes dedicadas exclusivamente a cada componente. De acordo com a AMD, esta técnica melhora o consumo de energia e otimiza o desempenho da APU.

O mérito da performance é compartilhado com a HSA (Heterogeneous System Architecture), uma arquitetura com a qual a tecnologia hUMA se associa. Com ela, uma tarefa não precisa ser otimizada para rodar com a CPU ou com a GPU; a própria arquitetura se encarrega de definir qual componente é mais apropriado para determinada atividade. Segundo a AMD, os chips Kaveri são os primeiros totalmente compatíveis com a tecnologia.

A nova geração de APUs deverá ser composta por, pelo menos, seis modelos. O primeiro e mais sofisticado deles é o A10-7850K, um quad-core de 3,7 GHz (4 GHz em modo Turbo), cache L2 de 4 MB, GPU R7 de 720 MHz (com arquitetura Graphics Core Next), 512 stream processors e TDP de 95 W. O segundo deverá ser o chip A10-7700K, que difere do primeiro pela frequência de 3,4 GHz (3,8 GHz no Turbo) e pelos seus 384 stream processors.

Primeiros Kaveri

Estes chips chegarão ao mercado a partir de 14 de janeiro deste ano, como já informado, quando conheceremos seus preços e, possivelmente, teremos uma noção mais clara de quando os demais modelos serão lançados.

De modo geral, parece haver uma certa parcimônia em torno destes lançamentos, mas há um motivo para isso: mais do que as expectativas de vendas, a AMD sabe que a linha Kaveri é importante para mostrar que a companhia está “viva” e, sendo esta a primeira grande atualização de arquitetura desde os processadores Bulldozer, que ainda é capaz de inovar. A gente espera que sim.

Com informações: ExtremeTech, Tom’s Hardware

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Carlos Alex
Eloizio Henrique Medeiros Dantas eu tava ligado mas valeu assim mesmo. Só que pelos reviews que vi até agora acho que não vale a pena não. Vou esperar o resultado de outros reviews já que geralmente os que saem primeiro são meio tendenciosos.
Eloizio Henrique Medeiros Dantas
Pode vender Processador + Placa mãe + Memoria (dependendo pode ficar)... Socket é o FM2+
Alberto Prado
Carlos Alex Olha, eu não fiquei sabendo dessa história não. Mas sinceramente, não duvido nada. Vou dar uma olhada nisso, fiquei curioso agora, hehehe. O máximo que vi, foi que a Intel pagava para as devs usarem o seu compilador ao invés dos da concorrência. Lembro na época dos K6 e K6-2 que raríssimas devs usaram as instruções MMX que era voltada pra multimídia. E quando era usada, o soft dava um bom banho em desempenho em relação ao "padrão" do mercado. Triste esse tipo de atitude, mas esse é o american way, né.
Carlos Alex
Outra coisa que esqueci de comentar, você falou antes sobre o compilador "for intel", você lembra daquela história que ele "desotimizava" a execução em maquinas não intel, fazendo com que a aplicação fique mais lenta? A justiça americana até obrigou eles a retirarem essa palhaçada, mas dizem que muitos programas disponíveis no mercado continuam sendo compilado com essa versão sem honra. Tem até uma ferramenta na web que ainda não tive coragem de testar que vasculha seus executáveis e remove esses atrasos fazendo com que elas fiquem absurdamente mais rápidas. Por acaso já tentou isso ou conhece alguem que tentou?
Carlos Alex
Alberto Prado se for dessa forma mesmo vai ser interessante. Fiquei em dúvida porque fico pensando na dificuldade que deve ser analisar por exemplo o conjunto de instruções x86 e mapear para as instruções OpenCL da GPU, sem que esse overhead acabe atrasando a execução. Esperando ancioso pelos reviews.
Alberto Prado
Carlos Alex Olha, acredito que as normais também se beneficiarão. Pensando mais pelo lado lógico, seria um bocado de dinheiro investido nessa nossa arquitetura pra um mercado que não é tão amplo. Acho que quando o processador for executar o microcódigo do exe, ele deve analisar se seria melhor executar na GPU (um exemplo corriqueiro: uma aplicação de pregão integrado com almoxarifado em que tenha calcular preço, desconto, ganhos) seria mais rápido. Quando eu desenvolvia esse tipo de software o processador levava um certo tempo pra fazer isso, relatórios em excel tb, esses poderia levar até 10 min de tanta fóruma que tinha, com uma GPU deve ser instantâneo.
Carlos Alex
Droga. Vou ter que vender meu Trinity.
Carlos Alex
Cara, eu tb. Nada contra os produtos da Intel, mas é que geralmente AMD me atende melhor.
Carlos Alex
Verdade, mas fiquei em dúvida se esse "uma tarefa não precisa ser otimizada para rodar com a CPU ou com a GPU; a própria arquitetura se encarrega de definir qual componente é mais apropriado para determinada atividade.". Significa que aplicações "normais" vão se beneficiar do hUMA tambem? Ou somentes as que usam OpenCL? Ou outra coisa?
Yuri Costa
Tipo a intel, mantem ainda compatibilidade com algumas instruções de processadores de décadas atrás pra não perder legacy.
Marcus Lahoz
muito bom. uso amd a anos e só tenho a falar bem deles.
Alberto Prado
O que eu achei mais interessante foi isso: "O mérito da performance é compartilhado com a HSA (Heterogeneous System Architecture), uma arquitetura com a qual a tecnologia hUMA se associa. Com ela, uma tarefa não precisa ser otimizada para rodar com a CPU ou com a GPU; a própria arquitetura se encarrega de definir qual componente é mais apropriado para determinada atividade." Por que, por mais que a AMD desenvolva recursos bons a maioria dos desenvolvedores não os utiliza. Preferem usar um compilador for Intel e deixa o código sem otimização para os processadores AMD. Por isso que eu acho que ela tem sempre que pega o caminha mais difícil e fazer isso automaticamente, via hardware. Torço para que seja mesmo um sucesso.