Início » Arquivos » Brasil » Tribunal de Justiça proíbe Tubby, aquele app para avaliar o desempenho sexual das mulheres no seu Facebook

Tribunal de Justiça proíbe Tubby, aquele app para avaliar o desempenho sexual das mulheres no seu Facebook

Avatar Por

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais proibiu a publicação do aplicativo Tubby em todo o Brasil. A decisão liminar foi proferida na tarde desta quarta-feira, depois que grupos de defesa dos direitos das mulheres entraram com o pedido de proibição baseando-se na Lei Maria da Penha. O juiz responsável pela decisão, Rinaldo Kennedy Silva, explicou nos autos que a tese exposta – de que o aplicativo promove a violência contra a mulher – possui “plausibilidade jurídica”.

Tubby permitiria avaliar desempenho sexual das mulheres no seu Facebook

Tubby permitiria avaliar desempenho sexual das mulheres no seu Facebook

A notícia chega no mesmo dia em que o aplicativo, uma espécie de resposta ao Lulu, deveria chegar às lojas de apps. Entretanto, os criadores dele adiaram o lançamento para a próxima sexta-feira.

Já diz o velho ditado: decisão judicial não se discute, mas se respeita. Os criadores do aplicativo terão que ir à Justiça para ter garantido o direito de lançá-lo.

A proibição da 15ª Vara Criminal de Belo Horizonte – especializada em proteger os direitos da mulher – é bem abrangente. Ela vale para os rapazes que inventaram o Tubby e também para o Facebook, o Google e a Apple. Na prática, quer dizer que o Facebook não poderá permitir o uso do login dos usuários para acessar o aplicativo e as demais empresas não poderão disponibilizá-lo na Play Store e na App Store.

Pois é, a situação complicou de vez.

O juiz ainda reconheceu nos autos o receio de que possíveis danos para as mulheres seriam difíceis de reparar depois:

“Há também fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação, uma vez que depois de ofendida a honra de uma mulher por intermédio do mencionado aplicativo, não haverá como repará-la.”

Nós ainda não sabemos como os criadores do Tubby pretendem reagir. Pelo menos um bom argumento eles poderiam usar logo de cara: a liberdade de expressão. Veja bem, não estou me posicionando a favor nem contra o app, mas é fato que a proibição do uso do serviço antes mesmo de ele ir ao ar poderia tranquilamente entrar na discussão sobre censura. Deixemos para os advogados e a Justiça discutirem o caso.

Corrida contra o tempo

Logo que apareceu a notícia de que o Tubby seria lançado, as mulheres correram ao site oficial para pedir a remoção de seus nomes da listagem de moças do aplicativo. Dessa forma, os usuários ficariam impossibilitados de atribuir notas e etiquetas para o desempenho sexual das moças. Para tanto, elas precisavam primeiro autorizar o acesso do aplicativo às informações no Facebook. Até agora persiste a dúvida se o Tubby poderia usar os dados dessas moças para outros fins diferentes daqueles divulgados pelo aplicativo.

Lulu no Ministério Público

O Tubby é uma “resposta masculina”, praticamente uma vingança dos homens, ao aplicativo Lulu. Basicamente, ele permite às mulheres também atribuir notas para os amigos do sexo masculino no Facebook. O app causou polêmica porque muitas pessoas se sentiram invadidas em sua privacidade, com informações particulares divulgadas por meio da maior rede social da atualidade.

O Ministério Público até abriu um inquérito para investigar possíveis violações à honra e à privacidade no Lulu. De certa forma, o Tubby tem o mesmo propósito, então não duvide se o MP decidir investigar também a versão masculina da coisa.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Mônica Vieira
HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA QUE PIADA. Obrigada pela gargalhada! Btw, o choro é livre.
michel_cod
Na hora de falar mal de homens,aparece "uns par" de mulherada recalcada,mas na hora de "ser julgada" aí complica...Na hora de fazer o maior sexo oral para o namorado aí esse papo desaparece. ROMÁRIO: "FEMINISTA ATÉ CASAR" explicitou tudo... tenham um excelente dia,hipócritas...
Rubens Junior
Tecnoblog vocês foram trollados !!! http://www.youtube.com/watch?v=DDbNnwRLqhA#t=31
Rafael Esteban Garcete
Tubby é falso! os homens tão ficando inteligentes, mostraram como as feminazistas chegam com paus, pedras e cacos de vidro se dizendo VITIMAS sem ao menos verificar a validade das coisas, a proposta do Tubby ser a versão masculina do LULU aterrorizou-as, isso ja diz muito do tipo de pessoa que usa o LULU
Rafael Esteban Garcete
como é dificil e ao mesmo tempo gratificante ver uma pessoa de opinião não bitolada
Marcos Elias
PAÍS LIXO!
Gabriel Guimarães Paranhos
Marina Carneiro não me perdi em sinônimo algum, volto a dizer pela milésima vez, classifiquei no meu post "vagabunda" a mulher que faz o que faz, julga os homens num aplicativo, acha tudo muito lindo e muito engraçado e não aceita resposta por medo de "denegrir imagem", filha, e nesse caso citado, uma característica não difere a outra, é hipócrita também, e outra coisa não uso tubby, nunca me importei com minha classificação no lulu, to cagando pra isso, nem sei as "#" usadas no tubby exatamente por estar nem aí pra isso, só vim a comentar nesse post um comentário de uma mulher realista e não Lorena Brandz, eu não acho que a Raiiza seja vergonha pelo modo de pensar dela, por que assim como eu, ela obviamente jamais vai aceitar uma agressão à mulher, nem física nem moral de maneira abusiva, só que me responda você, por que na real, isso é uma tremenda contradição, enchem o peito pra dizer que querem direitos iguais, quando lhe convém mas não aceitam um direito de resposta quando difere com os seus ideais? Poupe-me, vergonha não é o comentário dela, vergonha é chegar em um post como esse, vir de falso moralismo e depois chegar no mesmo aplicativo e fazer e acontecer, depois dessa, não aguento mais nem ler essa babaquice, entendam como quiser o que eu disse, e tentem criar mais mil coisas que eu falei como essa tal de Marina Carneiro, que toda hora vem com uma interpretação diferente e errônea, para querer distorcer o que eu disse, peço até desculpas se ofendi alguma mulher que não merece ouvir isso, mas de resto, para esse tipo que citei no post, não retiro nem um vírgula do que falei.
Vagner Alexandre Abreu
Lucas Pereira cê tem muito que aprender, cara, antes de comentar assuntos assim e vir ofendendo tudo e todos. Quer aprender a comentar? Uma dica: pesquise por "comunicação não violenta".
Dime Costa
Lucas Pereira Feminazi? Quer dizer que lutar contra algo que vai contra a lei é ser nazista? Nossa lei impede que anônimos exerçam a liberdade de expressão pra degradar outras pessoas, as feministas só usaram a nossa lei pra impedir que esse aplicativo absurdo e ofensivo seja publicado. Defender esse aplicativo é que é ser nazista, ter o direito de espalhar informações mentirosas anonimamente pra "se dar bem" sobre uma classe social, do mesmo jeito que o partido nazista fez com os judeus.
Vagner Alexandre Abreu
Lorena Brandz acho que a reclamação da Raiiza se deve a falta de equidade, e também do fato de que "não deve se usar fogo para apagar fogo". Estava hoje escutando na Band News FM algumas matérias sobre justamente o comportamento de bullying feminino, na qual diz que as ofensas femininas são mais sutis e indiretas, mas não menos agressivos do que os masculinos. Claro que há uma diferença entre discriminar um cara sutilmente e discriminar uma mulher escancaradamente. Mas em ambos os casos há uma discriminação, esse é o ponto. Não se desmerece a luta pelo respeito as mulheres, a crítica aqui é: não é porque mulher já sofreu tanto que homem hoje merece sofrer bullying similar. Se quer ter o direito de ofender, deveria ter o dever de receber ofensas, esse é o ponto. A crítica maior é o porque do Lulu só agora ganhar uma visibilidade maior e ser proíbido ou analisado, e o Tubby ganhar censura prévia. No caso do Lulu, se diz que é devido às críticas anônimas e ao recolhimento de dados sem consentimento. No caso do Tubby, aplicou-se a "Lei Maria da Penha" junto ao pacote. Se caminhamos para uma igualdade de ações sociais para ambos os sexos e gêneros, as leis também tem que prever punições para quem ofende QUALQUER sexo/genero, não só aqueles mais comuns de receberem ofensa ou serem abusados.
Vagner Alexandre Abreu
Diogo Ramos Gutierre o ponto é que na matéria, diz-se que o Tubby foi pré-censurado devido à Lei Maria da Penha. Ou seja, foi aplicada uma lei de discriminação ao invés de uma lei sobre anonimato e ofensa comum. O problema e a reclamação é isso.
Lucas Pereira
Lorena Brandz ,pode ser ,eu fui infeliz no comentario,te peço desculpa e as outras mulheres ,n foi minha intençao.ahh eu tenho 17 anos.
Lorena Brandz
Lucas Pereira vc disse que se da mais ouvidos para putas do que para a populacao. Pois oram muheres, mae de filhos como vc que trabalham dia e noite que pediram pelo cancelamento do app. E sim, sua mae transa, transou e gostou... foi so isso que disse. Ou vc veio de presente por uma cegonha? AliAS, quantos anos vc tem? Uns 12, 13? Vai brincar menino... para de falar coisas que nao entende. De acordo com os homens mulheres sao putas. Nessa categoria u mee enquandro, juntamente com sua mae, sua avó, suas tias, sua vizinha e todas as outras mulheres do mundo!
Mathews Motta
O Tubby ngm conhece, o lulu fica 24/7 no Globo.com não vai ser proíbido até não dar mais ibope. Não é questão de justiça, é questão do que é vantajoso para "eles", e este sim chamam de "justiça"
Lucas Pereira
Dime Costa as feminazis
Exibir mais comentários