Início » Arquivos » Jogos » Drawfender: proteja com desenhos um ricaço filantropo

Drawfender: proteja com desenhos um ricaço filantropo

Spoiler: não é o Tony Stark (até porque ele não precisaria de ajuda)

Avatar Por

Em uma sexta-feira, nada melhor do que salvar a vida de pessoas do bem, não é? E Drawfender não é o jogo mais longo do universo, então mesmo que você esteja cheio de trabalho, consegue tirar uns 20 minutos para salvar uma vida.

Uma organização de malfeitores decidiu por fim à carreira de caridade de um ricão famoso e enviou assassinos de aluguel bem pagos e mal treinados para fazer o serviço. Cabe a você encontrar maneiras de prevenir que isso aconteça.

Se você me perguntar, vou responder que não confio muito na cara desse milionário benfeitor, mas não tenho provas contra ele, então faremos o possível para salvá-lo. Para fazer isso, basta desenhar formas geométricas no espaço indicado e garantir que ele não seja atingido pela bola do canhão ou pela sua forma geométrica.

[swfobj src=”https://files.tecnoblog.net/wp-content/uploads/2013/11/drawfender.swf” width=”620″ height=”600″]

Sim, sua forma geométrica pode matá-lo. A verdade é que as vezes suas formas são muito mais perigosas do que os próprios assassinos; dependendo do seu desempenho, talvez devesse até procurar o chefe da organização do mal e pedir um emprego novo. O objetivo é proteger nosso amigo filantropo enquanto ele viaja pelo mundo salvando crianças, construindo escolas, hospitais e todo tipo de caridade.

São vários países, com várias fases e desafios diferentes e cada vez mais complicados de se resolver. Basta confiar no instinto, tentar prever como a física funcionará e a missão de paz do filantropo será bem sucedida. Ou não?

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Juan Macial
A coluna tá perdendo os fãs ou é impressão minha, com menos comentários. Não entendo porque... afinal continua boa como sempre;
João Antunes
As fases com laser começam a dificultar mas deu pra zerar xD
Ivan Martins
Caramba, Não é que o joguinho é legal mesmo