27c31a92e87d5393da912ddf969e20f6_large

RPGs japoneses nunca são demais, o que você pode constatar com os mais de 20 Final Fantasy já lançados no mundo. E se já é difícil lançar um RPG completamente ruim, como duvidar do sucesso de um título que envolva nomes de peso como Kiyoshi Arai e Nobuo Uematsu, ambos membros da mais famosa série da Square Enix?

O Project Phoenix, jogo de estratégia em combate real baseado em equipes que combatem em turnos, teve sua campanha lançada no último dia 12 de agosto (também conhecido como ontem), e pedia US$ 100 mil para virar realidade. Em menos de nove horas, o objetivo foi atingido. Até o presente momento, sua página no Kickstarter já arrecadou US$ 257 mil, contando com 4 mil colaboradores.

O cérebro por trás do projeto é a Creative Intelligence Arts, empresa de Tóquio que reúne mais veteranos dos videogames além dos já conhecidos, como Hiroaki Yura, que trabalhou na trilha de Diablo III e John Kurlander, engenheiro de som de StarCraft II: Heart of the Swarm e Star Wars: The Old Republic.

Segundo a descrição no Kickstarter, Project Phoenix se passará em Azuregard, uma terra fantástica onde um grupo incomum de heróis deverá se unir numa aventura em busca de respostas, capturando fragmentos da memória de um anjo com amnésia, de uma maneira bem japonesa. A equipe de produção promete ainda um gameplay intuitivo, dinâmico e fluido, focado em três elementos: desenvolvimento da personagem, exploração e combate – estes, em tipos de solos diferentes, que facilitarão ou dificultarão a batalha para cada herói da equipe, dependendo de suas habilidades, fraquezas e armas.

O jogo será lançado em 2015 para PC. Versões para iOS e Android também estão previstas e até mesmo o PlayStation 4 e o PlayStation Vita devem ganhar suas própria edições. As recompensas para os apoiadores do projeto vão de cópias do jogo autografadas pelos membros da equipe (e esta é sua chance de conseguir uma assinatura de Nobuo Uematsu por módicos US$ 400) a jantares com os produtores e passe livre em todos os eventos que envolverem o jogo (estes, já por não tão módicos US$ 10 mil).

Você ainda tem mais um mês pela frente para pensar com carinho, avaliar quanto vale seu amor pelos JRPGs e doar suas moedas verdes para o projeto, que fica no ar até 11 de setembro.

Por que é legal? É um JRPG indie com toda uma temática medieval e mágica, que envolve membros do alto escalão dos JRPGs.

Por que é inovador? Forçando um pouco a barra, não temos por aí muitos RPGs em que anjos têm amnésia, né?

Por que é vanguarda? Porque é a indústria já estabelecida explorando o mundo dos indies.

Vale o investimento? Claroporquenão? Além de ser um projeto muito legal com gente muito legal, você pode conseguir um autógrafo de Nobuo Uematsu. <3

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Jefferson Monteiro
http://en.wikipedia.org/wiki/Japanese_role-playing_game
Bruno Cabral
Só esqueceram de dizer que está previsto uma versão para Linux, não só para PC.
Marcoscs
desculpem a ignorância, mas qual a diferença de um RPG convencional para um JRPG, além da questão geográfica, claro?
Pierre Henrique Lehnen
" Forçando um pouco a barra, não temos por aí muitos RPGs em que anjos têm amnésia, né?" Dragon Quest 9. Não exatamente amnésia, mas algo parecido.
Andrey Gobbo
Que eu saiba, Diablo 3 é o único que tem algo disso... E ainda assim, é apenas parte de um Ato do jogo, e não a temática central dele. Você acha a a espada do cara e ele vira fodão de novo: "I remember now..." (para aqueles que repetiram o Ato I over and over hahahaha
Thiago Torres
Finalmente um Final Fantasy Tactics II? =D
Hugo Jardel
É inovador esse enredo para FF. Até onde sei não teve anjo com amnésia na série. u.u
Lekynus Sama
como não? no diablo 3 uma das missões é recuperar a memoria do arcanjo que havia caido como se fosse um cometa