O modder de videogames conhecido como Bacteria criou um console que reúne outros 15. Batizado de Project Unity, ele é chamado de “canivete suíço dos games retrô” pelo criador.

Ele roda games do Amstrad GX4000, Master System, Atari 7800, ColecoVision, Intellivision, Megadrive, Super Nintendo, Nintendo 64, NES, Turbografx 16, NeoGeo MVS, Gamecube, Dreamcast, Sega Saturn e PlayStation 2, além de Gameboy Advance, PlayStation One e Atari 2600.

O controle usado é um só, chamado de Master Controller, e tem um monte de botões para que nenhum dos consoles seja prejudicado. Como resultado, ele é enorme: mal cabe nas mãos do seu criador.

Para os jogos rodarem no Project Unity, as placas controladoras dos consoles foram colocadas em cartuchos modificados de NES, que são encaixados no controle – imagino que ele já não deva ser leve e fique ainda mais pesado assim.

Bacteria defende sua criação com o argumento de que, apesar de hoje ser possível emular consoles no computador ou no celular, fazer isso os deixa com falhas quanto à experiência: eles foram feitos para rodar num console, não em outro sistema. O Project Unity preserva a nostalgia que o gamer procura ao ir atrás de um jogo retrô.

O super console foi construído após 3.500 horas de trabalho e custou cerca de 700 libras. Mas não está à venda; quem quiser um igual pode ver as dicas no vídeo em que Bacteria explica o processo e tentar copiar. A partir de 9:28, começa a demonstração da coisa toda funcionando:

No entanto, apesar de ousado, o Project Unity não é pioneiro: o RetroN 3, da Hyperkin, também reúne vários consoles em um só. São apenas três, mas dá para quebrar o galho, e custa 70 dólares.

Atualizado às 16h40