Início / Arquivos / Gadgets /

Assim era o Google Glass antes de virar um gadget bonito

Óculos inteligentes chegam ao mercado ainda em 2013

Thássius Veloso

Por

Notícia
Achados do TB Achados do TB

As melhores ofertas,
sem rabo preso 💰

google-glass_div

Os engenheiros do Google estão muito próximos de colocar o primeiro modelo dos óculos inteligentes no mercado ainda neste ano. O Google Glass, como você deve lembrar, começou como uma promissora, porém distante, ideia para aproximar a tecnologia da vida das pessoas. Um jornalista americano brincou recentemente com a traquitana e ainda confirmou o prazo estipulado pelo Google: ainda em 2013.

Editor-chefe do site americano The Verge, Joshua Topolsky esteve no escritório da companhia em Nova Iorque para conhecer o Glass, que teve início como projeto de um engenheiro na chamada iniciativa X Lab do Google. Basicamente, um laboratório no qual inventivos engenheiros do Google trazem novos produtos à tona. Aposto que nunca veremos muito do que é pesquisado ali. Foi lá que ele teve contato com o aparelho.

Em resumo, Topolsky conclui que o Google Glass oferece uma experiência interessante ao trazer informações no momento em que o usuário precisa. Por outro lado, admite que pode ser estranho levar um desses para um encontro ou mesmo para assistir a algum filme no cinema.

Ele e a equipe de filmagem do site entraram numa cafeteria e logo os funcionários pediram para desligar as câmeras de vídeo. Claro que ninguém ousou pedir que ele desligasse também a captura de vídeo do Glass – até porque a maioria das pessoas sequer sabe o que é aquele negócio azul segurando os óculos do indivíduo.

O Google Glass é composto de duas partes. Tem a moldura normal dos óculos, por assim dizer, e uma parte removível onde ficam os sensores, bateria e o pequeno visor que exibe o texto branco quando está posicionado à frente do olho direito (de quem vê). Também ali fica um touchpad para controlar alguns recursos do aparelho.

Protótipo do Glass

Protótipo do Glass

Num dos momentos mais interessantes, a designer Isabelle Olsson mostra um dos primeiros protótipos do Glass. Essa coisa esquisita aí em cima, acredita, foi a origem dos óculos inteligentes que o buscador pretende vender em no máximo mais dez meses. Você usaria?

A primeira leva de Glass não terá conectividade por rede celular. O consumidor fica livre para conectá-lo ao Wi-Fi ou à rede de dados do celular por Bluetooth. Sem nada disso, como conclui o jornalista, ele vira só mais uns óculos. Bem esquisitos, óculos.

Vídeo: “I used Google Glass”

Vídeo: Demonstração do Glass