Stephen Wolfram, pai do software Mathematica, já era celebre e rico, mas queria ir além. Desenvolveu um projeto audacioso: um banco de dados com todo conhecimento do mundo; uma inteligência artificial que respondesse todas suas perguntas. Para quem ainda não foi apresentado, esse é o Wolfram|Alpha.

Lançado em março de 2009, o Wolfram|Alpha não tem a intenção de ser mais uma ferramenta de busca como o Google todas as outras. A ferramenta pretende tornar o conhecimento do mundo computável e apresentar dados e respostas, ao invés de uma lista de referências. Tudo muito bonito na teoria, mas não tão bem sucedido na prática. Apesar do buzz inicial, a ferramenta não se tornou popular. Talvez por que as pessoas não estejam ainda acostumadas ao novo paradigma de busca que ela propõe, mas é mais provável que seja porque a própria ferramenta não esteja ainda finalizada.

Por outro lado o Bing, a nova ferramenta de busca da Microsoft, teve boa aceitação e vem crescendo em popularidade. Um de seus maiores méritos é a forma conveniente que apresenta as informações, de fácil compreensão ao usuário. Talvez aí esteja o aspecto onde o Wolfram|Alpha mais pode aprender com o Bing: como apresentar dados de forma que sejam facilmente “consumíveis” pelo seu usuário.

Segundo o TechCrunch, Bing e Wolfram|Alpha teriam fechado um acordo, do qual não se sabe maiores detalhes. O Wolfram|Alpha poderia estar licenciando seus dados ou algoritmos, e o Bing o ensinando a ser mais amigável ao usuário comum. O que quer que seja, podemos esperar que a parceria entre Bing e Wolfram|Alpha beneficie seus usuários, com melhores resultados para as perguntas que fazemos às ferramentas da internet todos os dias. [TechCrunch]

Volume de acesso do Bing Vs. Wolfram|Alpha em suas primeiras semanas online [TechCrunch]

Volume de acesso do Bing Vs. Wolfram|Alpha em suas primeiras semanas online (TechCrunch)

Comentários

Envie uma pergunta