O vice-presidente sênior de marketing da Apple, Phil Schiller, veio a público responder as acusações de que a Apple havia censurado o aplicativo Ninjawords. Schiller respondeu ao post de John Gruber, do site Daring Fireball, o primeiro a noticiar o caso de censura do Ninjawords na App Store.

Na mensagem enviada a Gruber, Schiller diz que imediatamente após saber da censura ao aplicativos Ninjawords, entrou em contato com a equipe de revisores da App Store para saber o que realmente havia acontecido. Segundo o executivo, a Ninjawords não foi rejeitada pela App Store por conter palavrões, mas sim porque contém palavras tão abjetas que outros dicionários não incluiriam em seus verbetes. Com isso, foi necessário classificar o dicionário como recomendado para maiores de 17 anos.

“O desenvolvedor da Ninjawords então decidiu filtrar alguns termos ofensivos e e reenviar para ser aprovado para distribuição na App Store antes que o controle de pais tivesse sido implementado. A Apple não pediu ao desenvolvedor que censurasse nenhum conteúdo; o desenvolvedor decidiu fazer isso para chegar ao mercado mais rapidamente”. – Phil Schiller

Phil Schiller argumenta que a decisão de censurar o aplicativo foi inteiramente do desenvolvedor, e não da Apple. Ele diz que, mesmo que alguns verbetes fossem removidos, outros ainda fariam da Ninjawords uma aplicação considerada para maiores de 17 anos.

A Apple ainda não se pronunciou sobre a proibição do aplicativo Google Voice, do Google, na App Store. A FCC, órgão equivalente à Anatel, continua com investigação sobre o caso.

[Daring Fireball/CNET]

Comentários

Envie uma pergunta