Início » Arquivos » Negócios » Telecom Italia desistiu de comprar a GVT

Telecom Italia desistiu de comprar a GVT

Grupo Vivendi pede 7 bilhões de euros pela operadora nacional

Lucas Braga Por

A francesa Vivendi anda mal das pernas por causa da crise financeira que se passa na Europa. Para tentar conter a economia, a controladora decidiu colocar a venda a GVT, e a princípio muitas empresas estavam interessadas pela companhia. Entre elas, a TIM, mas o jornal italiano Il Sole 24 divulga, sem citar fontes, que os italianos já desistiram da oferta.

O preço que a Vivendi quer pela GVT é bem alto: fontes dizem que os franceses querem 7 bilhões de euros, quantia que dá aproximadamente 19 bilhões de reais. É um valor bem salgado para uma operadora que não atua na maior cidade brasileira (São Paulo). Antes da TIM, a Oi também desistiu de comprar a GVT, que alega que as condições financeiras não estão adequadas para o momento. Vale lembrar que a Portugal Telecom possui 25% do controle da Oi.

De acordo com o Telecompaper Headlines, a Vivendi já recebeu mais quatro propostas de compra, entre elas a DirectTV (dona da Sky), America Móvil (dona do grupo Claro/NET/Embratel), Liberty Global, que atualmente possui ampla operação na Europa, Chile e Porto Rico). Também há rumores de que a China Telecom possui o interesse de entrar no mercado de telecom brasileiro e comprar a GVT.

Centro de inovações da GVT: aparelhos aos montes, testes também.

Para mim é positivo que a TIM não compre a GVT. Aliás, seria injusto que qualquer player brasileiro se apossasse da operadora, já que isso eliminaria uma concorrente. Cadê outras operadoras estrangeiras que querem entrar no Brasil? Essa é a hora.

O Tecnoblog foi conhecer a sede da companhia em Curitiba. Leia sobre os bastidores nesta matéria especial.

Com informações: Teletime, Telecompaper Headlines, Valor Econômico

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Igor Silva
todo mundo feliz que a tim não comprou a gvt mas imagina se quem comprasse a gvt fosse a oi?
Ricardo Petri
importante
TatoGomes
Você tem GVT porque mora em Mauá e não em São Paulo. Cada um que me aparece...
Thanara Corrêa
Isso é algo a se comerar!
juniorsousa
Nada a ver...quem regula compras e fusões de empresas é o CADE (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) e não a ANATEL.
Fer
Todos vibra! Opa... Acho que isso combina mais com o outro post... HAHAHAHAHAHAHA... XP
Marcelo Minholi
Aleluia! Pé de pato, mangalô, três vezes... tá amarrado! rsrsrs
Wesley de Assis
Não entendi a parte que diz: "É um valor bem salgado para uma operadora que não atua na maior cidade brasileira (São Paulo)." moro em Mauá e tenho 50 Mb GVT, graças a Deus a TIM não conseguiu concretizar essa compra...
Thássius Veloso
Hayander, de onde você tirou essa informação? Não estamos sabendo disso.
Andros Maldaner
Eu, como assinante GVT, so tenho isso a dizer: GRACAS A DEUS
Douglas Chagas
Espero que a empresa que compre a GVT, seja ela qual for, consiga manter o alto nível de qualidade do serviço prestado pela operadora como ela está atualmente,. Seria realmente uma lástima se nós brasileiros perdêssemos essa que para mim é a única operadora da atualidade com um padrão de qualidade aceitável.
Tiago César Oliveira
Suspirei de alívio só em ler o título da matéria.
juniorsousa
Acho que o CADE não aprovaria essa compra..
Paulo Caldas
Pelo Amor de Deus , tomara que a bosta da America Movil não compre a GVT , pensa na merda que vai ser ... ela já é detentora da Claro / NET e Embratel , dai realmente não terá concorrencia ... espero que alguma operadora estrangeira compre e começe a operar no Brasil.
Gabriel Bemfica
Tem o lado positivo e negativo dessa desistência. O positivo, meio óbvio, é que não existe mais o risco da GVT adotar o padrão TIM de (falta de) qualidade, o que era muito provável (mas não garantido, vai saber) que acontecesse se a compra se concretizasse. O lado negativo é que a TIM poderia usar a rede de fibra ótica da GVT para oferecer o TIM Fiber nas cidades onde a operadora da Vivendi já atua, o que seria bem interessante para ampliar a oferta de banda (bem) larga no Brasil.
Exibir mais comentários