Início / Arquivos / Internet /

Brasil e Peru entram na disputa pelo domínio .amazon

Gigante do comércio eletrônico Amazon faz lance pelo gTLD

Thássius Veloso

Por

Notícia
Achados do TB Achados do TB

As melhores ofertas,
sem rabo preso 💰

Não será tão fácil para os forasteiros da empresa estadunidense Amazon conseguir a terminação de domínio (gTLD) .amazon junto ao ICANN, órgão máximo para distribuição de nomes de domínios. Os governos do Brasil e do Peru entraram com reclamações junto à entidade responsável por delegar gTLDs solicitando que o .amazon fique reservado para páginas relacionadas à Amazônia.

Para os governos brasileiro e peruano, há perigo de a empresa Amazon assumir o .amazon e não permitir seu uso “para fins de interesse público relacionado à proteção, promoção e divulgação” relacionados àquele considerado maior bioma do planeta.

O termo “Amazon” assim, em inglês, faz parte do nome Amazon Cooperation Treaty Organization, uma entidade que coordena o Amazon Cooperation Treaty assinado em julho de 1978. Ou seja, bem mais antigo do que a fundação do gigante do comércio eletrônico em 1994. Fazem parte do portfólio de domínios da empresa: amazon.com (Estados Unidos), amazon.de (Alemanha), amazon.it (Itália), amazon.co.uk (Reino Unido) e amazon.fr (França).

A Amazon não se manifestou oficialmente sobre o assunto.

Isso é em Manaus, na Amazônia brasileira (foto: Thássius Veloso)

Isso é em Manaus, na Amazônia brasileira

O ICANN iniciou leilão das terminações de domínio. Para participar, a empresa deve assegurar a capacidade técnica de gerir um domínio, além de pagar quantias vultosas para o órgão de internet. Entre os domínios mais disputados estão o .book e o .app.

De acordo com informações da TechWeek, a Amazon se propôs a gerenciar 76 gTLDs, enquanto o Google deseja 101 terminações de domínio – sem contar aquelas em que as companhias disputam com seus pares.

Agora resta saber se prevalecerá o histórico e a importância da Amazônia, que já considerada como o “pulmão do mundo”, ou os interesses econômicos da Amazon. Com certeza Jeff Bezos, CEO da companhia, tiraria bom proveito de um gTLD específico para as operações de e-commerce espalhadas em diversos territórios.

Alguns veículos de informação nacionais sustentam que a Amazon pretende iniciar as atividades no país no próximo ano.