A Nasa anunciou nesta segunda-feira seus planos de mandar o Android para o espaço – e isso não tem nada a ver com um possível apoio ao maléfico plano de lorde Steve Jobs em destruir a plataforma do robozinho. Na realidade, a agência espacial norte-americana irá utilizar smartphones com a plataforma do Google como “cérebro” em uma nova geração de mini-satélites de baixo custo que deverão entrar em operação “muito em breve”.

“Um pequeno grupo de engenheiros vem trabalhando no projeto dentro do Ames Research Center, em Moffet Field, Califórnia, com objetivo de evoluir rapidamente a arquitetura dos satélites e incorporar a abordagem do Vale do Silício de ‘libere antes, libere sempre’ às pequenas naves espaciais”, explica a Nasa em seu site.

Para que isso seja possível, o time do batizado PhoneSat deverá fazer “largo uso” de componentes eletrônicos que já existem nas prateleiras das empresas de tecnologia, incluindo um “smartphone comum, sem modificações, que já esteja ao alcance dos consumidores” para construir três satélites com um orçamento de US$ 3,5 mil para cada unidade.

Nexus One

“Os smartphones atuais já têm uma série de características bem-vindas nos sitemas de satélites, incluindo processadores rápidos, sistemas operacionais versáteis, diversos sensores, câmeras de alta resolução, GPS e uma série de rádios”.

O projeto PhoneSat já teve um protótipo construído para estudos na Terra. O PhoneSat 1.0 usava como base um HTC Nexus One como computador de bordo e era capaz de tirar fotos com geolocalização da superfície da Terra. Seus sistemas adicionais permitiam que o telefone fosse reiniciado à distância caso parasse de enviar sinais. Esse modelo conheceu o espaço embarcado em um balão espacial.

Com o formato de um cubo com 10 centímetros de lado, o pequeno Phone Stat 2.0 usará um Samsung Nexus S como base. Seu sistema de rádio permite que a base possa controlar todo o satélite do chão e o modelo terá sensores que permitirá calcular sua posição também com a ajuda do campo magnético do planeta. Seu lançamento é programado para “2013”.

Essa não é a primeira vez que a Nasa envia smartphones para o espaço. No ano passado a agência embarcou duas unidades do iPhone 4 para testes de como seus processadores se dariam com a radiação espacial.

Este é um avanço e tanto frente a tradicional política da Nasa com seus equipamentos eletrônicos. Os ônibus espaciais que estavam em atividade até o ano passado, por exemplo, utilizavam hardware com especificações dos anos 60, por exemplo. Claro que testes com pequenos satélites de baixo custo permitem que se corra alguns riscos. Mas já é um começo.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

henrique
cara o android ta bombando até no espaço !!
@andrelinod
Vish. Tá de fanfarronice né? Ou você acabou de rebaixar um dos projetos mais ousados e bem sucedidos da história da NASA à lixo? :/
@franchzilla
Caramba! Olha o naipe das soluções pra conseguir sinal da Tim!
Américo
A preocupação em poluir Marte é válida porque? Planejava passar a virada de ano lá?!?!?! O visual não deve ser mesmo tão bom quanto seria sem aquele jipe horrendo... huashuashuashuas.
Diego
LOL!!! Essa foi boa, a Apple vai correr pra registrar essa patente. Obs.: No começo da matéria está escrito "manda" no lugar de "mandar". "...seus planos de manda...", acho que 'enviar' ficaria melhor.
Helvio Mota
Armageddon feelings...
Johannes
Duvido que vão correr o risco de mandar um com Windows Phone! KKKKKKKKKKKKKK
Filipe
E correndo pro registro de patentes para patentear sua tecnologia inovadora de celulares espaciais, depois processa a Nasa e o Google....
Turdin
A pergunta certa seria: A terra resistira a re-entrada de um Nokia 1100?
viniciusghietti
Posso ver a Apple se corroendo!
Rony Souza
btw o material vai ser descartado no espaço. Pode ser lixo espacial?
Scheldon
Tá ai a única coisa que ainda não fiz com o meu N1, transformar em satélite, deixa eu ver se no xda tem passo a passo.
Edmilson
Com esse custo vai ser bem mais prático para fazer teste e a exploração vai avançar bem rapido.
Neto
Primeiro poluem a atmosfera da terra de lixo espacial. Não satisfeitos, vão agora sujar marte :/
Tiago Gabriel
Muito bacana, o custo e o desempenho dos aparelhos permitem bons resultados.
Exibir mais comentários