Início » Arquivos » Internet » “Lei contra pirataria é desperdício de dinheiro”, diz ministra francesa

“Lei contra pirataria é desperdício de dinheiro”, diz ministra francesa

Avatar Por

Por conta de uma terrível coincidência, depois que Nikolas Sarzoky, político e sortudo esposo da ex-modelo e cantora Carla Bruni deixou seu cargo de presidente da França, as políticas do país quanto à pirataria na rede sofreram uma ligeira reviravolta. Se antes o combate aos downloads ilegais era duro, com François Hollande no comando da terra dos gauleses, o combate aos downloads ilegais passou a ser visto como um “desperdício de dinheiro” pelas autoridades locais.

Aurélie Filippetti: ela entende a internet

Em 2009, depois de um tremendo esforço político da presidência da república, entrou em vigor na França uma polêmica “lei dos três strikes”, em que um usuário da internet poderia ter sua conexão à rede cortada caso fosse acusado de baixar conteúdo ilegal da rede por três vezes. Em entrevista à revista Le Nouvel Abservateur, a nova ministra da cultura Aurélie Filippetti afirmou que até agora a medida está sendo “cara” e “não está cumprindo sua missão”.

Falando a respeito do Hadopi (órgão que fiscaliza a pirataria da rede francesa) Filippetti, afirmou: “Não sei o que será da instituição, mas uma coisa é clara: ele não cumpriu sua missão em barrar os downloads ilegais. Em termos financeiros, estamos gastando 12 milhões de euros por ano para que 60 oficiais enviem 1 milhão de e-mails”. Um estudo realizado algum tempo depois da aprovação da lei já mostrava que ela era pouco eficiente.

Em seguida, afirmou que tem intenções de reduzir a verba do Hadopi para o próximo ano: “eu prefiro direcionar fundos para coisas que têm utilidade comprovada”. Também lembra que a atual lei deverá ter seu texto revisado no futuro, inclusive com mudanças no trecho que dá poderes ao órgão de desconectar piratas da web. “A suspensão da conexão parece ser uma sansão desproporcional frente ao objetivo de reduzir a pirataria”, comenta.

De acordo com a ministra, a nova lei deverá “considerar as mudanças de prática no uso de conteúdos culturais digitais” e “protegerá os direitos dos criadores de conteúdo como parte de um quadro mais amplo, que trata cultura de maneira diferente de outros tipos de produto comercial”.

Com informações: The Register.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

@LBKatan
Amém! Alguém com um pensamento diferente do que tá rolando por aí! Adorei a frase "protegerá os direitos dos criadores de conteúdo como parte de um quadro mais amplo, que trata cultura de maneira diferente de outros tipos de produto comercial”. \o/
Ricardo
Se concentra primeiro em consertar o "passo", que é uma palavra em português, pra depois tentar consertar um sobrenome estrangeiro, beleza?
Eduardo da Rocha Vieira
É importante separar pirataria de divulgação espontânea feita pelos próprios artistas. Nós expomos nosso material na Internet, não é pirataria, é forma que temos para conseguri encontrar pessoas que gostem do que fazemos. Agora, tenho que chamar atenção para duas coisas em sites que divulgam material artístico pelo que seria chamado de pirataria. 1 - Tem site que ganha com isso, ao colocar propaganda. Até pode ser argumento que o site não ficaria no ar e coisas como o Bitsnoop não se manteriam. Tudo bem. Eu, sinceramente, acho isso estranho, pois o artista fica à mercê de receber visitas e essa visita lhe gerar algum tipo de retorno financeiro. 2 - Tem site que divulga sem se prestar a propaganda. Lembro de ter encontrado uns dois e, infelizmente, não lembro o endereço.
Ramon Melo
É verdade, vai ser um palácio inteiro para frente!
Zephyro
Exatamente. Ontem mesmo encomendei mais 2 discos de um grupo coreano. Se não fosse a distribuição pela internet, provavelmente não conheceria e não teria comprado nenhum. E mesmo quando a pessoa não compra, pode acontecer aquilo que o Turdin e o Rafael destacaram: ajudar a popularizar e tornar conhecido a potenciais compradores.
Rafael
a pirataria é benefica ate mesmo quando nao compra-se o disco as vezes o disco já está indisponivel e a pirataria torna-se um meio de populariza-lo
bawlaw
*passo*
Turdin
Fora que mesmo se a pessoa que pirateou não comprar, talvez ela recomende para um amigo que não vai piratear e acabe comprando =)
9jb
Vamos ver no que dá, se ela convencer a acabar com a HADOPI já será um paço para frente. A propósito, corrige o nome do ex presidente lá: Nicolas *Sarkozy*
Ricardo
Pois é. Isso acontece mesmo. Tem muita banda, por exemplo, que eu jamais teria conhecido sem a ajuda da internet. E, consequentemente, eu não teria comprado MUITOS CDs originais que comprei porque gostei do que ouvi e resolvi dar o meu apoio aos músicos. O mesmo com vários jogos.
@CapJSheridan
A Suíça inclusive, já até reparou que a pirataria aumenta as vendas, pois as pessoas se arriscam mais a experimentar produtos piratas e depois acabam comprando mais do que esperavam
YanGM
Tia, tu é maneirona.