Início » Arquivos » Aplicativos e Software » Google atualiza termos e proíbe anúncios intrusivos na Play Store

Google atualiza termos e proíbe anúncios intrusivos na Play Store

Desenvolvedores de aplicativos para Android terão 30 dias para corrigir falhas.

Paulo Higa Por

Assim como os sites precisam seguir certas normas para exibir anúncios do Google AdSense, os desenvolvedores de aplicativos para Android também deverão obedecer a uma série de determinações do novo termo de uso da Play Store. Um email enviado na última terça-feira (31) destaca algumas das novas proibições, entre elas a utilização de anúncios intrusivos e nomes similares aos aplicativos nativos do sistema.

Chega de aplicativos que fazem spam na sua central de notificações!

Os anúncios serão considerados parte da experiência de uso do aplicativo, logo, não será permitida a exibição de propagandas inconsistentes com a faixa etária do aplicativo, muito menos banners que incitem atividades ilegais e violência ou contenham conteúdo sexual explícito. Além disso, será proibido utilizar as notificações do sistema para mostrar anúncios ou obrigar o usuário a enviar informações pessoais para obter uma experiência completa.

Assim como na política adotada pela Apple, todas as transações feitas nos aplicativos devem ser realizadas pelo sistema de pagamentos do próprio Google, exceto para compra de produtos físicos (como ingressos de filmes ou revistas em papel) ou conteúdos digitais que possam ser utilizados fora do aplicativo (como músicas e filmes).

Não pode, viu?

Para diminuir a quantidade de cópias na loja, os aplicativos não devem utilizar nomes ou ícones que possam confundir o usuário, imitando programas fornecidos pelo sistema ou existentes na Play Store. Assim, os aplicativos “Camera” e “Messenger” do Facebook para Android não poderiam mais ter esse nome.

Por fim, a política anti-spam diz que os desenvolvedores não podem utilizar palavras-chaves indiscriminadamente com o objetivo de manipular o ranking dos resultados de busca da Play Store; oferecer incentivos para que os usuários avaliem o aplicativo; enviar tráfego para sites de afiliados que não sejam de propriedade do desenvolvedor e mandar SMS ou email sem o consentimento do usuário.

Com as modificações nas políticas de uso, o Android poderá fornecer uma experiência de uso muito melhor – não é nada legal ver anúncios sendo exibidos como notificações e instalar um aplicativo pensando ser outro. Ainda não sabemos como o Google acompanhará as centenas de milhares de aplicativos, mas esperamos que a coisa dê certo. Se um desenvolvedor infringir uma das regras, ele terá 30 dias para corrigir o problema; caso contrário, terá seu aplicativo removido da Play Store.

Com informações: TechCrunch, Android Police.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Thiago Carvalho Petrolini
"Messenger" pode soar como algo diferente para nós, falantes do português, porque não foi traduzido. Já imaginou se o app se chamasse "Mensageiro"? Não fica um tanto genérico? Como as políticas do Google são ditadas em inglês, e o inglês domina a linguagem da tecnologia, o termo "messenger" se torna genérico.
Dennis
Muito boas as alterações na política de uso, alguns apps realmente abusam. Ponto pro Google.
@O_VELA
FINALMENTE!
YanGM
Adeus AirBlocker, você foi um bom companheiro.
Bestknighter
Sem mais anúncios na barra de notificações??? ESTOU NO PARAÍSO!
Forbidden_404
Existe
Lucas Carvalho
E além do mais dá pra distinguir pelo ícone, eu acho que eles irão levar em consideração o fato do Facebook não está querendo enganar as pessoas. Caso contrário é só colocar "Facebook - Camera", "Camera - Facebook" ou algo do tipo.
Kessler
Assim, os falecidos aplicativos “Camera” e “Messenger” do Facebook para Android Na verdade, o Facebook Messenger está ativo e foi atualizado dia 2 de julho.
Edmilson
No caso do Messenger do Facebook Acho que o nome Fmessenger já resolveria o caso. Existe algum messenger padrão no Android? Nunca vi.
Kessler
Veio junto com uma versão do Facebook para Android. Sumiu na versão posterior.
João Almeida
E já existiu o Facebook Camera para Android?