Box.net (ou simplesmente Box, como se chama atualmente) anuncia nessa semana um aplicativo específico para quem é fã da Microsoft até no celular. O app oficial de Box no Windows Phone permite enviar os arquivos para a nuvem e consultá-los mais tarde. Muito prático, simples de usar e com interface Metro, que é obrigatória no Windows de celular. Isso te lembra alguma coisa?

Sim, o SkyDrive da própria Microsoft. A empresa liderada por Steve Ballmer vem tentando a todo custo emplacar um serviço de armazenamento na nuvem com 7 GB de espaço grátis. Antes, para quem o utilizava para guardar arquivos com segurança, esse espaço era de até 25 GB. Na Box o usuário tem espaço menor: 5 GB gratuitos com opção de aumentar o armazenamento mediante assinatura mensal.

Aplicativo Box.net no Windows Phone

Aplicativo Box.net no Windows Phone

É importante ter outros apps no Windows Phone. A plataforma ultrapassou os 100 mil itens cadastrados, segundo informações recentes da Microsoft, mas permanece com atraso em relação ao que sai de mais bacana no Android e no iOS. Alguns leitores certamente discordarão de mim quando digo isso — não é pessoal, apenas uma constatação de quem vê títulos interessantes nas outras plataformas, mas não no Windows para celular.

O pessoal da Box disse ao The Next Web que está negociando com a Qualcomm, a fabricante de processadores, para embutir o aplicativo em futuros aparelhos com Android e com Windows Phone. Calcula-se que há 370 com o chip Snapdragon que poderiam receber o aplicativo nativamente se o acordo seguir em frente.

Dá para fixar os arquivos nos Live Tiles (na tela inicial do WinPhone), bem como convidar amigos para acessar certas pastas ou arquivos. Similar ao que o SkyDrive oferece.

Depois de chegar ao Windows Phone Marketplace, a próxima parada da Box.net: um app seguindo Metro dessa vez para Windows 8. Não me custa lembrar que o próximo sistema da MS chega nas próximas semanas para fabricantes e em outubro para o consumidor em geral.

Colocar seus arquivos na nuvem significa concordar com termos de serviços às vezes espartanos. Um especial em direito explicou ao Tecnoblog com o que internauta deve se preocupar — considerando-se a legislação nacional.