Ainda não temos acesso a um documento do Google endereçado à Comissão Europeia (o órgão regula as relações de mercado naquele continente) que parece trazer um acordo entre o mais importante buscador do mundo e a comissão. O Google teria concordado em modificar seu algoritmo de busca para atender uma demanda governamental, se os relatos do jornal inglês Guardian estiverem corretos.

Faz tempo que a Comissão Europeia investiga o Google por acusações de truste — agir no mercado com o objetivo de garantir posição dominante. Artigo escrito por mim neste Tecnoblog em fevereiro de 2010 falava sobre o assunto e traz algumas explicações. Depois de muitas idas e vindas no processo, a Comissão ofereceu um acordo com o buscador desde que o Google respondesse quatro pontos principais que causam preocupação aos europeus. O documento entregue nessa semana por Eric Schmidt, chairman da empresa, deve apontar soluções para esses problemas.

A Comissão Europeia questiona o modo como o Google posiciona alguns recursos próprios nos resultados de busca. São eles: produtos, vídeos e mapas. “Concorrentes reclamam que o Google posiciona seus próprios recursos bem mais acima nessas listagens do que os rivais, dando a eles um tratamento injusto e uma vantagem ilegal quando internautas visualizam os resultados”, diz o jornal inglês. Tudo nos leva a crer que o Google concordou em modificar estes rankings. Baita vitória da Comissão Europeia se a informação se confirmar.

Resultados de compra para barbeador no Google

Pesquisa por “barbeador” mostra links do comparador de preços do Google com tratamento diferenciado

Investigações como essa acontecem em outros países, inclusive no Brasil. Um grupo de empresas de internet liderado pelo Buscapé questiona no Ministério da Justiça o destaque com que as recomendações de produtos aparecem nos resultados do Google quando são listas de compras fornecidas pela própria empresa. A FTC (Federal Trade Commission, ou Comissão Federal de Comércio) dos Estados Unidos também investiga o chamado googlepólio.

Enquanto responde a algumas críticas no Velho Continente, a mesma empresa já avisou que a recomendação inteligente de produtos para Estados Unidos será modificada dependendo do valor pago por fabricantes para que seus produtos apareçam com mais destaque. Seria o equivalente aos links patrocinados, porém aplicado a produtos com ficha completa e avaliação crítica a um clique de distância. Provavelmente os órgãos americanos também vão levar essa nova característica do algoritmo em consideração no momento em que julgarem o caso.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Gabriel
@Kessler O Google é tão f*da no que ele faz que criou o monópolio a base da competência mesmo. Além disso, seu serviço se tornou tão imprescindível que suas atitudes influem no mundo inteiro. Não estou criticando o Google, qualquer empresa faria isso no lugar deles mas isso vira quase um problema público. É estranho, mas acho que faz sentido a Microsoft não poder empurrar o IE no Windows e a Apple poder empurrar o Safari no OS X. O público afetado não é constituída de 90% da população da UE. Isso é minha opinião, certamente é discutível impedir o Google favorecer seus produtos pela sua própria grandeza, mas eu também apoio a atitude pela própria postura do Google como empresa: sempre trazer os melhores resultados para o usuário. O Google Chrome foi punido por usar de artifícios para aumentar sua relevância na busca, porque todas as empresas que fazem isso são multadas e o próprio Google foi pego!
Kessler
Mas veja bem, o Google não está fazendo nada para tentar reduzir a concorrência entre os buscadores, ele está apenas dispondo os produtos como bem entende em seu buscador. Não deveria ser a função do Estado socorrer cada chorão que acha que uma empresa deveria dar tanta atenção aos seus produtos quando dá aos a da própria.
Gabriel
Desculpe, mas realmente não sei qual a diferença. Nos EUA que tem uma concorrência maior, o Google detém 80% das buscas. No Brasil, ele detém mais de 90%. O que seria classificado como um monopólio senão prover o serviço para uma grande fatia do mercado?
Kessler
O Google não possui um monopólio. Ele possui um serviço que é dominante no mercado, o que é bem diferente. Uma coisa são comissões evitarem a criação de monopólios (como empresas gigantes comprando as concorrentes), outra bem diferente é ditarem como essas empresas devem gerir sua atividade.
Gabriel
Não sei se melhorou muito no Android 4.0, mas perto do que tem no Windows Phone 7.5 o aplicativo de contatos do Android 2.3 era uma piada na hora de funcionar com o Facebook. Ele deixava um monte de contatos como mesmo nome/e-mail separados na lista e duvido que seja incompetência do Google para fazer algo melhor para o seu sistema. A questão é que o Google tem seus interesse e um monopólio e por isso deve ser monitorado, ficar empurrando goela abaixo o Google+ que, atualmente, é irrelevante para o usuário final por exemplo.
Teko
O Android não se integra ao Facebook? O app de contatos não te diz alguma coisa? Quanto ao Gmail é uma questão de birra, das 2, o Gmail não permite o Facebook, nem o Facebook ao Gmail. É claro que agora o Google quer uma integração, por causa do Google+.
@fefoon
Por isso que a Europa tá quebrada...
CH
Simples: não quer que o Google dê preferência aos seus parceiros? Utilize outro buscador...
Turdin
Burra, mas continua sendo rigida =]
Gabriel
O problema é o abuso de poder pelo monopólio do mercado de buscas. Mercados em livre competição não precisam de regulamentação, mas acho que alguns órgãos devam monitorar mercados muito centralizados. A própria posição do Windows mostrou-se um problema, sempre foi difícil trocar de plataforma pela hegemonia da Microsoft em sistemas dekstop. Hoje, é mais simples fazer a transição para um Mac ou Linux, mas ainda é complicado encontrar softwares mais específicos. Fora a questão do IE, MSN Messenger, Office e outros softwares dela beneficiados pela posição da Microsoft. Sei que todo mundo acha o Google bonzinho, mas é preciso manter o controle porque ela continua sendo uma empresa. Se ela fosse santa, o Facebook já estaria integrado ao Android e Gmail. O mercado de smartphones, por exemplo, é muito mais saudável para o consumidor, é ruim apenas para os comentários em blog de tecnologia. :D
Felipe Lima
EUROPA falida! Deveriam aprender com o Google como se erguer desta crise toda.
Felipe Lima
por isso q o GOOGLE deveria comprar tudo!
Felipe Lima
Google eh mais rico que toda Europa... nao eh por acaso mesmo!
Felipe Lima
pois eh.. por isso q estao falidos! Tomara que o Google compre a EUROPA inteira logo!
YanGM
Faço das palavras de Chico as minhas.
Exibir mais comentários